Links

ENTREVISTA


António Pinto Ribeiro e Sandra Vieira Jürgens. Fotografia: Vítor Alves Brotas.


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Coelho à caçadora, Pedro Portugal, 1988 © João Neves, FLAD.


Sem Título, Miguel Branco, 2000 © João Neves, FLAD.


Sem Título, José Loureiro, 1990 © João Neves, FLAD.


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


António Pinto Ribeiro e Sandra Vieira Jürgens na exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Vista da exposição Festa. Fúria. Femina. – obras da coleção FLAD, MAAT. © Joana Linda / FLAD


Homem com cachimbo, Manuel João Vieira, 1986 © João Monteiro, FLAD.


Anarquistas em Petrogrado (Sweet Inspiration), Eduardo Batarda, 1975 © João Monteiro, FLAD.

Outras entrevistas:

INÊS BRITES



JOÃO LEONARDO



LUÍS CASTANHEIRA LOUREIRO



MAFALDA MIRANDA JACINTO



PROJECTO PARALAXE: LUÍSA ABREU, CAROLINA GRILO SANTOS, DIANA GEIROTO GONÇALVES



PATRÍCIA LINO



JOANA APARÍCIO TEJO



RAÚL MIRANDA



RACHEL KORMAN



MÓNICA ÁLVAREZ CAREAGA



FERNANDA BRENNER



JOÃO GABRIEL



RUI HORTA PEREIRA



JOHN AKOMFRAH



NUNO CERA



NUNO CENTENO



HUGO CANOILAS



MEIKE HARTELUST



LUÍSA JACINTO



VERA CORTÊS



ANTÓNIO BARROS



MIGUEL GARCIA



VASCO ARAÚJO



CARLOS ANTUNES



XANA



PEDRO NEVES MARQUES



MAX HOOPER SCHNEIDER



BEATRIZ ALBUQUERQUE



VIRGINIA TORRENTE, JACOBO CASTELLANO E NOÉ SENDAS



PENELOPE CURTIS



EUGÉNIA MUSSA E CRISTIANA TEJO



RUI CHAFES



PAULO RIBEIRO



KERRY JAMES MARSHALL



CÍNTIA GIL



NOÉ SENDAS



FELIX MULA



ALEX KATZ



PEDRO TUDELA



SANDRO RESENDE



ANA JOTTA



ROSELEE GOLDBERG



MARTA MESTRE



NICOLAS BOURRIAUD



SOLANGE FARKAS



JOÃO FERREIRA



POGO TEATRO



JOSÉ BARRIAS



JORGE MOLDER



RUI POÇAS



JACK HALBERSTAM



JORGE GASPAR e ANA MARIN



GIULIANA BRUNO



IRINA POPOVA



CAMILLE MORINEAU



MIGUEL WANDSCHNEIDER



ÂNGELA M. FERREIRA



BRIAN GRIFFIN



DELFIM SARDO



ÂNGELA FERREIRA



PEDRO CABRAL SANTO



CARLA OLIVEIRA



NUNO FARIA



EUGENIO LOPEZ



JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA



ISABEL CARLOS



TEIXEIRA COELHO



PEDRO COSTA



AUGUSTO CANEDO - BIENAL DE CERVEIRA



LUCAS CIMINO, GALERISTA



NEVILLE D’ALMEIDA



MICHAEL PETRY - Diretor do MOCA London



PAULO HERKENHOFF



CHUS MARTÍNEZ



MASSIMILIANO GIONI



MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA ::: MÓDULO - CENTRO DIFUSOR DE ARTE



ANTON VIDOKLE



TOBI MAIER



ELIZABETH DE PORTZAMPARC



DOCLISBOA’ 12



PEDRO LAPA



CUAUHTÉMOC MEDINA



ANNA RAMOS (RÀDIO WEB MACBA)



CATARINA MARTINS



NICOLAS GALLEY



GABRIELA VAZ-PINHEIRO



BARTOMEU MARÍ



MARTINE ROBIN - Château de Servières



BABETTE MANGOLTE
Entrevista de Luciana Fina



RUI PRATA - Encontros da Imagem



BETTINA FUNCKE, editora de 100 NOTES – 100 THOUGHTS / dOCUMENTA (13)



