Links

ARQUITETURA E DESIGN




Fotografia: Sailko


Desenho: SIPA (Sistema de Informação para o Património Arquitectónico)


Fotografia: Danmarks NationalBank


Fotografia: Editorial Blau, Lda.


Fotografia: Sergio Fernandez


Desenho: Reprodução dos esquemas de MacCarter


Desenho: Frank Lloyd Wright Foundation


Desenho: Frank Lloyd Wright Foundation


Fotografia: S/ referência

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO

GONÇALO PIRES DOS SANTOS


 


1
Tento imaginar a forma como Michelangelo percorria as salas da Basilica di Santo Spirito por entre os corpos dos mortos provenientes do hospital do convento. A maneira como parava diante deles. Como os encontrava. Como os tocava e os desenhava procurando pela mão perceber essa dimensão invisível do tempo das cavidades da rótula ou do encontro entre o estômago e a pélvis. A mão que desliza com a gravidade pela coxa ou que se arrasta do pescoço ao queixo.
Tudo isto me veio à cabeça ao olhar pela primeira vez para o crucifixo de Jesus Cristo que está suspenso na sacristia da basílica. A forma como está pregado numa posição delicada a uma cruz particularmente elegante. A consciência do tempo na curva entre o topo da anca e a dobra por detrás do joelho ou a articulação entre os braços e o peito fazem a figura permanecer num tempo eterno pleno e amplo onde a pele se parece com luz e o peito quase bate.

E enquanto escrevo apercebo-me de que a consciência deste tempo entre elementos é semelhante à forma arrastada do movimento entre os penedos no convento dos capuchos em Sintra. E tudo se liga. O tempo de que Rilke fala. Os tons de um fado que pareciam percorrer as paredes de uma emoção. A entrada para o lobby do banco de Jacobsen em Copenhaga. A distribuição orgânica da casa de Ofir. A Villa Mairea e a casa Herbert Jacobs nos seus espaços
desdobrados. O absolutismo centralizador do Unity Temple. O cinema sem forma de Godard. O Buvete das termas de Chaves do Godinho. A entrada da casa de Chá em Leça e por ai fora.


2
Ainda me fascina o dia em que visitei pela primeira vez o Convento dos Capuchos.
Passo por debaixo de dois calhaus e subo umas escadas que me levam a um gênero de terreiro onde se vê ao fundo um pequeno alpendre com - ao que parece - uma limitada continuidade espacial. Do alpendre abre-se uma porta à esquerda para uma igreja. E até aqui achava eu que já tinha visto o convento. Até que me apercebo de uma luz na parede esquerda que interrompe a sua continuidade. E como Michelangelo que descobre pela primeira vez a empena de um seio morto eu subo umas escadas. De costas para o altar vou tacteando enquanto o espaço se vai desdobrando e escalando a serra de uma forma infindável. Enquanto Michelangelo percorre todo esse seio eu encontro a sala do coro e um corredor. Sete celas. E por ali acima uma série de outros espaços que se arrastam progressivamente sem forma no desenrolar da serra e fazem activar um tempo atmosférico que permite a vida.

Este arrastamento ou duração longa carrega a capacidade de transformar um sistema fragmentado de identidades numa unidade orgânica espacial negando a possibilidade de formação de um mapa conceptual de organização do espaço (que intelectualiza a experiência) e tornando improvável o desenvolvimento de pré-concepções ou relações virtuais aproximando
a experiência - através do binômio movimento-tempo - de uma honestidade pura e viva. E tudo isto activa o tempo de que Rilke falava. Um sentimento de agradável sustento e a sensação de um amplo repouso que gera um estado de contemplação quase inconsciente. Um tempo tão ténue e tão amplo que gera uma comunicação perfeita e contínua impossível de interpretar como um reforço ou um agravamento de acontecimentos anteriormente vividos, que, apesar de todo o seu encantamento, não se pode de modo algum dizer que se trata de um prazer, de um gozo ou de uma fruição mas sim de algo como uma passagem para outra margem da natureza. (Rilke, data incerta)


3
Todo o espaço construído existe com uma largura, um comprimento e uma altura num mundo dimensionado e apenas através desse mundo - o mundo concreto das coisas - podemos construir o Tempo. Assim, alerto o leitor que não é objectivo deste texto vaguear em noções abstractas associadas ao espaço mas ir ao encontro do que poderá ser a importância de uma dimensão invisível temporal na percepção do espaço como universo háptico.

Proponho que nos apropriemos da expressão de Wright e falemos em termos concretos sobre o principio da limitação do espaço interior. Não tem isto que ver com “levantar paredes, fazer pavimentos e tectos; isto representa para os seus olhos nada mais do que aprisionar o espaço, jamais limitá-lo. Ele quer que se considere o espaço como entidade viva e expressão própria, essa atmosfera por vezes quase transcendente e misteriosa que se observa em certas naves, nas conchas de alguns moluscos, ou no interior das grandes florestas. Uma atmosfera limitada sem limites, diluída na imensidade do Mundo que a cerca, em que nós lhe pertencemos e não ela nossa prisioneira”. [1]

Wright foi profundamente influenciado pela ideia de Emerson de que apenas o indivíduo, através da disciplina de princípios adquiridos com a experiência, poderia influenciar a civilização e a natureza (MacCarter, 2005).

