Links

ARQUITETURA E DESIGN




Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo

Outros artigos:

2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA

CONSTANÇA BABO


 


Atualmente torna-se cada vez mais importante relembrar a necessidade da comunicação e da relação entre culturas, etnias, religiões, géneros, que, em conjunto, compõem um mundo mais global, dinâmico e evoluído. Contudo, esta realidade tem sido frequentemente questionada e problematizada por vozes ainda conservadoras e opressivas. Em resposta, devemos procurar contribuir para a diversidade cultural e social, intuito para o qual a arte se revela um motor de grande força, com a capacidade de funcionar como mediadora de culturas.

Alhambra, testemunho da última grande civilização Islâmica na Península Ibérica e declarada Património da Humanidade pela Unesco, celebra o cruzamento de pessoas, viajantes e novos habitantes, acima de tudo, indivíduos plurais e cosmopolitas de distintas origens. Por conseguinte, torna-se um local particularmente importante que deverá, por um lado, ser conservado e preservado com a sua histórica beleza, e, por outro, evoluir de acordo com a época e sociedade atuais.

Situada no município de Granada, a cidade encontra-se rodeada por uma paisagem com um caráter e encanto muito próprios. Álvaro Siza destaca a delicadeza da Alhambra árabe, das suas formas orientais, geométricas, desenhadas ao pormenor, das cores que irrompem dos azulejos, características de um estilo cuidado e elaborado através da junção de materiais e uma multiplicidade de elementos. Deste modo, no caso de qualquer alteração às edificações, essas particularidades que compõem a cidade devem ser tidas em consideração, nelas se incluindo uma estrutura de equivalente magnitude que se instala na área, o Palácio de Carlos V. Representativo da religião católica, o edifício cria uma disparidade com o meio envolvente, diretamente ligado ao islamismo. O contraste é atenuado pela natureza da construção, assinada pelo arquiteto Pedro Machuca, escolhido pelo imperador Carlos V. Sendo o palácio renascentista e de influências maneiristas, manifesta-se com uma geometria e escala que se distinguem acentuadamente das restantes e tradicionais da zona.

Ora, precisamente para não acrescentar mais uma divergência estética e formal a Alhambra, Siza determinou como objetivo desenhar algo que se enquadrasse com o já existente. Juan Domingo Santos, arquiteto espanhol com quem partilhou a autoria do projeto que, hoje, nos é apresentado, garante com veemência que o trabalho de ambos foi elaborado com "sensibilidade e extrema preocupação em se adequar à paisagem". Com tal perspetiva e, também, evitando assumir-se da mesma forma que o palácio, como um elemento de força e poder, os arquitetos avançaram na proposta para o novo Átrio de Alhambra, mediante o Concurso Internacional de Ideias. Mesmo tendo vencido, Siza conta que, posteriormente e antes de avançarem para o processo de construção, foi-lhes dito que o "projeto não está de acordo com o sítio para o qual foi destinado". Ambos os autores desconfiam que o motivo do retrocesso na decisão teve raízes num conflito político, confessando o seu lamento perante a impossibilidade de realização da obra. Mais recentemente, o caso alterou-se e foi-lhes feito o convite para reestudarem a proposta feita.

Agora, em Serralves, é-nos apresentado o que estes dois arquitetos conceberam, revelado ainda enquanto objeto de possível concretização. Suzanne Cotter refere que se abre a rara possibilidade de descobrir um projeto quando este apenas existe enquanto conceito, em fase de expectativa de realização. Estabelece-se, assim, uma oportunidade única de conhecer uma obra em pleno processo de crescimento, ainda genuína, inalterada, verdadeiramente exposta como foi imaginada e elaborada por estes dois conceituados criadores. Simultaneamente, é-nos permitido conhecer a metodologia do trabalho de Álvaro Siza, através de esboços, estudos, fotografias, maquetes e vídeos em que o próprio revela outras particularidades desta viagem, que confessa ser um dos maiores desafios da sua carreira.

Assim, celebrando não só este projeto mas também a restante criação e trabalho do arquiteto, é verdadeiramente acertado apresentá-lo em Serralves, dando continuidade ao programa que a instituição dedica à obra de Siza e a toda a arquitetura contemporânea. Daí se destaca a exposição que esteve patente de junho a setembro de 2016, no mesmo espaço, na biblioteca do museu, Matéria-Prima: um olhar sobre o arquivo de Álvaro Siza [1]. Agora, a nova exposição introduz um projeto que não pertence ao arquivo da instituição, mas que se mostra particularmente importante e pertinente mostrar ao público.

Descoberto por Kristin Feiriss, júri do prémio Pritzker, em visita ao atelier de Siza, as Visões da Alhambra já foram expostas no Aedes Architecture Forum de Berlim, no Vitra Design Museum de Weil am Rhein, no Palácio de Carlos V em Granada, no National Museum of Art, Architecture and Design da Noruega, em Oslo e ainda no Aga Khan Museum de Toronto. Hoje, este recente trabalho é exposto nas salas desenhadas pelo arquiteto português, pois, como Suzanne Cotter referiu, "é importante trazer o projeto de volta a casa [de Álvaro Siza], ao Porto".

Também de um significado pessoal e emotivo foi a aproximação de Álvaro Siza a Alhambra. O arquiteto relembra as suas várias visitas à cidade, em família, num primeiro momento na década de 1940 e, depois, em 1984. Paralelamente, esta região de Granada é considerada marcante para vários criadores das mais variadas práticas artísticas. Desde Henri Matisse, M.C. Escher, Frank Lloyd Wright ou Louis Barragán, entre outros, são múltiplas as mãos de artistas que se deixam afectar, mover e, seguidamente, agir e criar, perante tal união entre o médio Oriente e o Ocidente. Para Siza, é sessenta anos após as suas primeiras incursões à área que desenvolveu a sua proposta de uma "Porta Nova" para os 8500 turistas diários que lá transitam. Esta detém uma significação atual, respondendo e contribuindo para a continuidade de entradas na cidade e, através daí, para a valorização e a celebração da heterogeneidade social.

Deste modo, o projeto contém um importante significado, representando uma porta para a interação das culturas islâmica e cristã, algo particularmente importante nos dias de hoje. Para a sua defesa e apresentação, aos autores da obra juntaram-se, Kristin Feiriss, o engenheiro Jorge Nunes da Silva e o comissário da exposição, também ele arquiteto, António Choupina. Juntos conversaram abertamente, no auditório de Serralves, após uma primeira inauguração da exposição. No dia seguinte, dia 8, deu-se a oficial abertura ao público e assim permanecerá até dia 28 de Maio deste ano de 2017.

 


Constança Babo

 

 

:::

Notas

[1] mais informações: http://www.artecapital.net/arq_des-131-materia-prima-um-olhar-sobre-o-arquivo-de-alvaro-siza