Links

O ESTADO DA ARTE




Outros artigos:

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


MANUEL QUARANTA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS

MARIA VLACHOU

2022-02-26




 

“Muitas pessoas sentem-se desconfortáveis ​​com o rótulo 'as artes' e associam-no apenas às artes visuais ou à 'alta cultura', como o bailado ou a ópera. (…) Ao mesmo tempo, a maioria das pessoas neste país tem vidas culturais activas e valoriza oportunidades para ser criativa.” As frases não foram retiradas da publicação do estudo da Fundação Gulbenkian sobre os hábitos culturais dos portugueses. Foram retiradas do documento do Arts Council England Let’s Create, que apresenta a sua estratégia para a década 2020-2030. No contexto português, a primeira frase soa muito familiar; o estudo português não confirma a segunda, mas poderia ser um desejo. Será…?

No Reino Unido, e especificamente na Inglaterra, não se ficou pelo desejo. Nos anos 1950, o académico Raymond Williams, ao defender um maior investimento nas artes (e também na aprendizagem ao longo da vida), esclarecia que este não deveria servir apenas para apoiar as grandes instituições nacionais, mas também para acolher, encorajar e fomentar as tendências regionais de recreação, que começavam a manifestar-se, “pois, a cultura é comum, uma pessoa não deveria ter de ir a Londres para a encontrar”. Muitos anos mais tarde, já no século 21, são desenvolvidos projectos culturais que colocam o foco no cidadão, qualquer cidadão, onde quer que esteja. O Creative People and Places (apoiado pelo Arts Council England) pretende criar condições para que as pessoas possam escolher, criar e participar em experiências artísticas brilhantes nos lugares onde vivem. O Fun Palaces (cuja fundadora Stella Duffy tivemos a oportunidade de ouvir no Isto é Partis da Fundação Gulbenkian em 2020) trabalha no terreno para que todos possam ter uma opinião sobre o que conta como cultura, onde acontece, quem a faz e quem usufrui dela. Foi precisamente o que defendia em 2017 o estudo do King’s College London Towards cultural democracy: promoting cultural capabilities for everyone: “uma liberdade social substancial para criar versões de cultura; (...) liberdades reais e concretas para escolher que cultura fazer, bem como que cultura valorizar. (…) Oportunidades para ver e ouvir coisas; coisas novas, coisas velhas, coisas estranhas, coisas bonitas, coisas divertidas e coisas ferozes; coisas que mobilizam, confundem e movem; coisas que confortam e coisas que inspiram.”

Chegámos assim ao ano 2020, para o Arts Council England assumir como um dos objectivos da sua estratégia para a próxima década “valorizar o potencial criativo de cada um de nós, proporcionar às comunidades de todos os cantos do país mais oportunidades para apreciar a cultura e celebrar a grandeza de qualquer tipo.” Levou muito tempo (muito mesmo) e ainda temos de esperar para ver qual será a sua concretização. Mas o país, o seu sector cultural, entendeu a necessidade de ir além da “democratização da cultura” para se focar numa cultura mais democrática.

Gosto e fazem-me falta os estudos de público no nosso trabalho. Costumamos guiar-nos pelas nossas intuições, convicções empíricas, trocas de opiniões com colegas. Não desvalorizo estes factores, mas são também necessários dados mais concretos e objectivos, mais detalhados, cruzados em função de vários parâmetros, que permitam pensar melhor o nosso trabalho e tomar decisões mais informadas. Nesse sentido, sinto-me muito contente com o estudo encomendado pela Fundação Calouste Gulbenkian sobre os hábitos culturais dos portugueses. Não me trouxe surpresas, no entanto; infelizmente, nem no que diz respeito a muitas das primeiras reacções aos resultados apresentados.

Em 2013, a situação foi muito parecida quando saíram os resultados do Eurobarómetro sobre o acesso e participação cultural dos cidadãos nos países da EU (escrevi na altura aqui). Senti que algumas das nossas reacções, reacções de quem trabalha no sector, foram tão ou mais preocupantes que os resultados em si. Agora, está a acontecer o mesmo.

Alguns comentadores, desiludidos ou mesmo zangados com os portugueses incultos, desinteressados ou ignorantes, questionam se deveremos, então, ir à rua buscar as pessoas e trazê-las para dentro. Outros defendem o contrário, que devemos levar o que temos e sair para a rua. Poucos questionam o que é que queremos, realmente, partilhar? Porquê? Que relevância vêem nele os Portugueses? Aliás, a palavra “relevância” aparece duas vezes no estudo da Gulbenkian, mas nunca associada à oferta cultural (aparece uma vez associada à educação e outra à sociabilidade). No entanto, deveria ser uma questão central na análise dos resultados do estudo (e para quem tem dificuldade em definir “relevância”, o livro The art of relevance, de Nina Simon, é um bom ponto de partida).

