Links

ARQUITETURA E DESIGN




Favela no Rio de Janeiro - www.radio.weblogs.com


Money - www.faust.fr.bw.schule.de


Afeganistão - cemetery of living - www.zalmai.com


Abrigo no deserto (Iraque) - www.nbaa.pt


Foto de Sebastião Salgado


Celebração das cidades, concurso UIA - www.nbaa.pt


Colectores fotovoltáicos em obras públicas - www.nbaa.pt

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

IN SUSTENTÁVEL ( I )

NADIR BONACCORSO


Escrever sobre arquitectura, pela vasta temática que abraça e pela problemática que hoje abrange, é acima de tudo e para mim um desafio, já que me obriga a estruturar os princípios que regem o trabalho que desenvolvemos, reflectir sobre a profissão em geral e explicitar publicamente as emoções/preocupações que esta me provoca. Não temos dúvida que a arquitectura está a passar por uma fase em que de forma geral é considerada alternadamente ou como algo supérfluo ou como algo luxuoso e altamente ”vendável” do ponto de vista comercial. Raramente porém, vemos a arquitectura como uma bandeira de qualidade de vida, de construção, ou como uma ferramenta de integração e desenvolvimento social das populações e das cidades.

Vivemos e trabalhamos hoje de forma às vezes autista tentando perseguir objectivos, navegando nas marés de interesses diversos, procurando conseguir responder às solicitações com um misto de objectividade temperada e idealismo moderado, perdendo a oportunidade de expressar a nossa capacidade intrínseca; de questionar mais profundamente os temas que nos são propostos com responsabilidade e consciência ecológica.

A arquitectura está doente

Temos a tendência de perder a noção de que a nossa formação permitiu no passado sermos os grandes interlocutores entre um sistema político económico estabelecido e o habitat humano. Mas hoje somos involuntariamente reféns das leis de um mercado pouco exigente que também ajudamos a criar numa sequência de causa efeito.
Os instrumentos e as respostas que sempre caracterizaram a arquitectura estão hoje empobrecidos. Os projectos para as nossas cidades flutuam entre um processo impessoal irresponsável e claramente especulativo, e a obra de arte, marca individual de autor, ou é oito ou oitenta.

Temos hoje informação e cultura suficientes para tentarmos pegar nas rédeas do nosso destino, mas continuamos pequenos. Fala-se, festeja-se, publica-se a arquitectura, embora na sua essência tenha perdido grande parte do seu significado e importância social.

Até ao nível do ensino continuamos a privilegiar abordagens individuais (seguindo os procedimentos de criação de autores) às desejáveis reflexões pluridisciplinares. Os resultados não podem ser de certeza diferentes das realidades que conhecemos: as nossas cidades estão a deixar de ser um espaço para viver e trabalhar (com qualidade) para serem transformadas em “grandes estacionamentos”. As crianças já não jogam na rua. O viver com qualidade está hoje associado com a moradia ou com o apartamento em condomínios fechados. As cidades estão sub-habitadas, ao contrário das periferias que com os seus nefastos efeitos, continuam com o seu crescimento obsessivo, fruto também de um sistema de financiamento local perverso do ponto de vista do ordenamento e equilíbrio do território.

Como um corpo doente, a cidade não consegue funcionar e cumprir o seu papel de espaço humano “ad hoc”....”O homem habitua-se realmente a tudo...”

Noutra escala, temos consciência de que a construção (seja ela onde for) não tem qualidade e que, ao contrário do “vox populi” não depende sobretudo de quem constrói mas mais de quem promove e quem projecta. A consequência, para além das óbvias constantes manutenções ao precoce avelhar da edificação, resulta num processo anti-económico. O efeito no meio ambiente é conhecido, 25 a 30% dos gases que produzem os efeitos de estufa provêm da falta de um adequado isolamento das casas, sendo que, os gases provenientes dum sistema de ar condicionado ficarão retidos na atmosfera terrestre durante 50 mil anos. Os efeitos a médio prazo (hoje!) são incomportáveis.

A arquitectura, ao renovar-se, deveria ter um papel preponderante no desenvolvimento de uma cultura mais rigorosa que, educando, valorizasse o processo construtivo como a tradução de um projecto (para o comum dos mortais a arquitectura é o desenho, e a edificação é o papel do mestre de obras, figura que já desapareceu há décadas).

Somos sem dúvida co-responsáveis pela actual situação, no entanto, temos instrumentos para enfrentar estas problemáticas num mercado sempre mais receptivo para as acolher. Não fizemos nenhum juramento de Hipócrates mas temos responsabilidades superiores que teremos de acarretar.

E se olharmos sem romantismo, com o pragmatismo de um empreendedor (papel necessário hoje num atelier de arquitectura), perceberemos que o tema da sustentabilidade, a todos os níveis, não só deveria fazer parte do nosso trabalho, como é nosso dever, e mais, alargar-nos-ia possibilidades de mercado aumentando o grau de exigência.

A arte de edificar sempre significou reconhecer a situação topográfica/territorial, e procurar as correctas orientações numa base realmente técnico/científica, utilizando tais conhecimentos para organizar e plasmar o espaço, num sentido de conforto e poupança, mas também num sentido ecológico.

Temos instrumentos tecnológicos ao nosso dispor... temos o conhecimento... o tempo, esse corre inexoravelmente. O que é que nos falta?

Não posso deixar de pensar num antigo ditado popular dos índios da América “não herdámos esta terra dos nossos avós, pedimo-la emprestada aos nossos filhos”

Mãos à obra!!!

Nadir Bonaccorso , arquitecto