Links


AS ESCOLHAS DE...


MADALENA FOLGADO

Artecapital

2021-12-26



 

 

Madalena Folgado

Editora de Arquitectura, Espacialista

_________________________________________________________________________________________________

 

 

Qual a ultima boa exposição que viu?

Starting from Language – Joseph Beuys at 100, em Setembro passado, na Hamburger Bahnhof, em Berlim. Acredito que pelo imperativo atual de retomar uma consciência de escultura social, e na sequência de uma outra na HKW, Kosmoskopein, de Nicholas Bussmann (ligaram-se). Um conjunto de serendipidades fizeram-me ‘cair em mim’ – o que é o melhor que uma exposição nos pode fazer.

 

Das Kapital Raum, 1970-1977 (1980)

 


Que livro está a ler?

Vários ao mesmo tempo, tendo a dispersar. Por isso destaco aquilo que me traz mais unidade: a poesia. Por agora, Sétimo Dia, de Daniel Faria, oferecido por uma grande amiga me iniciou neste poeta, com o qual privei, dizendo-o, no primeiro confinamento a sós.


Que música está no topo da sua playlist actual?

Missa em Si Menor de Bach. Sem qualquer pretensão erudita, porque sou musicalmente analfabeta. Mas ouvir Bach sempre me retirou de um pathos de exílio, dá-me abrigo. No topo da playlist, uma vez mais, talvez para cair em Si (menor) – ‘cair em mim’.


Um filme que gostaria de rever…

O último Porto – Além das Pontes, de Pierre-Marie Goulet. Vi-o no Doclisboa. Tocou-me muito. Mas deixo a confissão de um clássico: As Asas do Desejo, de Wim Wenders. Revejo-o sempre que posso…a criança…o silêncio…e o desejo…


O que deve mudar?

Cada-um-de-nós. A propósito do recente desaparecimento da Etel Adnan, li num post a sua seguinte exortação poética: Transformation is birth, / Therefore it’s life, / Therefore is future. / let’s keep it that way.


O que deve ficar na mesma?

Está respondido na questão anterior.


Qual foi a primeira obra de arte que teve importância real para si?

Ecce Homo, que está no Museu Nacional de Arte Antiga. Não sou religiosa, mas o meu primeiro contacto com a arte, foi pela arte sacra, a par de um imenso fascínio pelos rituais cristãos a que assisti na infância, na província, a ponto de ter pedido aos meus pais para me batizarem. O tema do sacrifício, pela sua deturpação, interessa-me ainda hoje muito. Como refere Agustina Bessa-Luís, não enquanto atualização da servidão, mas enquanto dom; sacrifício maravilhoso, dádiva em que as margens do tempo se confundem e que a vida e a morte se tocam quase eternamente – Esse ‘lugar’, é o de toda a verdadeira Criação, porque é onde realmente se vê.

 

 


Qual a próxima viagem a fazer?

Sicília. Para seguir um conjunto de serendipidades. Ou ainda Turquia. Mas até lá ainda vou atravessar muitas vezes o Tejo, e porventura fazer mais umas viagens low cost para onde a arte e/ou a arquitetura me chamar.


O que imagina que poderia fazer se não fizesse o que faz?

Ainda que tivesse de nascer novamente, seria dançarina. Mediante tal impossibilidade, talvez ser um pouco mais ‘poeta à solta’, ‘vadiar’ mais, no sentido que o Agostinho da Silva atribuiu a estes termos.


Se receber um amigo de fora por um dia, que programa faria com ele?

Assim de repente, aqui perto, sem pensar muito, penso em lugares: Serra da Arrábida, Cabo Espichel, Casa da Cerca, Cova do Vapor, Jardim do Torel…São limiares; ou seja, oferecem acolhimento, e portanto no limite permitem que algo se inicie.


Imaginando que organiza um jantar para 4 convidados, quem estaria na sua lista para convidar? Pode considerar contemporâneos ou já desaparecidos.

Quatro de cada vez. Para a primeira ronda, os desaparecidos que melhor me fizeram compreender o que é uma aparição, no âmbito de uma constelação (acontecimento figurativo do Ser): Agustina Bessa-Luís, Aby Warburg, Maria Gabriela Llansol e talvez Joseph Beuys, para me exortar a discorrer com autodeterminação sobre este tema, dando a ver que as imagens artísticas – em continuum – circulam em-cada-um-de-nós.


Quais os seus projetos para o futuro?

Algo muito pouco ambicioso: O Reencantamento do mundo. O termo é tomado de empréstimo da Erika Fischer-Lichte. Como tive a oportunidade de escrever recentemente num pequeno ensaio, tenciono implicar-me na polissemia da palavra canto (do cantar, à poesia épica, passando inevitavelmente pelo canto enquanto espaço de acolhimento, e portanto, pela arquitetura). Trata-se uma vez mais de dar a ver como as imagens artísticas circulam em-cada-um-de-nós, e da sua misteriosa carga explosiva, porque de redenção; isto é, enquanto aparição, na tal encruzilhada entre o individual e o coletivo.

