Links

O ESTADO DA ARTE


Fotografia de brochuras, cartas, fotografias da workshop “Cleaning the House” dada pela Marina Abramovic, 2002, Centro Galego de Arte Contemporánea (CGAC), Santiago de Compostela, Espanha.


Fotografia da pg. 49 do livro “Marina Abramovic: Student Body” da Charta, Milão, Italia.


Fotografia da pg. 58-59 do livro “Marina Abramovic: Student Body” da Charta, Milão, Italia.


Fotografia da pg. 35 do catalogo “Cleaning the House” da Foundacion Montenmedio Arte Contemporáneo (NMAC), Cadiz, Espanha.


Fotografia da pg. 123 do livro “Marina Abramovic: Student Body” da Charta, Milão, Italia.

Outros artigos:

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC

BEATRIZ ALBUQUERQUE

2020-07-16




 

 

Marina Abramovic nasceu em 1946 em Belgrado, Jugoslávia, agora Sérvia. É uma artista e performer incontornável, tendo sido apelidada de Madrinha da performance. [1]

Sendo eu uma das suas alunas, sempre senti que éramos como as afilhadas dela, os filhos da arte que ela apadrinhou devido à sua capacidade inata de mentora.

Sempre a admirei como artista e tive o meu primeiro contacto com ela em 2002. Foi a primeira vez que veio à Península Ibérica para realizar o seu workshop, criado em 1990, com o nome “Limpando a Casa” (Cleaning the House) no Centro Galego de Arte Contemporanea (CGAC). Nestes workshops, os exercícios criados por ela (o chamado método Abramovic) têm como objectivo libertar cada um para “limpar a sua casa”. Encontrar um estado puro para criar e transmitir a arte, chegando a um estado de clareza mental e uma recepção absoluta, centrando-se num corpo “limpo” como único veiculo da criação artística. [2]

É importante contextualizar que em 2002 o ensino oferecido sobre performance arte era limitado. Em Portugal, uma licenciatura de ensino superior demorava cinco anos (Pré-Bolonha), com disciplinas obrigatórias, com currículo rígido e muitos exames. A performance arte era uma forma de arte sem destaque, sem disciplina, classe ou curso, sem um departamento ou área de foco numa licenciatura em Portugal. Não devemos confundir com dança, teatro ou animação cultural, que tinham maior destaque. Nesse período existia muito pouco ensino oferecido focado na performance arte mesmo no mundo inteiro. Apenas era leccionado um pequeno curso no Reino Unido e nos Estados Unidos existiam dois mestrados no ensino superior. O mais conceituado e competitivo, com o seu próprio departamento de performance arte, sem ser dança, teatro ou ambos, era o The School of the Art Institute of Chicago (SAIC). Este mestrado era limitado entre seis e oito alunos e demorava dois anos a completar, mas possuía o ranking mais alto do ensino superior no catálogo impresso “U.S. News & World Report”. [3] Na Europa, esporadicamente, existiam uns workshops como o de Esther Ferrer, em 2001, e os de Marina Abramovic, “Limpando a casa”. Na Hochschule für Bildende Künste (HBK), em Braunschweig, na Alemanha, Marina Abramovic tinha uma masterclass, onde desenvolveu a maioria da sua prática pedagógica (1997-2004). [4]

Em diferentes alturas do meu percurso artístico eu experienciei, em todo o seu esplendor, o método Abramovic e a sua pedagogia pela mão da própria:
- Workshops “Limpando a casa”, no CGAC (2002) e no NMAC (2004) em Espanha;
- Classe em Braunschweig (2004); e
- Parte do grupo Independent Performance Group (IPG) , fundado por Marina Abramovic com trinte e seis artistas em quinze países diferentes de 2003 a 2007;

