Links

O ESTADO DA ARTE


Alvaro Lapa: No Tempo Todo, Serralves 2018. Vista da exposição. Fotografia: Joaquim Norte.


Alvaro Lapa: No Tempo Todo, Serralves 2018. Vista da exposição. Fotografia: Joaquim Norte.


Alvaro Lapa: No Tempo Todo, Serralves 2018. Vista da exposição. Fotografia: Joaquim Norte.


Alvaro Lapa: No Tempo Todo, Serralves 2018. Vista da exposição. Fotografia: Joaquim Norte.


Alvaro Lapa: No Tempo Todo, Serralves 2018. Vista da exposição. Fotografia: Joaquim Norte.


Álvaro Lapa, Campéstico, 1986. Esmalte acrílico sobre aglomerado. Col. Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. Fotografia de Filipe Braga © Serralves


Álvaro Lapa, Em que pensas? No tempo todo, 1979 - 1980. Pastel sobre papel montado sobre tela. Col. Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. Fotografia de Filipe


Álvaro Lapa, Instrução pessoal, 1969. Tinta acrílica sobre aglomerado. Col. Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto. Fotografia de Filipe Braga © Serralves


Álvaro Lapa, As profecias de Abdul Varetti, escritor falhado, 1972. Texto bordado em lona montada em ferro (22 elementos). Col. Fundação de Serralves. Fotografia de Filipe Braga © Serralves

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO

LAURA CASTRO

2018-03-09




 


Depois de percorridas as salas do Museu de Serralves onde se apresenta Álvaro Lapa: No Tempo Todo, com curadoria de Miguel von Hafe Pérez, apetece refazer a visita, já na posse de algumas chaves desta exposição. Na verdade, percorre-se o espaço como se percorre interiormente a obra de Álvaro Lapa, procurando decifrar, em aproximações graduais e em acertos sucessivos o sentido do trabalho daquele que se confirma como um artista de obra e não de obras (parafraseando um escultor da mesma geração). E por ser um artista de obra, sentimos a imperiosa necessidade de conhecermos o maior número de peças e de séries, algo que esta retrospectiva nos oferece. Nesta obra não se representa, simboliza ou metaforiza, a própria referencialidade é dúbia, as citações são exigentes e engenhosas e, quando muito, apreendemos vínculos e nexos. O tempo da exposição precisará de ser aprofundado no tempo de leituras, caso contrário estaremos a subverter a substância da obra de Álvaro Lapa, refractária a impressões apressadas, como resulta evidente desta iniciativa.

Uma das chaves da visita, encontrei-a na primeira sala da ala à direita, em Buraco Funcional, de 1971, que imediatamente nos alerta para a abordagem material e conceptual do artista. O modelo em questão consiste na abertura de cavidades, vazios, espaços, por vezes de configuração rectangular, onde se inserem elementos que podem ser de natureza visual - quase sempre de conotação espacial, rampas, mesas, tubos - ou de natureza verbal - colagens de textos dactilografados, palavras manuscritas, frases escritas/pintadas. Este buraco funcional tem, portanto, um carácter instrumental, na explicitação de um modelo de trabalho que será utilizado de forma intensiva por Lapa, mas tem também um carácter de convocatória da literatura, do pensamento, da política. É nestes abismos que se encontra a sua mitologia pessoal. É também aí que se encontram algumas assombrações políticas e auto-biográficas.

Outra das chaves do percurso, identifiquei-a na última sala da ala à direita, numa das duas peças intituladas Museu ad hoc, datadas dos anos iniciais deste século XXI. Trata-se de dois trabalhos em que o artista miniaturiza algumas das suas pinturas e distribui-as por uma superfície entendida como espaço museológico, assim como quem quer, ironicamente, propor uma leitura possível da sua produção e controlar a sua recepção. Mediante este recurso metalinguístico encontramos, em formato reduzido, um importante trabalho que exibe o diálogo a seguir transcrito: Em que pensas / No tempo todo / Sob uma forma / A do desejo / Meu ou teu / Depende / De quê / De ti. Cada frase é introduzida por um, chamemos-lhe por facilidade, pictograma, uma assinatura visual de Lapa, constituída pela dupla silhueta de configuração humana que aparece e reaparece incessantemente na sua obra. O diálogo obriga-nos a voltar atrás, para rever dois trabalhos: um de 1979-80, precisamente intitulado Em que pensas? No tempo todo, onde aquela silhueta se apercebe claramente; outro, de 1980, sobre papel, Sem título, que retoma esse "carimbo" em vulto e as frases finais do diálogo: De quê? / De ti. Nestes diálogos desvenda-se também a origem do título da exposição que não se esgota nesta referência, como adiante se verá.

Estas peças adquirem valor programático, a par da instalação das Profecias de Abdul Varetti, obra que, no eixo de toda a ala direita da exposição, a enquadra cenograficamente. A ela podemos sempre voltar até desaparecermos pelo corredor lateral. Nas Profecias irrompe em Álvaro Lapa uma dessas presenças que o habitam e que habitam a sua obra, fornecendo-nos argumentos em favor da construção da(s) sua(s), mitologias pessoais (usando, de novo, a expressão consagrada por Barthes, em 1964, e depois por Szemann, em 1972, despojada, embora da carga iconográfica e narrativa).