JOSÉ ROCA - 8ª Bienal do Mercosul



LUÍS SILVA - Kunsthalle Lissabon



GERARDO MOSQUERA - PHotoEspaña



GIULIETTA SPERANZA



RUTH ADDISON



BÁRBARA COUTINHO



CARLOS URROZ



SUSANA GOMES DA SILVA



CAROLYN CHRISTOV-BAKARGIEV



HELENA BARRANHA



MARTA GILI



MOACIR DOS ANJOS



HELENA DE FREITAS



JOSÉ MAIA



CHRISTINE BUCI-GLUCKSMANN



ALOÑA INTXAURRANDIETA



TIAGO HESPANHA



TINY DOMINGOS



DAVID SANTOS



EDUARDO GARCÍA NIETO



VALERIE KABOV



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO



PAULO REIS



GERARDO MOSQUERA



EUGENE TAN



PAULO CUNHA E SILVA



NICOLAS BOURRIAUD



JOSÉ ANTÓNIO FERNANDES DIAS



PEDRO GADANHO



GABRIEL ABRANTES



HU FANG



IVO MESQUITA



ANTHONY HUBERMAN



MAGDA DANYSZ



SÉRGIO MAH



ANDREW HOWARD



ALEXANDRE POMAR



CATHERINE MILLET



JOÃO PINHARANDA



LISETTE LAGNADO



NATASA PETRESIN



PABLO LEÓN DE LA BARRA



ESRA SARIGEDIK



FERNANDO ALVIM



ANNETTE MESSAGER



RAQUEL HENRIQUES DA SILVA



JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET



MARC-OLIVIER WAHLER



JORGE DIAS



GEORG SCHÖLLHAMMER



JOÃO RIBAS



LUÍS SERPA



JOSÉ AMARAL LOPES



LUÍS SÁRAGGA LEAL



ANTOINE DE GALBERT



JORGE MOLDER



MANUEL J. BORJA-VILLEL



MIGUEL VON HAFE PÉREZ



JOÃO RENDEIRO



MARGARIDA VEIGA




ANTÓNIO PINTO RIBEIRO E SANDRA VIEIRA JÜRGENS


24/09/2020 

 

 

 

A colecção de arte da FLAD - Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento foi iniciada em 1986 e resultou da vontade da Fundação em apoiar a arte contemporânea em Portugal, sendo a atual colecção reflexo da visão de Manuel Castro Caldas, à época consultor da FLAD. A exposição “Festa. Fúria. Femina.”, que inaugurou no MAAT / Museu da Electricidade, apresenta 228 de um total de mais de 1000 que compõem a colecção FLAD e tem a curadoria de Sandra Vieira Jürgens e António Pinto Ribeiro. Em entrevista com os curadores, compreendemos a origem das “três palavras que encimam a exposição”, a direcção escolhida para a selecção das obras, e discutimos temáticas actuais e determinantes como são a representação de género e o devir ou função das colecções privadas para a sociedade em geral.


Entrevista a António Pinto Ribeiro (APR) e Sandra Vieira Jürgens (SVJ), por Sérgio Parreira (SP)

 

 

>>>

 

 

Sérgio Parreira (SP): “Festa. Fúria. Femina.” Um título composto por três palavras, de certa forma “isoladas” / independentes (separadas por pontos): Querem desvendar um pouco o que está para além do significado literal de cada uma delas, que o público ainda não consegue “ler”, mas para as quais encontrará eventualmente resposta ao visitar a exposição?

António Pinto Ribeiro (APR): As três palavras que encimam a exposição devem ser entendidas como “chaves” de entrada na exposição, como aberturas ao conjunto diverso de obras com linguagens, estilos, épocas, influências tão diferentes quanto ricas e desse modo contribuírem para uma narrativa possível a ser construída pelo visitante. Mas não esquecer que a exposição é de Obras da Colecção FLAD.


SP: No seguimento da pergunta anterior, como se interligam (conceptualmente ou visualmente, ou ambas) estas ideias: Festa. Fúria. Femina.?

