Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


António Dacosta, "A chuva de Oiro", 1984

Outras exposições actuais:

JOAKIM ESKILDSEN

IMAGO LISBOA PHOTO FESTIVAL


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MIGUEL PINTO

ANNI ALBERS, JOSEF ALBERS

ANNI ET JOSEF ALBERS. L'ART ET LA VIE


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

SÉRGIO CARRONHA

COMPOSIÇÃO PARA UM ESPAÇO COM BASE NAS ESTRELAS E PLANETAS


Galeria Municipal de Almada, Almada
RITA ANUAR

FERNANDA FRAGATEIRO

A CIDADE INCOMPLETA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
NUNO LOURENÇO

COLECTIVA

X NÃO É UM PAÍS PEQUENO - DESVENDAR A ERA PÓS-GLOBAL


MAAT, Lisboa
CARLA CARBONE

RITA GASPAR VIEIRA

DESARRUMADA


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

LAS PALMAS

APOFENIA


Culturgest (Porto), Porto
MAFALDA TEIXEIRA

PEDRO CALAPEZ

DEBAIXO DE CADA COR


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

DIOGO COSTA AMARANTE

BE YOUR SELFIE


Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde
LIZ VAHIA

COLECTIVA

THE POWER OF MY HANDS. AFRIQUE(S) : ARTISTES FEMMES


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

ARQUIVO:


ANTÓNIO DACOSTA

António Dacosta




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto

08 ABR - 09 JUL 2006

O regresso à pintura de António Dacosta ou de como os gregos se divertiam com os deuses que tinham

Até ao próximo dia 9 de Julho de 2006 estará patente no MAC de Serralves a exposição “António Dacosta”, comissariada por João Fernandes. Confrontada com as duas últimas grandes retrospectivas da obra de Dacosta, realizadas ambas em 1988 (ainda em vida do autor) – uma no CAM da Gulbenkian e a outra em Serralves –, a presente exposição, antológica, apresenta, além de um número significativo de trabalhos inéditos (na maioria, pequenos formatos), realizados entre 1928 e 1990, uma perspectiva particular sobre a obra de Dacosta, adoptando por referentes o seu “regresso à pintura”, em meados da década de 70, e o comércio criativo que, por razões biográficas ou estéticas, estabelece com diferentes autores seus contemporâneos (os amigos), convocados numa exposição paralela que serve de antecâmara à reflexão sobre Dacosta.

Organizada por núcleos temáticos – entre os quais se destacam as séries “açorianas”, “fontes de Sintra”, “Tau” e “assinaturas” – desfazendo assim o sentido linear do tempo, a exposição visa problematizar as determinações do “vazio central”, da “ilha nuclear” da inexistência de produção pictórica entre o fim de 40 e o fim de 70, a que alguns críticos se referem como metáfora de um centro inacessível na obra de António Dacosta. Para isso, e porque como esclarece Dacosta “uma ilha é uma coisa sem orientação precisa” em cujo interior se verifica uma compressão terrível, “de meter medo” que “pode não ter nada a ver com a pintura, mas tem a ver certamente com a cultura”, as relações com o Surrealismo e os diálogos com o Cubismo, com Dada e com o Abstraccionismo, embora indiciem um enquadramento histórico-conceptual, são apenas esquematicamente esboçadas, propondo-se, pelo contrário, um centro de gravidade materialista, paradoutrinário (e de certo modo parapictórico) que, como refere João Fernandes, longe de monumentalizar a condição pictórica, revela a experimentação, as dúvidas, os apontamentos, os erros e as aferições que são afinal o breviário dos processos do fazer e do pensar.

Mas “a nostalgia do paraíso engendra monstros” e o museu padece, como é sabido, da doença de Midas: “tudo o que tem sentido sofre de falta de realidade”, vaticina o pintor num dos seus aforismos. Por isso, propondo uma perspectiva paradoxal sobre o trabalho de Dacosta – na medida em que se reúnem e organizam os apontamentos marginais àquela que tem vindo a ser considerada a ossatura estrutural e periodológica da obra do autor (recordemos o esgotamento do visionarismo surrealista, o expressionismo, o informalismo, as tensões entre figuração e abstracção) – a exposição de Serralves arrisca uma perspectiva sobre os fragmentos que constituem a ruína de uma construção que nunca se completa – “o paradoxo é aquilo que se quer dizer nunca é aquilo que se diz” – sem incorrer no desejo, porventura infundado, de produzir uma sistematização, pois se “ser um é ser santo”, não é certo que a santidade tenha alguma vez convido a António Dacosta.


António Preto