Links

ARQUITETURA E DESIGN




Projeto Experimenta o campo, 2006. Banco de baloiço realizado por Bruno Santos, Paula Frazão e Luís Ferreira.


Bruno Carvalho em Open designer, 2012.


Bruno Carvalho, Barbowls, 2012. Quatro taças de chá e duas chávenas em porcelana.


Bruno Carvalho, Lightscales, 2012. Boia de pesca, escamas de peixe e alfinetes.


Projeto TASA. Kathi Stertzig e Albio Nascimento, Isqueiro de pastor. Artesãos: Ana Silva e José Martins. Fotografia: Vasco Célio (Stills).


Projeto Oficis Singulars. Kathi Stertzig e Albio Nascimento, Ladrilhos com pegadas de gato em cerâmica negra. Produtor: Rajoleria Quintana, Quart – Catalunha. Fotografia: Oriol Casanovas.


Projeto Cultura intensiva. Livro.

Outros artigos:

2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

O DESIGNER SOCIAL

ANTÓNIO COXITO


Não amanhã mas durante a noite seguinte, os arquitetos sairão do atelier e os designers verão nas suas mãos o fruto do seu trabalho, quotidianamente; no Bangladesh, na Rocinha ou em lugares sem nome, em lugar de por interpostos catálogos. Se tal panorama se afigura perigoso para a instituição considera-se, no entanto, incontornável e sendo o plano de tudo o que procede no mundo global.

Mas este serviço não será global (não significará a comercialização massiva de artefactos) como nem sequer o seu target é a população urbana. Esta dita população urbana (que alguns julgam que significa todos mas cuja percentagem apenas igualou os 50% da população total em 2008 e da qual um terço vive em favelas, musseques e shanty towns) intensificará a sua opção por marcas multinacionais, alimentadas pela comunicação de massas produzida pelos seus oligarcas. Em relação a este tipo de servilismo não alimentamos qualquer esperança, pelo menos até onde a vista alcança.

No entanto, os restantes 50% (que também se encontra em crescimento, apesar de a uma taxa de 0,2% ao ano até 2030, sendo este dado normalmente escamoteado) tornaram-se mais cultivados, pela redundância de informação entretanto disponibilizada.

Não os interurbanos institucionalizados mas os que habitam nos polígonos que sustentam essa malha, compõem uma população cada vez mais exigente e, principalmente, conhecedora daquilo que não quer; não quer o mainstream, quer o verdadeiro exclusivo, o exclusivo à distância da mão.

É neste panorama que encontramos designers a movimentarem-se para fora dos grandes centros urbanos, para o remanescente meio rural não obrigatoriamente agrícola, para produzirem em proximidade, em exclusividade e, sobretudo, libertos dos códigos de mercado ainda navegados pelas estrelas cadentes nesse hemisfério.

Pela participação direta e manual com as comunidades onde são desenvolvidos esses projetos, o seu papel passa a ser um papel eminentemente social. A sua efetividade no plano prático, pela resolução de problemas concretos e tangíveis de pessoas reais, o seu estímulo à criatividade e aos dotes ocultos da população profunda, a sua consequência sanitária pela atividade física e psíquica desenvolvida, a dimensão ocupacional, lúdica e artística, a criação de postos de trabalho e de um verdadeiro aproveitamento das capacidades disponíveis, conferem uma dimensão radical ao seu trabalho. Radical porque vai à raiz. Não apenas os artefactos mas o próprio designer tem agora uma função e uma prática.

Encontramos assim o primeiro sinal da verdadeira simbiose entre materiais e técnicas tradicionais com uma cultura divergente. Tal não se tinha verificado dessa forma nas academias, pois ali esses conhecimentos tinham sido traduzidos em produtos que não respondiam ao meio onde foram beber mas apenas ao mundo que se deles se apropriou. Referencia-se este procedimento desde o Arts and Crafts a muito do design contemporâneo dito ecológico.

Quando os limites entre estes dois meios começaram a tornar-se dúbios, no processo de contestação das instituições nasceram escolas fora das academias, verdades fora da grande verdade, projetos pessoais fora da caixa. Isto configurou o advento de um Estado hetero-político, onde os valores não são absolutos nem globais.

Se não é novo o confronto entre o instituído e os seus contrapoderes, este processo está a dar-se fora desse círculo, no espaço remanescente. Esse espaço tem objectivos próprios, códigos próprios e, sobretudo, uma estrutura própria de legitimação. Não podemos dizer quando é que este paradigma surgiu pois, de certo modo, sempre existiu, mas não estando historiografado. Diz respeito àquela parte do mundo que não é referida mas que nunca deixou de existir por isso e que hoje pode escrever a sua própria história.

