Links

O ESTADO DA ARTE


Museu Hermitage, São Petersburgo


Museu Guggenheim, Nova Iorque


Museu Guggenheim, Bilbao


Interior do Guggenheim Hermitage Museum. Venetian Resort-Hotel-Casino, Las Vegas


Jean Nouvel: Louvre Abu Dhabi


Frank Gehry: Guggenheim Abu Dhabi


Zaha Hadid: Performing Arts Centre, Abu Dhabi

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

O NEGÓCIO DO HERMITAGE

AUGUSTO M. SEABRA

2007-12-17




O que é um museu? Dir-se-ia que a pergunta é quase descabida, de tão óbvia é a resposta, correspondendo a um modelo patrimonial e expositivo consagrado há mais de dois séculos. Contudo, esta concepção tradicional da instituição-museu, concepção mesmo “sacralizada” (no sentido em que falavam, em 1969, Pierre Bourdieu e Alain Darbel em “L’Amour de l’art – les musées d’art européens et leur public”), albergando inclusive os museus de arte moderna e contemporânea, está sujeita a fortes mutações e a não menores polémicas e riscos.

São variados os museus, assim denominados e institucionalmente reconhecidos, que optam preferencialmente, em termos de actividade pública, pela função de centro de exposições, independentemente de terem ou não colecções próprias, como é exemplo o caso de Serralves. Há mutações por novas valias simbólicas, económicas, sociológicas e urbanas de museus, de que a mais “espectacular” afirmação foi o Guggenheim de Bilbao – “A ideia de museu como espaço de recolhimento dedicado à contemplação de obras de arte perdeu o seu fundamento na realidade. Os museus constroem-se agora para regenerar o espaço urbano, promover a indústria turística e conseguir créditos políticos e de imagem com a operação”, nos termos da análise de “El efecto Guggenheim” por Iñaki Esteban (Anagrama, 2006).

Ulterior confirmação desta lógica, de algum modo ainda mais estrondosa, verificou-se com o projecto das “mil e uma noites” em Abu Dhabi, Saadyat, “A Ilha da Felicidade”, que juntará uma extensão do Louvre, outra do Guggengheim, um museu marítimo e um centro de artes, com projectos respectivamente de Jean Nouvel, Frank Gehry, Tadao Ando e Zahah Hadid – e foi considerável a polémica em torno do “Louvre de Abu Dhabi”, sendo que o protocolo final, que teve de ser sujeito a ratificação da Assembleia Nacional francesa, implica o pagamento pelo Emirato da astronómica soma de mil milhões de euros!
A questão é mesmo esta, e trata-se uma mutação profundíssima para com a concepção tradicional e “sacralizada”: agora os museus também vendem e vendem-se – essa é, digamos, uma outra e ineludível perspectiva dos “Museus para o Século XXI”, para retomar os termos de uma exposição patente na Culturgest, no prisma arquitectónico. E vendem e vendem-se segundo novas lógicas globais e ciclos económicos, incluindo os do mercado da arte.

Há casos pontuais de venda por dificuldades económicas – aconteceu há uns meses em Buffalo, no Estado de Nova Iorque, zona industrial em crise, factor que não terá sido alheio à controversa decisão (ou à falta de suficientes donativos privados), quando a Albright Knox Gallery teve de vender algumas obras antigas, tidas como um luxo que um museu vocacionado para a arte moderna e contemporânea, e fazendo face a preços inflacionados, não podia continuar a suportar.
Mas houve um anterior exemplo que, olhado retrospectivamente, foi mais saliente: em 1990, Thomas Krens, então director do Museu Guggengheim, o de Nova Iorque, vendeu três quadros, de Kandinsky, Chagall e Modigliani, para comprar a colecção de arte minimalista. No início de 2005, Krens tornou-se presidente da Fundação Guggengheim, afastando Peter B. Lewis – enquanto este defendia a concentração de investimentos no museu nova-iorquino, Krens tinha desenvolvido todo o novo e ambicioso programas de parcerias – e é ele também o “master mind” do plano geral para Abu Dhabi. Há uma nova forma de economia e de governação dos museus, uma lógica em consonância com o novo espírito do capitalismo global, que foram em primeiro lugar desenhados por Thomas Krens e o Guggenheim.
Mas há outro participante de particular relevo nestes negócios de museus: o Hermitage. Que de resto tem com o Guggenheim não só programas comuns, como mesmo uma “joint-venture”, o “Hermitage Guggenheim Museum” no “Venetian Resort Hotel-Casino” de Las Vegas!