APR: Estas palavras têm a particularidade de serem tentativa de conceitos operativos no seu conjunto. Não dividem obras, nem as agrupam, nem sequer as classificam. São conceitos nascidos da observação e estudo da colecção e desocultadas durante o processo de organização da exposição.

 

Parágrafo do texto de apresentação:

(...)
“Se a modernidade se fez acompanhar da ideia de liberdade e de igualdade, nem sempre esta esteve subjacente à educação cultural e artística. A dimensão feminina, cuja presença nos museus ainda hoje é diminuta, exige com urgência uma postura de resgate face a uma história de arte que tanto escamoteou as artistas, pondo em destaque as suas obras num dispositivo de visibilidade como é uma exposição.”


SP: Apesar do título da exposição destacar o feminino / Mulher (Femino), e não destacar o masculino / Homem (Viro), a representação artística nesta exposição revela uma atenção contrária. Talvez desdobre esta questão em três, se me permitem. Sendo a representação de artistas femininas nesta exposição inferior a 25%, porque se destaca no título da exposição a mulher?

APR: O termo não pretende provar qualquer quota de representatividade; na verdade chama-se a atenção para uma presença de artistas mulheres que sendo minoritária nas primeiras décadas da constituição da colecção – e haverá com certeza várias explicações para isso – foi uma preocupação no retomar das aquisições estar atento à produção artística de artistas mulheres, cuja produção é incontornável no actual estado da cena artística europeia.


SP: Qual a razão para esta disparidade de representação nesta exposição (não me refiro necessariamente à colecção como todo, pois esta é resultado de escolhas e opções de aquisição de outros curadores)?

APR: O que designa como disparidade resulta maioritariamente do passado da Colecção.


SP: Independentemente da altura / época em que as obras foram adquiridas, esta discrepância, muito provavelmente, não faz jus à representação de género na prática. Consideram existir um meio eficaz de reparação destas situações, ou ter-se-á negligenciado um momento cuja característica era precisamente a oportunidade contemporânea?

APR: Creio que essa pergunta terá de ser feita aos primeiros curadores da Colecção.

 

 

Sem título, António Palolo, 1995 © João Neves, FLAD.

 


SP: A vossa curadoria apresenta 228 obras de um total de mais de 1000 obras que fazem parte da Colecção FLAD. Após entenderem inicialmente as linhas gerais que delineiam a colecção, como evoluiu o vosso processo curatorial e de selecção de obras. É possível guiarem-nos pelo vosso processo?

Sandra Vieira Jürgens (SVJ): O processo curatorial evolui muito naturalmente com a observação e análise do acervo e uma reflexão em torno dos conceitos operativos que nos pareceram mais apropriados a revelar a riqueza e a complexidade estética e conceptual das obras e da própria Colecção FLAD. Inicialmente a nossa escolha incluía mais obras, mas claro por diferentes razões, nomeadamente de espaço, a seleção foi-se definindo cada vez mais até chegarmos a esse número que é bastante generoso.


SP: Como é comum em curadorias comprometidas com o estudo, a investigação e o respeito pelas obras dos artistas revela-se crucial. Como se colocam os conceitos e este trabalho de pesquisa em prol de um discurso curatorial e expositivo?

SVJ: Fazer a curadoria de uma exposição implica sempre um equilíbrio e uma atenção a muitos factores e realidades. Necessariamente o respeito pelas obras e trajectórias dos artistas; a leitura e a criação de conceitos e narrativas partindo das criações artísticas; bem como a consideração do espaço expositivo, a natureza e área disponíveis; ou mesmo as condições de produção. Fundamental é também ter algo a dizer. A curadoria só se torna pertinente se tiver um discurso inerente. Ele é imprescindível para dar novos sentidos às obras dos artistas. Não se sobrepõe, mas enriquece-o. E isso, por vezes, deriva muito do diálogo que se cria entre as obras presentes numa exposição. O objectivo será sempre produzir reflexão, acrescentar conhecimento, revelar aspectos ainda não revelados e que nos possam surpreender.


SP: O desenho, como técnica e potencialmente conceito, é recorrentemente elevado no vosso texto de apresentação curatorial referenciando as escolhas, opções e direcção das aquisições na coleção FLAD. Que “desenho” (conceito/ técnica) era este na altura da aquisição das obras, e como se traduz esse “desenho” nos dias de hoje?