(Num plano de ausência de uma identidade clara da arquitectura americana no virar do século, era certo para Wright que esta não se desenvolveria a partir em pré-concepções formais ou teóricas arbitrárias mas numa base regional, com variações dependentes do clima, da paisagem e dos métodos de construção locais (MacCarter, 2005). Não a partir de estilos clássicos transplantados pela academia mas através de um retorno aos princípios elementares da arquitectura baseados na natureza e na história.)

A sua compreensão da experiência do habitar como um evento nao-estático faz com que entenda o corpo humano em movimento como medida e escala primordial na composição e proporção da ordem do espaço. O Form follows function do seu mestre Sullivan deixa de fazer sentido e Wright transforma-o em Form is function na procura de uma ordem de integridade natural. Ou seja, a forma relaciona-se intimamente com o propósito ou função desenvolvendo- se a partir de uma concepção interior como um organismo.
Ao invés de uma forma estável e pura à qual se ajustam as funções sem vida, Wright constrói um repouso dinâmico através de uma fusão equilibrada de volumes interdependentes (MacCarter, 2005) produzindo uma continuidade espacial que apela a um sentido fundamental de presença do sujeito, que o levam a decifrar a realidade pela experiência pessoal.

(McCarter estabelece duas estruturas fundamentais na concepção espacial em Wright. Na primeira - pinwheel - quatro volumes giram em torno de um centro sólido: espaço desdobrado. Na segunda - cruciform - dois volumes interpenetram-se formando um quadrado estável no centro: espaço projectado).

É o caso do Unity Temple (1908) que a partir de uma estrutura cúbica desenvolve um sistema de multiplicidade espacial em que o volume principal - estruturado por vários espaços entrelaçados - é mantido em tensão através da fusão entre uma dinâmica de projecção e o quadrado centrado e estático (McCarter, 2005).
Ou na casa Herbert Jacobs (1936) onde o eixo espacial da sala é bloqueado longitudinalmente para que o espaço se (re)oriente e (des)dobre de uma forma contínua lateralmente em volta do jardim.

Uma arquitectura quase científica. Na forma como faz uso de uma ordem geométrica rigorosa e consciente do espaço como matéria e não pela folia de planos mais ou menos orgânicos. E é precisamente esta ordem geométrica que permite a Wright construir o espaço como um corpo contínuo através da resolução de uma dicotomia entre independência dos elementos e fusão espacial.

E talvez Zevi tenha mesmo razão como volta a constatar Távora no seu diário de bordo. Talvez o sr. Gideon se tenha enganado “ao por Wright no principio e Le Corbusier no fim do seu livro; foi um pequeno engano… de pôr tudo ao contrário. E o mundo sente, todos nós sentimos (e eu chorei por isso mesmo) que me falta qualquer coisa, que a máquina está perturbada, que o caminho não é exactamente este e que os anos passam… Estamos a fazer uma arquitectura de esqueletos decorados; e Wright conseguiu criar organismos. Quem se atreve a discutir a forma de um dedo, a cor de uma flor ou o bico de um pelicano? São assim porque são assim. É isso que nós precisamos de fazer em lugar de andar a vestir esqueletos com pinturas e esculturas (…)”. [2]


4
Agora, aqui parado num semáforo algures na baixa de Lisboa, vejo toda a história da arquitectura e os princípios mais elementares do mundo natural serem amassados por uma reabilitação acartonada com acabamentos tão planos que nem Foucault os consideraria higiénicos por pertencerem tão pouco à realidade humana.
O carácter de um espaço não é apenas uma qualidade visual! “Nós sentimos a continuidade e a completude do espaço à nossa volta como um abraço. Nós sentimos até o espaço por detrás das nossas costas; vivemos em mundos que nos rodeiam, não em imagens frontais retinias ou meras imagens perspectivadas orientadas na nossa direcção”. [3]3 E esse abraço, como um nevoeiro que nos envolve constrói um caminho invisível que nos funde com o mundo. Torna- nos interiores e participantes. Portanto como Michelangelo nos diz, é indiscutível que os membros da arquitetura derivam dos membros do homem.

(As palavras não têm força suficiente para carregar a noção de espaço. No entanto servem como um meio.)

 

 

Gonçalo Pires dos Santos

 

 

:::


Referências

[1] Godinho, Januário, Frank Lloyd Wright in Arquitectura nº67, Abril 1960, p. 3.
[2] Távora, Fernando, Diário de “bordo” (estabelecimento de texto), Porto: Associação Casa da Arquitectura, 2012, p.
237-238.
[3] Turrel, James, Plato’s cave and Light Within, in Elephant and Butterfly: permanence and change in architecture, ed. Jyväskylä: ed Mikko Heikkinen, 9th Alvar Aalto Symposium, 2003, p.144


Bibliografia

- Rilke, Rainer Maria, A Voz, edições rolim, Lisboa.
- Arquitectura nº67, Abril 1960.
- McCarter, Robert, On and By Frank Lloyd Wright, New York: Phaidon, 2005.
- Távora, Fernando, Diário de “bordo”, Porto: Associação Casa da Arquitectura, 2012.
- Elephant and Butterfly: permanence and change in architecture, Jyväskylä: ed Mikko Heikkinen, 9th Alvar Aalto
Symposium, 2003.