 




Outros artigos:

2022-04-20


Isabel Cordovil
 

2022-03-20


Sofia Mascate
 

2022-02-20


Luisa Abreu
 

2022-01-20


Miguel Rodrigues
 

2021-12-26


Madalena Folgado
 

2021-11-24


Andreia C. Coutinho
 

2021-10-29


Joana Consiglieri
 

2021-09-28


Diogo Costa
 

2021-08-22


Alda Galsterer
 

2021-07-09


Adelaide Duarte
 

2021-05-29


Francisca José
 

2021-04-30


Gonçalo Antunes
 

2021-03-17


Dasha Birukova
 

2021-02-16


Rodrigo Tavarela Peixoto
 

2021-01-19


Jorge Santos
 

2020-12-02


Alexandre Martins
 

2020-10-28


Clara Gomes
 

2020-09-19


Márcio Laranjeira
 

2020-08-08


Sérgio Marques
 

2020-07-07


HILDA REIS
 

2020-06-08


SÉRGIO PARREIRA
 

2020-04-21


Sérgio Braz d'Almeida
 

2020-02-29


Luís Castanheira Loureiro
 

2020-01-31


João Paulo Serafim
 

2019-10-18


Beatriz Albuquerque
 

2019-07-13


THIERRY FERREIRA
 

2019-05-30


ANDREIA GARCIA
 

2019-04-01


Julia Flamingo
 

2019-02-01


CECÍLIA SILVEIRA
 

2018-10-28


LEONOR VEIGA
 

2018-09-28


LUDGERO ALMEIDA
 

2018-08-23


ADRIANA MOLDER
 

2018-06-27


VÂNIA ROVISCO
 

2018-05-29


ANA BALONA DE OLIVEIRA
 

2018-04-18


AIRES DE GAMEIRO
 

2018-03-17


PEDRO PIRES
 

2018-01-26


RUI NETO
 

2017-12-22


EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2017-11-18


ILIDIO CANDJA CANDJA
 

2017-10-16


RUI GUEIFÃO
 

2017-09-02


DIOGO DA CRUZ
 

2017-07-26


FRANCISCO CAMACHO
 

2017-06-29


MIGUEL BONNEVILLE
 

2017-05-31


JOSÉ FILIPE COSTA
 

2017-04-27


INÊS TELES
 

2017-03-24


MARIA JOÃO MACHADO
 

2017-02-11


JOÃO LAGARTO
 

2017-01-17


MIGUEL CLARA VASCONCELOS
 

2016-12-15


ANDREA BRANDÃO
 

2016-11-09


SÓNIA BAPTISTA
 

2016-10-02


DANIEL JONAS
 

2016-07-27


SÃO JOSÉ CORREIA
 

2016-06-28


BRUNO CIDRA
 

2016-05-17


ANDRÉ ROMÃO
 

2016-04-23


ELISA PÔNE
 

2016-03-15


SOFIA MARÇAL
 

2016-02-11


JORGE DA COSTA
 

2015-12-31


MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA
 

2015-11-30


FABRICE ZIEGLER
 

2015-10-21


PEDRO BERNARDES
 

2015-09-16


CRISTINA ATAÍDE
 

2015-07-28


BÁRBARA FONTE
 

2015-06-24


ÂNGELA FERREIRA
 

2015-05-10


SÃO TRINDADE
 

2015-04-13


JOSÉ RAPOSO
 

2015-03-17


LUÍS SILVA
 

2015-02-09


JOSÉ MAIA | MANUEL SANTOS MAIA
 

2015-01-06


JOÃO PINHARANDA
 

2014-12-03


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO
 

2014-11-08


NAMALIMBA COELHO
 

2014-09-26


RITA BARROS
 

2014-09-02


ALBUQUERQUE MENDES
 

2014-07-25


ANTÓNIO OLAIO
 

2014-06-17


FÁTIMA LAMBERT
 

2014-05-12


HUGO BARATA
 

2014-04-17


ANA RITO
 

2014-03-13


MIGUEL BRANCO
 

2014-02-12


JOÃO FONTE SANTA
 

2014-01-06


MARINA BAIRRÃO RUIVO
 

2013-11-29


ANTÓNIO CARAMELO
 

2013-10-29


XANA
 

2013-09-18


DANIEL BLAUFUKS
 

2013-08-12


MIRIAN TAVARES
 

2013-07-11


SÉRGIO MAH
 

2013-06-14


LUÍS ALEGRE
 

2013-05-01


PEDRO CABRAL SANTO
 

2013-04-03


MANUEL JOÃO VIEIRA
 

2013-03-11


PEDRO BARATEIRO
 

2013-02-05


SARA & ANDRÉ
 

2013-01-02


ANDRÉ GOMES
 

2012-12-03


JOÃO ONOFRE
 

2012-11-05


JOSÉ LUÍS NETO
 

2012-10-09


LÚCIA MARQUES
 

2012-09-10


INEZ TEIXEIRA
 

2012-08-07


VASCO ARAÚJO
 

2012-07-04


NUNO CERA
 

2012-06-14


JULIÃO SARMENTO