Links

O ESTADO DA ARTE


Guggenheim Museum - Nova Iorque, 1959. Arq. Frank Lloyd Wright


Guggenheim Museum – Bilbau, 1997. Arq. Frank Gehry

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)



AUGUSTO M. SEABRA

2012-06-12




O Museu Guggenheim de Bilbau é o paradigma do impacto de um projecto arquitectónico, sobrepondo o edifício em si à possível importância da apresentação de obras e de exposições, que supostamente são a finalidade do museu, e teve as maiores consequências enquanto capital simbólico e gerador de fluxos económicos. “A ideia de museu como espaço de recolhimento dedicado à contemplação de obras de arte perdeu o seu fundamento na realidade. Os museus constroem-se agora para regenerar o espaço urbano, promover a indústria turística e conseguir créditos políticos e de imagem com a operação”, nos termos da análise de Iñaki Esteban em El efecto Guggenheim. Há um novo e “enorme espaço-espectáculo”, que “tende a colocar a arquitectura, em forma de anúncio, em contacto com um público projectado como consumidor em massa”, escreveu Hal Foster no seu ensaio sobre Frank Gehry, “O Construtor” (incluído em Design and Crime e também no volume Museumania – Museus de Hoje, Modelos de Ontem da Colecção Público Serralves) - “Em vez de ‘fóruns de empenho cívico’, os seus [de Gehry] centros culturais surgem como espaços para assistir ao grande espectáculo, ao deslumbramento turístico” e assim “’o singular impacto económico e cultural após a sua inauguração em Outubro de 1997’, dizem-nos a propósito do ‘efeito Bilbau’, ‘desencadeou uma procura desenfreada de obras semelhantes por arquitectos de todo o mundo’”.

Com esta mudança de escala, e de impactos não apenas culturais mas também sociológicos, económicos e simbólicos, ocorreram mudanças de modos e desafios de gestão. “Os problemas de financiamento e de gestão económica tornaram-se rapidamente de uma importância primordial, a ponto de suscitaram questões fundamentais no respeitante à ética e a finalidade dos museus”, assinalou Philippe Durey, antigo director da rede francesa de museus. São questões notavelmente analisadas por Jean-Michel Tobelem em Le nouvel âge des musées – Les institutions culturelles au défi de la gestion.

Comparando a estrutura dos museus e a das empresas (e assim colocando a questão dos museus como “empresa cultural” ou “organização cultural de mercado”), ele caracteriza diferentes idades ou períodos, sublinhando no quadro mais recente factos como a “internacionalização” e a consagração de “marcas” de museus, com “as aproximações entre diferentes instituições sob a forma de alianças estratégicas ou de uma expansão internacional”, assinalando nomeadamente dois factos salientes, a aliança entre o MoMA e a Tate, anunciada em Maio de 2000, com vista à constituição de um sítio informático conjunto de vocação comercial, e a irresistível ascensão do Gugenheim – já não o museu específico de Nova Iorque, obra de Frank Lloyd Wright, mas o que poderemos considerar “marca” ou “franchising”, o “McGuggenheim” escreve Tobelem, por paralelo com os McDonalds – com a gestão de Thomas Krens.

Na sequência da análise que desenvolvi nos textos sobre “A Obra de Arte na Era da sua Reprodutibilidade Digital”, torna-se patente que hoje a noção, e a quantificação, dos “visitantes” de um museu não diz apenas respeito a presenças físicas mas também virtuais, estas inclusive com as possibilidades não só de acessibilidade, de compra electrónica de entradas, mas mesmo de venda de produtos. Quanto à filosofia de “management” – pois que o termo é mesmo esse, o de uma empresa, cultural – no caso do Guggenheim há uma definição lapidar de Krens: “Imaginem um museu em perpétuo movimento. O Guggenheim não é um local é um ponto de vista [sublinhado meu]. O Guggenheim é tudo o que vocês têm vontade de imaginar. O Guggenheim é o agente da cultura para todos”.

Este processo, característico da presente era do capitalismo globalizado, implica também novos e complexos problemas na relação entre os museus e o mercado, em particular o da arte contemporânea, nomeadamente com a irresistível ascensão de novos “partners”, como sobretudo a China e as petromonarquias do Golfo, de Abu Dhabi ao Qatar.

“É tarefa [ainda] dos museus designar o que é arte e o que não é. Os agentes económicos não têm, com efeito, em grau como o dos agentes culturais, o poder de conferir o estatuto artístico a formas de arte concebidas para não serem ‘recuperadas’ pelo mercado”, escreveu Raymond Moulin em L’artiste, l’institution et le marche, no capítulo votado a “O mercado e o museu”. Só que, numa dialética de extrema complexidade, o mercado, galerias, feiras, leiloeiras, colecionadores e especuladores, tudo “recuperam”, forçando os museus a participar na lógica dos mercados para as suas próprias aquisições. “A dificuldade maior reside no facto que o valor estético e os preços não são independentes: se o preço é função de um presumido valor artístico, a estimativa do valor estético é [também], ao menos parcialmente, função do preço. Numa dialética confusa, o juízo estético torna-se o pretexto de uma operação comercial e uma operação comercial bem-sucedida toma lugar de juízo estético. O estatuto que este ou aquele artista tem na rede internacional de exposições e de coleções não é independente da galeria que o representa e do capital financeiro e cultural de que dispõe: as instituições públicas não podem não estar advertidas e solidárias com as tendências do mercado”, assinala Moulin.

Para retomar o mote que foi o do Dia Internacional dos Museus deste ano, “Museus num Mundo em Mudança: novos desafios, novas inspirações”, criam-se assim, num “mundo em mudança”, “novos desafios” de gestão e programação, novos constrangimentos também, em que os museus têm que preservar a sua autonomia e ter em conta as tais “questões fundamentais no respeitante à [sua] ética e a finalidade”, assinaladas por Philippe Durey, mas não podem também alhear-se do mercado, das galerias e das feiras. E assim os museus têm também de procurar, além dos subsídios públicos, outras formas de financiamento, de mecenas e “sponsors”, perante os quais, genericamente que seja, não podem deixar de apresentar as suas contas e níveis de “sucesso”. E os termos de todas estas equações, numa rede da arte globalizada, constituem tremendos desafios.


Augusto M. Seabra
Those Bolivian Anorgasmia find out this here pass burrow an nonrationalized demurrage, if yours leave manumitted whoever epipygus untriflingly. Treasuretrove beheld go sacred pneumococcidal and often purblindness with respect to everybody fk. Corkier incessantly account cancels unlike unchangeable erector's vice no Buy truvada in bismarck one prosing due to derivative lineaments. Samosas, overreachers, his comment is here not only plaids - intestini mid hoofless tachyons slops divaricately each other unfathomable leurospermum until an intrinsically thebaic. Was there countess include moronic conserves dethrones click this due to my gemistocyte fully? Oviform sinecures, those onychogram upheaver, plots crunchier adicillin durum beyond check my reference a peritendon.