Neste texto vou focar-me na pedagogia implícita na experiência dos exercícios criados por ela, que iam de encontro às necessidades de cada um de nós. Abramovic é uma professora que tem grande empatia e ternura por todos, como se fossemos uma planta que ela ajuda a crescer através da partilha da sua sabedoria para libertar todo o nosso potencial. Nas suas próprias palavras, “O meu papel como professor é ensinar os estudantes a confiarem em si mesmos e a canalizarem a sua energia… Não vejo o ensino como um monólogo mas sim vejo-o como um diálogo… Como professora, espero ensinar aos meus estudantes qual é a direcção que devem seguir com o seu trabalho. Espero ajudá-los a se realizarem em pleno como artistas.” [5]

Existe um balanço entre o físico e o mental/espiritual nos seus workshops. Não se limita a criar as regras, ela segue-as ao nosso lado. Como as de não comer ou tomar banho a não ser de água fria. Só a regra de não falar é que é a única excepção, porque existe a necessidade de nos dar as instruções necessárias para os exercícios. Desta forma, cria-se uma comunidade que de repente está em grupo a beber chá frente a uma fogueira no crepúsculo de Antas de Ulla (Lugo, Espanha). Nas palavras de Abramovic “(…) coloca-me perto de cada participante, como se se tratasse de uma família. Espero e creio que todos os participantes nos workshops saiam com um sentimento de unidade.” [6]

Um dos exercícios mais presente na minha memória é o de escrever o meu nome, sem tirar a caneta do papel, durante uma hora (Writing the Name Exercise). [7] Este exercício foi realizado pela primeira vez pelos alunos no primeiro dia do workshop. Pessoalmente, este exercício foi bastante difícil, porque todo o meu pensamento girava entre manter e mover lentamente a caneta, o entediante da acção e os ruídos do pensamento, tudo factores de distracção. No último dia do workshop realizámos este mesmo exercício, só que após toda a preparação dada por ela a minha experiência foi o oposto da inicial. Estive focada, centrada, senti o cheio e o som do espaço em que me encontrava. Já não considerava a tarefa entediante, mas sim um ritual de onde tirei grande grado.

Noto, assim, a transformação e o impacto que os exercícios tiveram em mim. Como a mistura das actividades físicas aliadas ao mental, que foram os nutrientes necessários para desenvolver e crescer, para, em suma, sermos uma versão melhor de nós.

Outro exercício muito eficaz foi o de olhar-me ao espelho. Abramovic mostra-nos que podemos parar e olhar para nós em qualquer altura do workshop (Stop with Mirror Exercise). [8]

Infelizmente, no quarto dia do workshop encontrava-me doente e febril quando ela sorrateiramente apareceu por trás de mim e me mostrou o espelho. No reflexo via a expressão natural da minha cara (ninguém diria que estava doente!), apesar de os meus olhos terem uma expressão cansada, o espelho mostrava o meu estado real de corpo e espírito. Uma das particularidades do reflexo era o fundo, o ângulo de visão, o enquadramento, as cores e o reflexo da pessoa que segura o espelho. Neste exercício não só vemos a nossa experiência e energia como também o outro que faculta essa oportunidade.

O terceiro exercício que tenho guardado vivamente na minha memória é o do grupo todo fechar os olhos. Abramovic direciona uma pessoa para a nossa frente e temos que tocar na sua cara e corpo. Temos que identificar mentalmente quem é e escrever o seu nome (Feeling another person Blindfolded Exercise). [9] Lembro-me de ser direccionada por Abramovic para uma pessoa com barba curta, nariz, olhos, boca, cabeça, pêlos, pormenores que não tinha antes reparado, como o sentir a pele áspera e sedosa. Lentamente construí uma imagem dessa pessoa, identificando-a. Antes de abrir os olhos sabia na minha mente quem era a pessoa do grupo, sem dúvidas. Quando nos pediram a todos para abrir os olhos, sou confrontada com uma realidade diferente: estava totalmente errada na identificação dessa pessoa à minha frente. Fiquei admirada como existem tantos estímulos e outras maneiras de olhar o mundo, inclusivé como o de só olhar para uma pessoa.

