Links

ARQUITETURA E DESIGN




A planta, ICHONOGRAPHIA de Vitruvius (30)


Palácio do Ca D´Oro, Veneza, Itália


Edifício da Bauhaus (arqtos. Walter Gropius e Adolf Meyer), Dessau, Alemanha


Vila Stein (Le Corbusier), Garches, França


São Jerónimo no seu estúdio, Albrecth Dürer.


Tavola VIII, 1760, Carcieri, Giambattista Piranesi.


Fagus Werk (arqtos. Walter Gropius e Adolf Meyer), Alfeld, Alemanha


Capa do livro de Kenneth Frampton Modern, Modern Architecture: a critical history; London and New York: World of Art, Thames and Hudson; 1985.

Outros artigos:

2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO

PEDRO BELO RAVARA


No primeiro livro dos Dez Livros, Vitruvius apresenta-nos a vista profunda ou penetrante sobre os edifícios de arquitectura como uma sucessão de planos, denominando-a de cenografia. SCIOGRAFIA, correspondia ao corte do espaço, de forma a conseguir-se uma vista através dos interiores de um dado edifício. A planta, ou a marca desse edifício no solo, como que pegada, que acusa não só a sua estrutura interior mas como a relação entre os seus compartimentos, corresponde à vista iconográfica, ICHNONOGRAFIA, não sendo nunca visível, mas e só, intelectualmente construída. A descrição das alturas da construção, a planificação dos alçados, ou vistas de frente, laterais e tardoz, são as vistas ortográficas, ORTHOGRAPHIA, apenas as faces exteriores do invólucro do espaço interior (1).

A estes três tipos de representação associam-se valores diferentes, à planta, valores iconográficos, do sentido e da organização, aos alçados, das suas vestes ou revestimentos, afinal do seu aspecto, e o do corte pelo interior, que acusa a profundidade, as transparências e as opacidades entre planos que definem a sequência cenográfica.

Esta vista através de acompanha a produção artística até aos nossos dias, sendo potencializada a sua representação através da invenção da perspectiva. No entanto, e devido à descoberta da perspectiva como método científico de descrição espacial, os sentidos últimos para que tendem cada um dos tipos de representação clássica, perdem-se pelo simples entendimento da geometria de Monge, como vistas em corte, planta e alçados.

Erwin Panofsky percorre os sentidos da perspectiva e vistas, que atravessam a produção pictórica, remetendo-se a arquitectura aí representada como garante dos efeitos de perspectiva, e como tal da vista através do espaço, ou das salas (2). O sentido das diferentes perspectivas configura duas situações diferentes sobre a noção do espaço interior, sobre o qual a arquitectura se centra: a- a sala ou espaço apresenta-se como unidade própria, destacando-se figuras e imagens nela introduzidas; b- a sala ou espaço é uma continuidade de acontecimentos, de escalas e valores diferentes, nas quais se representam, também, as figuras e imagens. A diferença entre o primeiro e o segundo tipo de representação pictórica da perspectiva, reside essencialmente na condição antropomórfica do primeiro tipo face à descorporização do segundo tipo de representação (3).

Infinitude resolve sentidos ontológicos da religião e cultura calvinista, apresentando uma nova dimensão para a existência do homem na terra, esta última já de dimensão supra-psicológica ou supra-espiritual.

Igualmente, a perspectiva, nomeadamente as novas perspectivas dos novos espaços góticos do norte da Europa, tornam-se mais transparentes a uma profundidade também ela de dimensão infinita (4).

A perspectiva passa de palco, de constituição simbólica da sala através do efeito cenográfico de Vitruvius, a um espaço contínuo e infinito, de dimensão também parapsicológica.

Saliente-se, que esta perspectiva sobre linha de infinitude, demonstra uma capacidade iconográfica porque combina no seu desenho, representações ortográficas e iconográficas, em que a planta é representada sobre a dimensão da profundidade. Assim a profundidade entre dois corpos, ou o vazio entre eles, passa a ter uma dimensão simbólica na representação artística (5).

Esta possibilidade de leitura por camadas diversas, representando-se, inclusive, sentidos diferentes a cada uma delas, permite leituras diversificadas das obras (ou representações nelas existentes) de acordo com o olhar cultural do observador.

A transparência consiste na capacidade de leituras de vários planos de realidades sobre o plano de representação, seja a obra uma pintura ou uma obra de arquitectura.

A transparência de uma obra e de um edifício, lê-se através da percepção de diversas profundidades, sejam elas traduzidas pela imaterialidade mais ou menos relativa do material (caso do vidro ou da luz) ou pela opacidade dos planos colocados em cena, através de aberturas e variações que permitam ler um segundo espaço, e aí por diante (6).

A transparência de um palácio como o Cádoro não consiste nas características únicas da sua materialidade, mas na capacidade de materializar uma construção que nos ofereça a possibilidade de ver através de, seja de uma forma literal, seja sob a forma da descoberta do olhar.

A esta forma de descoberta, corresponde a transparência fenomenal (7) que respira de certos sentidos e entendimentos sobre o construído sem os quais as leituras serão necessariamente divergentes.