Em Portugal essa história passou pelo Experimenta o Campo em 2006. Este projeto contou com três parceiros: a estrutura independente CENTA (Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas), a ESAD.CR (Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha) e os artesãos da Beira Interior Sul e Alto Alentejo. Pretendeu-se então identificar polos de trabalho que promovessem relações assentes num apoio mútuo. Esse apoio foi fundado na concepção de objetos específicos, gerando uma mais-valia que promovesse um equilíbrio entre uma cultura urbana, que valoriza o sistema cultural tradicional, e uma sociedade rural, que importa signos da cultura de massas.

O autor e coordenador dessa iniciativa, o designer Bruno Carvalho, extremou hoje esse caminho com o projeto Open Designer. Pode ler-se na sua proposta:
Open Designer pretende que o designer exerça uma nova atividade laboral num diferente contexto profissional e social. As funções, os materiais disponíveis, os processos de fabrico existentes e a localização da nova atividade definem o novo universo de criação.”

Este projeto não envolve artesãos mas contextos profissionais e sociais com os quais o designer interage. Neste âmbito, a sua experiência é deslocar-se pessoalmente para locais onde desempenha trabalhos específicos dessa comunidade, encontrando-se neste momento a trabalhar num lagar de azeite e como ajudante de pastor em Vila Velha de Ródão. Em 2012 passou uma temporada na China, num estágio promovido pela Fundação Oriente, da qual resultaram uns halteres em porcelana que batizou de Barbowls, expostos durante a Beijing Design Week. Existe uma certa ironia nesta peça, pelo facto de os chineses andarem a fazerem pesos e com isso estarem mais fortes a nível mundial. Aqui, refletiu sobre a questão de os artefactos chineses vendidos no Ocidente serem normalmente cópias, propondo a apropriação de um produto tradicional chinês para conceber um novo artefacto. Este objecto foi assim construído com os próprios objetos produzidos pelas muitas pequenas fábricas de estrutura familiar existentes em Jingdezhen.

Ainda no mesmo ano, desenvolveu uma residência criativa na Escola Regional de Artesanato de Santo Amaro na ilha do Pico nos Açores. Uma peça resultante desse trabalho foi o candeeiro Lightscales, feito com recurso ao material disponível no local. Sendo uma solução local e uma estética local é aceite pela própria comunidade como sinal de inovação compreendida. Este facto revela-se com uma importância estrutural nas suas vidas. Segundo Bruno Carvalho, “o designer deve ser um consultor criativo, tornar processos e serviços mais eficientes. O designer não faz só objetos. Cria oportunidades com os recursos existentes através de soluções optimizadas (...) atuando no espaço social, promovendo uma relação intrínseca de diálogo, tornando-a parte integrante do processo de criação.”

Kathi Stertzig e Albio Nascimento são dois designers que estão entre Berlim e o interior do Algarve. A sua abordagem foi-se formalizando desde a relação one-to-one com o artesão até ao desenho e coordenação de projetos integrados. O seu mais recente projeto, TASA (Técnicas Ancestrais Soluções Atuais) visa “entender os modos próprios de um contexto cultural específico”, conectando os atores locais e gerindo a mediação entre os seus fluxos de modo a optimizar a oferta da produção artesanal face às necessidades do mercado.

Um dos artefactos produzidos neste âmbito, o isqueiro de pastor, é um exemplo de um produto pensado com vista a servir primeiro a população rural e não apenas os consumidores urbanos; não se limita à apropriação de ideias, técnicas e materiais mas pede-os emprestados para em seguida os devolver optimizados.

Entre 2007 e 2009 fizeram parte de um ambicioso projeto do governo catalão com o nome Oficis Singulars. Foi ali que ganharam experiência com projetos integrados e definiram o formato de colaboração das várias competências: documentarista, design gráfico, investigação etnográfica e trabalho em rede com instituições. Anteriormente tinham concebido e colocado no terreno o projeto Cultura intensiva, um laboratório de 4 semanas na serra algarvia com 5 artesãos, misturando técnicas, materiais e saberes. O trabalho dali resultante deu origem a um livro que, para além de revelar os artefactos produzidos incluía também receitas de new cuisine destacando os ingredientes regionais e ainda reflexões sobre as potencialidades da cultura artesanal.

Estes são exemplos de ações que, com maior ou menor visibilidade (pois a sua visibilidade não se serve dos mesmos meios que outros tipos de produção), com maior ou menor envolvimento (que vai do viver tendencialmente na estrada à fixação mais prolongada em locais fora do mainstream), demonstram pela prática a legitimidade e a oportunidade de sair do atelier.


António Coxito



>>>>>

Links

Projeto Experimenta o campo
www.escoladascaldas.com/#Experimenta-o-campo

Projeto TASA
www.projectotasa.com

Projecto Oficis Singulars
www.tinyurl.com/c6n74n4

Projeto Cultura intensiva
www.the-home-project.com/portfolio/intensive-culture