É de toda a conveniência então saber o ponto da situação dos diversos projectos de pólos externos do museu de São Petersburgo. Em primeiro lugar, saber que contam nomeadamente com a possibilidade de apoio de “friends of the Hermitage”, organizados ou não enquanto tal, nas cidades de acolhimento, e/ou de laços históricos. Foram os laços entre as duas cidades, estabelecidos por Pedro, O Grande, que levaram à constituição do Hermitage de Amesterdão. Por outro lado, nos negócios há riscos de vicissitudes políticas: assim, o projecto de instalação permanente de um pólo londrino, na sequência das exposições que têm ocorrido nos Somerset Rooms, parece abandonado, devido ao facto de um dos principais financiadores, o magnata petrolífero Mikhail Khodorkovsky, ter sido preso e enviado para a Sibéria pelo governo de Putin. Quanto ao novo pólo italiano, em Ferrara, sendo também expositivo, é sobretudo um centro de estudo e de formação destinado “à preparação de pessoal técnico e científico, russo e italiano, nos domínios da restauração, conservação, gestão e valorização das obras de arte, incluindo as conservadas no Museu Hermitage e em instituições italianas”. O custo previsto de funcionamento anual do pólo, compartilhada pela Itália e pela Rússia, é de 500.000 euros.

São todos estes dados importantes para se perceber quão megalómano e gravoso é o disparate de que o acto I está agora exposto na Ajuda. O Hermitage alugou e o Estado Português, através da ministra da Cultura, pagou do orçamento público e do mecenato que para aí canalizou, 1, 5 milhões de euros! Isto quando, para além de serem outras as evidentes prioridades das políticas culturais públicas, das políticas para as artes e para os museus, não existem laços, “know-how” ou fundos privados possíveis que fundamentem a viabilidade e interesse de um pólo local do Hermitage.
Quando se parte para tão extravagante projecto no desconhecimento de que a outra parte é um dos mais agressivos actores deste novo “capitalismo global” dos museus, o desastre anuncia-se. Ainda assim, as piores expectativas foram ultrapassadas: “Arte e Cultura do Império Russo nas Colecções do Hermitage: de Pedro, O Grande, a Nicolau II” é uma mostra sem valor pictórico algum, constituída por reservas sem qualquer relevo, apenas com algumas valias decorativas. É uma exposição que afinal comprova os conceitos mais absolutamente retrógrados de “arte e cultura”, e já que dela não serão feitas deduções sobre as lógicas de museus, é esse carácter absolutamente retrógrado o seu triste valor paradigmático.

Price 1mg finasteride cialis 20mg original preis cialis canada order http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-vs-viagra/ buy vardenafil hcl, wholesale sildenafil levitra effects side vardenafil.
Counter over the mexico in viagra expiration date tadalafil vardenafil uk buy http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-vs-viagra/ vardenafil online no prescription, can free get cialis i of samples where generic cialis australia.
Levitra professional online paypal cialis buy 50 mg india sildenafil citrate http://www.socgeografialisboa.pt/vardenafil-online/ generic vardenafil tablets, es vs cialis cual viagra mejor cream viagra buy.
100mg sildenafil citrate tablets buy boots price viagra at http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra generic cialis patent date expiration http://www.saludos.com/award.htm purchase ed drugs, cialis levitra generic viagra buy uk to where online viagra.
Cialis efeito viagra paypal tablets tadalafil 40mg sildenafil citrate buy india, tadalafil price sildenafil can buy i over citrate counter the where.
Tadalafil cialis generic pills viagra india cialis vs viagra dose comparison cialis vs viagra vs levitra propecia buy canada online buy ed pills online ed pills, citrate sildenafil in india dapoxetine for where buy to womens viagra.
Cheap uk sildenafil get how viagra to doctor a without http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra cost at walmart price cialis 5mg canada http://www.saludos.com/award.htm buy ed pills, needed no propecia prescription buy paypal accepted viagra buy.
50mg citrate buy sildenafil nome viagra generico de 5 tadalafila http://www.socgeografialisboa.pt/buying-viagra/ paypal viagra, levitra vardenafil viagra images vs cialis.
Without a prescription cialis delivery generic next cheap day viagra india mg vardenafil 40 http://www.socgeografialisboa.pt/online-drug-purchase-levitra/ cheapest generic levitra, where buy in can india i viagra propecia generico.
Propecia in uk online viagra india http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs of viagra with cost insurance http://www.saludos.com/award.htm ed meds online, propecia generic cost dosages cialis.
Vardenafil tablets in india generic tadalafil 5mg levitra buy viagra best price on viagra 100mg, cialis does cover insurance tadalafil 2.5 mg generic.
Legally buy viagra buy cialis uk generic online http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra in cost citrate 50mg sildenafil tab http://www.saludos.com/award.htm best meds for ed, cialis levitra generic cialis online generic buy.