Colin Rowe e Robert Slutzky, em Transparência Literal e Fenomenal, concluem que é essencial diferenciar as espécies arquitectónicas que oferecem leituras através de uma transparência literal (em que a característica do material é predominante) das de uma transparência fenomenal (em que a opacidade do material é inevitável). Sobre esta diferenciação Rowe e Slutzky nomeiam o edifício escola da Bauhaus, em Dessau, como exemplo do primeiro caso e a Villa Stein (Garches) como exemplo do segundo caso de transparência (8).

Poder-se-á fazer uma ligação iconográfica entre os dois tipos de transparência, literal e fenomenal, com os dois mundos da perspectiva de Panofsky, a que à transparência literal corresponderá uma perspectiva unificadora e infinita, e à fenomenal uma perspectiva autonomizada dos espaços, mais corporizada e também, por isso, finita.

No fundo, o simbolismo entre qualquer coisa unificadora e infinita e outra autónoma e finita, resume em si aspectos essenciais da nossa cultura cristã, nomeadamente após as cisões da igreja no tempo da Reforma.

A perspectiva linear, método racional de representação de raiz escolástica renascentista italiana, substitui o espaço dos planos de profundidade pela ordem representativa da linha. Os espaços, interiores e exteriores, definem-se pelas suas esquinas, limites, encontros e perfis lineares. O valor da Geometria Descritiva enquanto método científico de organização e agregação espacial substitui uma tradição empírica sobre ocupações e potencialidades espaciais de raiz mais representativa, ou se se quiser, pictórica (9).

A questão da representação simbólica em arquitectura, com o movimento moderno, sintetiza uma tradição secular sobre a iconografia do desenho e pintura na arte ocidental. Genealogicamente a arquitectura do movimento moderno situa-se numa dialéctica de antagonismos entre culturas do norte e do sul, correspondendo a cada uma delas as imagens e ideais culturais específicos à tradição calvinista e católica.

Este antagonismo poder-se-á ler nas obras de arte da pintura e arquitectura como o fizeram Rowe e Panofsky, remetendo a leitura da historiografia sobre o International Style para uma continuidade reaccionária, e não revolucionária, sobre tudo o que o precedeu.

A invenção da perspectiva linear e mais tarde do método de projecção de Monge, retira valores representativos próprios das vistas de Vitruvius, para genericamente as considerar como apenas vistas, acontecendo que algumas delas são horizontais (as plantas) ou verticais (alçados e cortes) ou oblíquas (perspectivas). A frontalidade da representação pictórica dos mestres italianos renascentistas é ultrapassada pela inovação das vistas oblíquas de Albrecth Dürer (10), retirando o valor objectivo à sala contentor para lhe conferir um valor subjectivo de espaço contínuo. A figura humana deixa de se centrar como medida para ser um interveniente ocasional que lhe apenas confere escala. Os interiores das Le Carcieri de Piranesi representam um mundo de interioridades cruzadas, de escalas disformes demonstradas através da figura humana que aí aparece de forma circunstancial.

Mas na arquitectura moderna, nomeadamente nas duas vertentes genealógicas perceptivas identificadas por Rowe e Slutzky, a frontalidade versus a vista oblíqua, ou de canto, inspira obras de transparências mais opacas e de sentidos mais figurativos, versus outras de características mais abstractas e imateriais como que revogando um direito a uma existência de invisibilidade (11).

A subjectividade do espaço arquitectónico moderno (quase sideral) é passível de ser totalmente representado através do uso da perspectiva axonométrica, objecto de design por si só validado. Desta forma a axonometria torna-se peça de representação querida dos arquitectos modernos, representando o edifício como objecto “sem escala”, cujo exemplo acabado será o desenho de Alberto Sartoris para a Notre-Dame du Phare, que servirá, inclusive, de capa a Modern Architecture: a critical history, de Kenneth Frampton.

Referências no texto:

(1) Vitruvio, M., "I Dieci Libri DellÁrchitettura", tradução e comentários de Daniele Barbaro, Bardi Editore, Roma, 1999, páginas 30 a 32.
(2) Panofsky, Erwin, "Perspective as Symbolic Form", Zone Books, New York, 1997.
(3) Ibid, páginas 47 a 56.
(4) Ibid, páginas 65 e 66.
(5) Ibid, páginas 67 e 68.
(6) Rowe, Colin, "Transparency: Literal and Phenomenal", Part II, in "As I Was Saying: Recollections and Miscellaneous Essays", Vol One, Texas, Pre-Texas, Cambridge, edição de Alexander Caragonne, The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 1996, páginas 73 a 106.
(7) Rowe, Colin, com Robert Slutzky, "Transparency: Literal and Phenomenal", in "The Mathematics of the Ideal Villa and Other Essays", The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 11ª edicão, 1997, páginas 159 a 183.
(8) Ibid.
(9) Panofsky, Erwin, Perspective as Symbolic Form, Zone Books, New York, 1997, pág. 70.
(10) Ibid, páginas 68 e 69.
(11) Rowe, Colin, com Robert Slutzky, Transparency: Literal and Phenomenal, in The Mathematics of the Ideal Villa and Other Essays, The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 11ª edição, 1997, páginas 159 a 183



Pedro Belo Ravara, arquitecto
Master of Architecture pela Sate University of new York, Buffalo, 1991.
Doutorando pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa