Links

ARQUITETURA E DESIGN




Jeffrey Inaba _ Painel POLÍTICA. Fotografia: João Morgado.


Jorge Mario Jaurégui _ Painel CIDADANIA. Fotografia: João Morgado.


José António Bandeirinha _ Painel CIDADANIA. Fotografia: João Morgado.


Santiago Cirugeda _ Painel DISPOSITIVOS. Fotografia: João Morgado.


Sarah Whiting _ Painel FUTURO. Fotografia: João Morgado.


Debate _ Painel FUTURO. Fotografia: João Morgado.

Outros artigos:

2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE

CARLOS M. GUIMARÃES


Tornar este artigo suficientemente apelativo para quem não assistiu aos dois dias de conferências da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2010, realizadas a 15 e 16 de Janeiro último, é o desafio que se coloca. Visto não ser este um texto puramente jornalístico, a linha de pensamento tentará revelar-se aberta e ziguezagueante como o próprio debate em questão. Tentar-se-á observar o conteúdo teórico dos vários debates, relacionando-os entre si e com a ambivalência temática proposta — [in] ]out[ — e centrar-se-á a atenção em duas questões concretas — MEDIAÇÃO e ESPECIFICIDADE — que decorreram das várias intervenções e de uma posterior análise e conversa informal via e-mail entre o autor e os quatro moderadores dos diferentes painéis de debate, os arquitectos André Tavares, Joaquim Moreno, Jorge Carvalho e Pedro Bandeira, aos quais agradeço a disponibilidade demonstrada.



[IN] ]OUT[

O tema das conferências, embora óbvio na sua abrangente intenção de debater os diferentes níveis relacionais entre a Arquitectura e a Política, requeria desde logo uma estruturação coerente, como forma de orientar os oradores — em primeiro lugar — e os espectadores/possíveis intervenientes — logo a seguir. Nessa tentativa de organização e hierarquização de determinados conceitos e prioridades, os comissários José Capela e Cláudia Taborda determinaram quatro genéricos sub-temas. O primeiro dia — aparentemente mais [in] — foi guiado pela noção de que a arquitectura é e pode ser uma ferramenta POLÍTICA ao veicular determinados valores como a democracia e a CIDADANIA e ao ser um instrumento de intervenção directa na sociedade e na vida urbana. O segundo dia — retroactivamente mais ]out[ — tentou colocar no centro os aspectos mais técnicos e operativos relacionados com a disciplina, focando diferentes DISPOSITIVOS e mecanismos de intervenção e servindo-se destes para fornecer possíveis pistas para uma qualquer hipótese de FUTURO disciplinar.

Olhar a arquitectura como algo relacionado com a esfera política parece algo inevitável, visto que o Homem é um animal político por convenção clássica e convicção democrática. De igual forma, a história e a etimologia parecem querer dar razão a esta estreita relação: o palco privilegiado da arquitectura, a cidade=polis é ao mesmo tempo o palco do acto cívico e da cidadania, acto determinadamente político e social.

Esta relação estava previamente definida no texto inaugural das conferências da seguinte maneira: "Arquitectura e política são per se argumento e processo, amplos e abertos." Este argumento teórico subjacente à realização das intervenções e debates evidencia os pontos de convergência entre Política e Arquitectura, imiscuindo um e outro como se de pares se tratassem. No entanto, a praxis de ambos é aparentemente, e no fundamental, distinta. A disciplina Arquitectura poderá ter um discurso (argumento) e um método (processo) semelhante ao fenómeno Política mas, na verdade, é apenas parte integrante dessa mesma alargada entidade. A Política possui um espectro mais amplo, ética e originalmente mais relevante que qualquer disciplina específica e concreta que possamos definir no nosso quotidiano. Dentro desta perspectiva a Arquitectura poder-se-á revelar uma entidade menor que a Política, subjugando-se às suas regras e leis e nunca ao contrário. De outra forma poder-se-ia dizer que a Arquitectura possui um vínculo disciplinar — que a caracteriza — que a Política dispensa pela sua amplitude ética e cívica. Daqui se entende a necessidade de colocar a arquitectura ou dentro [in] ou fora ]out[ da esfera política, percebendo as mais valias ora da aproximação, ora do afastamento entre ambas. Onde se deverá colocar a Arquitectura? E como e por que varia essa sua posição virtual?


MEDIAÇÃO

Numa perspectiva abrangente, será fácil entender que a arquitectura colide — seja positiva ou negativamente — com inúmeras determinações políticas. Determinações essas que vão adquirindo diferentes contornos consoante os casos e as necessidades. O poder e influência política manifestam-se por diversas vias: pela económica, pela representatividade da encomenda ou pela mera capacidade decisória. Esse foi um aspecto focado nos dois primeiros painéis de debate, não só na análise concreta da problemática como também, e indo um pouco mais além, na tentativa de perceber qual deverá ser o posicionamento táctico que a arquitectura deve adoptar quando confrontada com o poder e influência políticas.

Numa das primeiras intervenções, Jeffrey Inaba (arquitecto, director fundador do C-Lab da Universidade de Columbia e editor-chefe da Volume Magazine) reivindicou para o arquitecto um papel subversivo na forma como intervém na sociedade. Inaba acredita que o arquitecto pode influenciar grandemente os decisores políticos, colocando-se ele próprio numa posição de maior relevo mas que o obriga, neste caso, a assumir uma responsabilidade maior que a de um simples e mero técnico qualificado. Refere inclusivamente que os arquitectos deveriam promover uma espécie de contra-cultura, numa clara e permanente tentativa de inovação e liderança.

Esta posição, ainda que não de forma directa e com intenções porventura distintas, encontrou eco nas inúmeras questões levantadas posteriormente por Jorge Mario Jaurégui (arquitecto e urbanista argentino-brasileiro), José António Bandeirinha (arquitecto, professor na Universidade de Coimbra) e na declaração de intenções libertárias do arquitecto, urbanista e artista francês Yona Friedman.

Jaurégui, baseado na sua experiência de trabalho nas favelas do Rio de Janeiro, propõe uma reflexão sobre a necessidade da existência de uma intensificação da consciência social por parte dos órgãos de decisão, bem como da implicação temporal de cada uma dessas decisões no campo da arquitectura e do urbanismo. Um projecto urbano e/ou territorial possui uma escala que exige um compromisso muito para além dos ciclos políticos de qualquer Câmara Municipal ou Governo. Esta necessidade que a Política nem sempre assegura e que a Arquitectura não quer assumir cria um vazio que só pode ser ultrapassado através de uma efectiva comunicação. Mas como se comunica hoje com a sociedade? Que espaço público comunicacional se está a gerar? Este repensar sobre o espaço público, entendendo-o como a verdadeira plataforma de cidadania, obriga o arquitecto a ocupar e a querer ocupar aquele espaço-lacuna virtual que se encontra inúmeras vezes vazio, passando o arquitecto a ser uma possível ponte entre as diferentes camadas da sociedade. Esta necessidade obrigará o arquitecto a um contínuo jogo de aproximação e distanciamento, aproximação como esforço de análise e ética de cidadania, distanciamento pela vontade de criação de sínteses em forma de projecto.

Este esforço de mediação foi ilustrado por Bandeirinha através do seu aprofundado estudo sobre o projecto SAAL e do papel consultor — mediador — que os arquitectos aí desempenharam junto do poder político. Bandeirinha defende para hoje uma re-humanização do território e uma verdadeira reformulação das densidades centrais. Julga ser essa a grande luta dos arquitectos em Portugal, num claro reforço do carácter social da arquitectura. Neste sentido, a arquitectura transforma-se ela também numa arma política.

O foco de Yona Friedman centrou-se, por seu turno, na necessidade urgente da redução de dependências. O conceito de liberdade criativa adquire em Friedman uma importância capital. E associado a ela aparece igualmente a re-apropriação da esfera pública ("que não é só espaço físico") por parte dos actores da sociedade. Para ele, os movimentos modernos tendencialmente centrados no indivíduo originaram confusas dispersões, ausências territoriais e complexas monitorizações que devem ser contrariadas pela re-ocupação intensa do espaço público contemporâneo.

Como se percebe então, os diferentes níveis de compromisso que os arquitectos estabelecem com o poder político e social podem ser determinantes para o futuro da disciplina. Esta necessidade - não só factual mas também moral e cívica - faz parte do trabalho do arquitecto contemporâneo. O seu papel como mediador social e político pode, em alguns casos, ser tão significativo e preponderante como a vertente técnica que o especializa e commumente o caracteriza. Sem a assumpção deste papel comunicacional a oportunidade de exercer tecnicamente a sua profissão poderá, em alguns casos, ser inclusive posta em causa.

No entanto, e apesar do relevo teórico desta análise, importa perceber de que forma concreta e com que ferramentas específicas poderão os arquitectos suportar o peso desta renovada responsabilidade. Este papel de moderador — que poderá ser entendido como uma oportunidade mas também como um fardo — está para além do exigido pela restante sociedade? Ou, pelo contrário, corresponde àquilo que se espera dos arquitectos? O que é específico/intrínseco a esta disciplina?


ESPECIFICIDADE

A arquitectura é, senso comum, definida como a "arte ou ofício da construção". Ou seja, segundo esta lógica, é algo que tem que ver mais com a técnica que com qualquer filosofia inerente. É algo que tem que ver com os dispositivos técnicos em que nos apoiamos, com os dados que apenas nós controlamos, com a linguagem que apenas nós entendemos. Este confronto entre a filosofia da disciplina — que a aproxima da cultura política — e a praxis concreta do "fazer arquitectura" foi a grande alavanca de debate no segundo dia de conferências.

Várias intervenções mostraram que existem mecanismos — que denominarei de integração — que partem do específico, do material e da prática concreta para só depois se transformarem num conceito mais alargado ou numa teoria de influência que possa ser generalizada.

A socióloga francesa Monique Eleb abordou essa temática referindo-se a projectos de adaptação de apartamentos e células habitacionais existentes nos arredores de Paris a diferentes utilizadores, sobretudo emigrantes. Através de mecanismos puramente arquitectónicos e de desenho era possível, segundo esta abordagem, facilitar a integração destes grupos minoritários na sua nova sociedade. A actuação era local e de âmbito doméstico, mas as implicações eram muito mais profundas e de génese social.

O arquitecto espanhol Santiago Cirugeda defendeu a operatividade política e responsabilidade social da arquitectura baseada num espírito activista, atribuindo ao arquitecto diversos papéis no desenrolar de qualquer processo. Cirugeda demonstrou que é possível ter uma abordagem crítica e propositiva a partir do momento em que o arquitecto assuma a sua vocação interdisciplinar e decida actuar independentemente das circunstâncias. Esta forma de actuação, muitas vezes no limite da legalidade, parece aproximar-se da ideia de contra-cultura evocada por Inaba. No entanto, difere no que toca ao objectivo final. Enquanto que para Inaba esta contra-cultura permitiria elevar o estatuto do arquitecto a uma posição inquestionável, para Cirugeda o objectivo seria a agitação social e a aprendizagem pela sociabilização e troca de experiências concretas, num aproveitamento eficaz das novas ferramentas de comunicação digitais.

Um dos discursos mais interessantes e esclarecedores da Trienal terá sido o da arquitecta norte-americana Sarah Whiting. Aproveitando desde logo uma alteração verificada na denominação do painel em que estava inserida (o painel FUTURO teve previamente o nome de AMBIGUIDADE), Whiting fez um claro apelo à especificidade tentando dessa forma anular qualquer hipótese de ambiguidade ou discrepância no seio da disciplina. Fazendo uma interessante análise dos tempos "hesitantes" em que vivemos, verifica que existe uma enorme discrepância entre aquilo que é analisado, pensado e teorizado e aquilo que tem sido realmente levado a cabo.

A ambiguidade gerou-se à custa desta aparente dificuldade em perceber o que é intrínseco à disciplina e na aparente tendência de acreditar que as ideias, por si só, serão suficientes para o debate e para a obtenção de resultados frutíferos. O que Sarah defende é a investigação e pesquisa em torno dessa matéria específica, das ferramentas que nos caracterizam e distanciam dos restantes profissionais, enquadrando essa especificidade em quatro níveis distintos: especificidades técnica e material, representativa, programática e pedagógica.

A instabilidade disciplinar tem sido provocada ao longo dos tempos pela tendência em acreditar, como lembrou Pedro Bandeira na informal conversa por e-mail (e parafraseando Hans Hollein), que "tudo é arquitectura". E ainda que saibamos que não o é, o perigo também está na tendência suicida de olhar para tudo com a secreta ambição de transformação. A formação abrangente do arquitecto parece, por vezes, indicar esse caminho ou ser manifesto ou justificação de tais vontades, mas a história tem mostrado que, na prática, temos que ser capazes de criar sínteses, quer do ponto de vista mental, quer nas opções práticas que vamos tomando.

Utilize-se ou não os quatro níveis de especificidade propostos por Whiting e permitam-se maiores ou menores inputs de outras disciplinas, registe-se que será muito difícil, ou mesmo impossível, contribuir de forma efectiva para uma evolução positiva da disciplina sem dominar as ferramentas próprias que a caracterizam.


BALANÇO

É no equilíbrio entre estas duas vertentes — MEDIAÇÃO social e ESPECIFICIDADE disciplinar — que se situa hoje a inteligibilidade e credibilização da Arquitectura. A constante e coerente conversação/negociação entre os diversos agentes da transformação aliados à intrínseca capacidade de pôr em prática as ideias que se vão gerando, representam o caminho possível, uma espécie de fresta de futuro da Arquitectura. De certa maneira, o que aqui se propõe é uma filosofia disciplinar que contenha, de forma associada e simultânea, uma certa dose de relativismo no pensamento e um certo grau de pragmatismo na acção.

Serve esta ideia para concluir também sobre a pertinência do tema escolhido pelos comissários José Capela e Cláudia Taborda. Ao contrário do verificado na primeira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa (2007), em que a Conferência Internacional reflectiu o grande tema da Trienal — Vazios Urbanos — e serviu um propósito mais abrangente e mediático (a intenção era mesmo juntar as grandes estrelas do firmamento - desde Zaha Hadid ou Thom Mayne passando por Dominique Perrault, Fernando Romero/LAR ou Bjarke Ingels/BIG), esta segunda edição teve uma abordagem mais preocupada e consentânea com as reais necessidades e fundamentos da disciplina. O regresso a um pensamento social e integrador que obrigue a questionar e intuir caminhos de inclusão ao invés de provocar e promover linguagens de paranóica autonomia é, no mínimo, de salutar.

Resta, então, a pergunta: que realidade para a Trienal de 2013?



::::

Carlos M. Guimarães
(Matosinhos, 1982) Licenciado em Arquitectura pelo Departamento de Arquitectura da Universidade de Coimbra (2006). Frequentou o Politécnico de Milão (2004/05), participou em Workshops de Desenho Urbano em Cabo Verde e no Brasil e foi colaborador (2002-2004) e director (2005/06) da revista de estudantes NU. Trabalhou em Bilbao, Caracas, São Paulo e Lisboa. Colabora actualmente com a empresa Iperforma S.A., no Porto, e faz parte do Colectivo depA, fundado em 2009 na mesma cidade. Escreve regularmente na revista A10 e colabora pontualmente com outras revistas da especialidade. www.cmggarchitect.wordpress.com