Fico com a sensação que queremos impingir algo aos portugueses. Não interessa quem são, onde vivem, em que pensam, o que anseiam por fazer ou discutir. Planeamos, e programamos, “apesar” deles. Amuamos quando afirmam não ter interesse no que propomos (ou, pior, não ter conhecimentos para apreciar o que propomos…). A questão do preço dos bilhetes aparece como tábua de salvação (“não vêm porque é caro”). Tudo menos questionarmos o que fazemos, como e porquê.

A comunicação social faz as suas interpretações e escolhe títulos como “Muita televisão e telemóvel, poucos livros e museus”. Tão preconceituoso, tão limitador e com tanto impacto nas conclusões simplificadas que muitas pessoas vão tirar dos resultados. Lembro-me da Acesso Cultura organizar em 2020 um debate com colegas, profissionais da cultura, que cresceram em meios rurais. Todos eles falaram da importância da televisão nas suas vidas, em tudo o que ficaram a conhecer, em tudo o que puderam imaginar. O problema não é o meio em si (o mesmo em relação ao telemóvel). O nosso questionamento tem de ir um pouco além.

Os autores do estudo afirmam que, para perceber as raízes da fraca adesão às práticas culturais, o estudo inquiriu também os entrevistados sobre as razões que os levam a ignorá-las. No entanto, a “falta de tempo”, a “falta de dinheiro”, a “falta de interesse”, só por si, não revelam o que muitas vezes está por trás destas afirmações. O “é caro” pode esconder algo como “é tão grande, tão bonito, não é para mim” (estou a citar uma pessoa real). O “não tenho interesse” ou “não tenho conhecimentos para entender” são referências que devem ser aprofundadas, isto é, se tivermos a coragem de nos confrontarmos com o que revelam sobre a forma como comunicamos. O “não estou bem vestida para ir visitar a exposição” é um factor real, muito real. Temos ainda a “falta de tempo”, invocada também por quem trabalha na Cultura. Uma realidade que a pandemia nos permitiu questionar de forma intensa, mas… já passou.

Mais uma vez, fica claro para mim que não estamos dispostos a questionar-nos, a pôr-nos em causa. Para quê fazer estudos, se não estamos preparados para actuar sobre eles? Para quê fazer estudos, se vamos passar uns dias indignados, para voltarmos ao que sempre fizemos, como sempre o fizemos, culpando os portugueses, o Salazar (inevitável referência nestas discussões), a escola…?

“Toda a política cultural é centrada na oferta, ou seja nos artistas e nas estruturas que os mantêm. Mas não conhecíamos a consequência disso ao nível da procura”, disse Miguel Lobo Antunes na conferência de imprensa. Pois é, mas eu acho que conhecíamos também a consequência disto. Aliás, essa mesma política cultural, quando pensa nos “destinatários” da oferta, não vai além do “digital” e das entradas gratuitas, da tal “democratização” - ou “impingimento” (neste post de 2016 reflectia sobre o programa do governo para a cultura).

Um dia antes do estudo ser apresentado, a nossa colega brasileira Marta Porto partilhou comigo o artigo de um jornal do seu país intitulado “Volta pra tua terra”, “nossa cor é a branca”, dizem os racistas em Portugal, que começava com uma referência ao espancamento de uma aluna brasileira de 11 anos no pátio da sua escola em Portugal. A Marta perguntou-me: "Como os museus e os programas portugueses estão lidando com a xenofobia crescente em Portugal?" A minha resposta foi directa e curta: não lidam. Como não lidam com vários outros assuntos, pequenos e grandes, graves, mas também felizes. Aqui não se trata de dizer “Mas não conheces o projecto a, b, c…?”. Conheço alguns e, com certeza, desconheço outros tantos. Mas o que está aqui em causa é o posicionamento de um sector inteiro em relação à vida e às pessoas, esta terra e o mundo. Se quisermos questionar a relação dos portugueses com “a Cultura”, devemos começar por um honesto auto-questionamento. Tentar responder à pergunta desconfortável “Porque é que fazemos o que fazemos?”; e, ainda, “Qual a nossa relevância?”. O que seria mesmo preciso agora era um estudo sobre os hábitos culturais das próprias organizações culturais. O que é que os portugueses podem esperar delas? De nós?

 

 

Maria Vlachou
Consultora em Gestão e Comunicação Cultural. Directora Executiva da Acesso Cultura. Gestora do grupo de Facebook Textos em Museus e co-gestora do blog Museums and Migration. Foi Directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal e Responsável de Comunicação do Pavilhão do Conhecimento. Fellow internacional e membro do ISPA (2018, 2020). Fellow do DeVos Institute of Arts Management no Kennedy Center em Washington (2011-2013). Mestre em Museologia (University College London, 1994), com tese sobre o marketing de museus.