SVJ: O desenho foi um suporte de eleição do programa de aquisições da FLAD e as razões conceptuais surgem explicitadas nos textos de apresentação dos primeiros curadores da Colecção. Na exposição, esse legado do desenho continua presente, mas a escolha foi mais abrangente e expor outros suportes e práticas artísticas representadas na coleção. Quisemos sobretudo trabalhar a existência de performatividade, bem como a ideia de processo inerente a muitas práticas artísticas actuais.


SP: Gostava de saber a opinião individual (se concordarem) de cada um em relação à função e devir das colecções de arte privadas.

APR: Desejavelmente que haja mais colecções privadas, que se internacionalizem e que se diferenciem umas das outras, que é provavelmente o aspecto menos interessante das actuais colecções.

SVJ: Por diversas razões históricas e contextuais, as colecções privadas ganharam hoje uma forte presença e visibilidade no meio artístico e na sociedade em geral. A sua existência é fundamental não só para a subsistência do sector artístico, para os artistas, galerias, curadores, mas também para a vitalidade das instituições culturais. Na sequência do que o António Pinto Ribeiro referiu, sim, é importante impulsionar a criação de mais colecções privadas e incentivar a sua diferenciação. Na minha opinião, temos sobretudo de apoiar coleccionadores conhecedores da história da arte; coleccionadores esclarecidos em relação à pluralidade da arte nacional e internacional actual; coleccionadores confiantes e capazes de serem coerentes com uma determinada visão de arte, seja ela qual for, e não ceder sempre à escolha das mesmas tendências e dos mesmos nomes. Se não o fizerem, a notoriedade e importância da colecção não será a mesma, porque pecará pela imitação, repetição e falta de singularidade. O desafio não difere da actividade dos artistas nem dos curadores, cujas práticas estão marcadas pela afirmação de uma autoria.


SP: Na sequência da questão anterior, consideram que as colecções privadas podem apresentar um desafio às colecções de arte pública? Também podemos entender esta questão num contexto de serviços: Museu Privado / Museu Público.

APR: Elas já constituem um desafio ou por falta de recursos financeiros do Estado que tem sido um comprador com muitos poucos recursos, quer porque muitas colecções privadas com a sua ousadia legitimam as colecções públicas contemporâneas.


SP: Que soluções, respostas, ou metodologias, devem ser adoptadas para uma coexistência salutar, que numa última instância facilite o acesso do público em geral ao conhecimento e usufruto das obras?

APR: As colecções privadas deveriam ser mais expostas em condições de dignidade e de contextos adequados.


SP: Posso perguntar qual ou quais as obras presentes nesta exposição que vos são particularmente prezadas, e porquê? - No sentido em que há sempre aquela obra de arte à qual reservamos mais tempo de observação; sem que este seja um juízo meramente qualitativo, mas por apresentarem um desafio “emocional” particularmente intenso.

APR: Creio que isso faz parte da reserva que o curador deve manter numa exposição.


SP: Esta exposição vai ser apresentada no MAAT/ Museu da Eletricidade em Lisboa. Gostava de entender um pouco qual foi a importância do espaço arquitectónico na vossa direcção curatorial, ou se / como contaminou as ideias para a exibição.

APR: Vai ser apresentada no Museu da Electricidade que é um espaço bastante tradicional embora desafiando em alguns casos, como é a sala das Caldeiras, a imaginação e ousadia curatorial. Do meu ponto de vista é um espaço que se adequa muito bem a esta exposição que é uma exposição clássica de obras contemporâneas.


SP: É indiscutível a relevância de todos os artistas apresentados nesta vossa curadoria. Para além do que já abordámos, o que gostariam ainda de destacar como singular em “Festa. Fúria. Femina.” e que o público vai encontrar ao visitar esta exposição?

SVJ: O nosso objectivo foi, de facto, apresentar uma exposição singular a partir das obras da Colecção FLAD. O ideal será conseguir surpreender os visitantes e mobilizar os vários públicos a visitar esta e outras exposições em instituições culturais, não obstante as condicionantes actuais.