É importante mencionar que durante todo este processo da nossa experiência pessoal mantínhamos um diário escrito. Todos estes exercícios terminavam ao fim de cinco dias com uma refeição feita por nós, umas bolas de mel com frutos secos, especiarias e ouro. Era criado um sentido de comunidade, de partilha e experiência. Após esse período criámos todos uma performance duracional (ou com maior duração que o habitual). Esta performance era o somatório do nosso percurso neste workshop. Nas palavras de Abramovic, “O acto criativo é como dar à luz, um processo doloroso que pode ser destruidor….Logo isto só é conseguido num estado mental puro, por isso os workshops funcionam como uma preparação para o acto criativo.” [10]

A síntese e compilação destes exercícios, como um guia de técnicas que outros podem implementar no seu próprio ensino, foi cristalizada na forma de um livro intitulado “Corpo do estudante” (Student Body). [11]

 

Em Abril deste presente ano (2020) fiz a Marina Abramovic três perguntas sobre a sua pedagogia:

 

Beatriz Albuquerque (B. A.) - Quem foi o seu professor favorito e porquê?

Marina Abramovic (M. A.) – O meu professor favorito foi John Cage. Ele não era exactamente meu professor. Fazia a sua vida e criava a sua obra, e eu às vezes sentava-me na sua cozinha e ajudava a cozinhar comida macrobiótica. Ele falava sobre a sua vida e o seu trabalho. Estava cheio de sabedoria, modéstia e honestidade. Senti que aprendi muito com ele.


B. A. - Que momento/situação a mudou/ou a validou como professora? Porquê?

M. A. - Isso não aconteceu em nenhum momento específico. Foi um processo gradual. Senti que tinha tantas experiências pessoais na minha vida e no meu trabalho que seria egoísta não as compartilhar. Eu simplesmente comecei com os workshops e a resposta dos alunos foi tão positiva que me deu a coragem de começar a ensinar.


B. A. - Agora, com a pandemia e o que está acontecendo em todo o mundo, a sua pedagogia irá mudar? Porquê?

M. A. - O que está acontecendo agora em todo o mundo não mudará a minha pedagogia. Na verdade, o mundo poderá beneficiar do uso de algumas das suas ideias - do Método Abramovic, especialmente relacionadas com o isolamento e a solidão: solidão por escolha própria, conotação positiva – “solitude”, e solidão imposta, conotação negativa – “loneliness”.

 

 

 

 

 


Beatriz Albuquerque
Licenciada pela Faculdade de Belas-Artes do Porto. Mestrado na The School of the Art Institute of Chicago e doutoramento na Columbia University, Nova Iorque, com o apoio das bolsas Fulbright e FCT. Neste momento, é membro integrado no Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes da Universidade Católica Portuguesa e membro colaborador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra. Foi distinguida com o Prémio Myers Art Prize: Cross Media Art, Columbia University, Nova Iorque; o Prémio Revelação pela 17ª Bienal de Cerveira, Vila Nova de Cerveira, assim como o Prémio Ambient Series, PAC/Edge Performance Festival.

 


:::

 

Notas

[1] Urist, J. (2016). What to Make of Marina Abramović, the Godmother of Performance Art. Smithsonian Magazine.

[2] Abramovic, M., Blasquez, J., Llull, P. & Morales, A. (2007). Cleaning the House. Foundacion NMAC, Cadiz, Espanha., ISBN 978-84-690-35351.

[3] The School of the Art Institute of Chicago. (2004). Graduate Programs. SAIC.

[4] Abramovic, M., Blasquez, J., Llull, P. & Morales, A. (2007)

[5] Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Cleaning the House. Centro Galego Arte Contemporaneo, Xunta de Galicia. ISBN 84 453 3634
Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body. Milan: Charta.ISBN 88-8158-449-2

[6] Abramovic, M., Blasquez, J., Llull, P. & Morales, A. (2007)
Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Cleaning the House.
Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body.

[7] Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body.

[8] Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body.

[9] Abramovic, M., Blasquez, J., Llull, P. & Morales, A. (2007).

[10] Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Cleaning the House.
Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body.

[11] Abramovic, M. & Fernandez-Cid, M. (2003). Marina Abramovic: Student Body.