A identificação destas chaves revela uma exposição que, embora não abandone totalmente a ordenação temporal, procura, segundo o curador, descurar "a linearidade cronológica" e opta por um discurso assente nos "dois campos de tensão visual" instaurados pelo retrato e pela paisagem, e nas "séries narrativas" que atravessam o território do artista. A opção está explícita na abertura da exposição, no texto colocado junto ao retrato de Álvaro Lapa, fotografado por João Cutileiro em 1958, e encontra uma expressiva síntese na obra de 1969 escolhida para capa do catálogo e que, não por acaso, se intitula Instrução pessoal.

É pela recusa, contida, da cronologia - incapaz de servir como elemento estruturador da obra de Lapa - que descobrimos ligações fundamentais para o seu entendimento. Apenas a título de exemplo, veja-se o que acontece na grande sala da ala direita que opõe a parede dos Campéstico à parede dos Cadernos dedicados a escritores. Percorrendo uma e outra, para a seguir nos debruçarmos sobre as longas mesas ao centro, verificamos que é o caderno que institui um modelo de trabalho ao qual todos os outros seriam redutíveis. É no caderno que, de modo privilegiado, se estabelece, negando-a, a forma possível do pensamento e da reflexão. O que evoca obrigatoriamente o jogo, que só na língua francesa ganha ressonância plena, entre as palavras tableau e table: "loin du tableau unique, refermé sur soi, porteur de grâce ou de génie […] certains artistes et penseurs se sont engagés à redescendre pour ainsi dire, modéstement, vers la plus simple mais plus disparate table". […] l´unicité du tableau fait place, sur une table, à l´ouverture toujours reconduite de nouvelles possibilités, de nouvelles rencontres, de nouvelles multiplicités, de nouvelles reconfigurations." [Georges Didi-Huberman - Atlas ou le gai savoir inquiet: L´œil de l´histoire, 3, 2011]. E volto ao início, reforçando a ideia de que a obra total e o tempo todo são necessários para entender Álvaro Lapa e por isso a exposição se desenvolve na horizontalidade da mesa (que o curador pretendeu) e não na verticalidade do quadro. Correndo o risco do exagero, dir-se-ia que todos os quadros do artista se podem converter em mesas de trabalho, o que subentende, primeiro, a distância e a retirada da pintura do seu campo próprio, enveredando pelo universo do rudimentar, rente ao que ainda não se articula como pintura; segundo, a recusa da pintura, tal como convencionalmente se organizou e se desenvolveu no devir histórico e artístico (o que não significa a ausência de referências recuperadas do passado). Interessante é observar, nestes objectos que compõem o longo discurso contra-cultural de Álvaro Lapa, não destinados à simples contemplação, a qualidade formal e até uma certa elegância no manuseamento do seu vocabulário.

Nos quatro pequenos espaços da ala à esquerda da entrada apresentam-se trabalhos dos anos 70 a 80, nomeadamente das séries Milarepa e Amnésias, bem como Gauguin e Ucello, com ligação a desenhos apresentados na ala à direita, zona onde se verdadeiramente se desenvolve a exposição. Nesta ala, o corredor acolhe um grande número de obras e, embora a sua configuração longitudinal se adeque ao carácter narrativo das séries apresentadas - nomeadamente Lâmina, Moradas, Mesas - o espaço resulta demasiado congestionado. Na zona do bengaleiro apresenta-se documentação relacionada com as exposições do artista, catálogos, cartazes, três retratos de Lapa por Ângelo de Sousa, datados de 1973 a 1975 e um por Miguel Palma, de 1994. Próximo do local onde se pode visionar o filme de Jorge Silva Melo, Álvaro Lapa: A Literatura, expõem-se ainda fotografias da estação de Metro de Odivelas com a intervenção do artista.

A dispersão expositiva em três zonas do museu (relacionada com eventuais compromissos de programação?) não beneficia a visita. A extensão e a importância da retrospectiva teriam justificado a ocupação do museu. Dito isto, a densidade que se experimenta não é necessariamente desconfortável ou prejudicial à compreensão desta obra clarificada por vizinhanças e proximidades, a despertar uma leitura das constantes formais e das recorrências temáticas. E é também essa densidade de quase três centenas de obras reunidas num museu que ajuda a interiorizar o vocabulário e os dispositivos característicos deste pintor e só dele e, principalmente, o esquema de alusões (como apontou José Gil, em 2005) a que se dedica.

A fechar: para que serve uma exposição, esta em particular? Para se entender a pintura, nas palavras do curador, não como "vocação disciplinar", mas como "meio (tal como a escrita, o desenho e a criação de objectos), facilitador de uma inscrição no campo alargado da cultura, com constantes remissões para os territórios da filosofia e da literatura". Não é tarefa pequena situar e conferir significado a esta obra difícil de descrever, difícil de narrar, difícil de comentar, mesmo após todas as derivas e ramificações que a pintura tem atravessado. Nela se sugere uma suposta inversão da exigência visual da pintura. Digo suposta, porque antes do primado da visão que os modernismos instauraram, o pensamento habitava o espaço da pintura, permanecia na sua rectaguarda, antecipava o seu registo visual. Aqui, o que se propõe, mais do que inversão, é a consubstancialidade de registos.

E a propósito do diálogo com a pintura herdada do século XX, haveria ainda que questionar o papel de uma das primeiras obras com que se depara o visitante e que poderá - ou deverá - deixá-lo em estado de alerta. Refiro-me à pintura, que tem tanto de irónico e de provocatório como de crítico, Espaldar modernista de apedrejar o público, de 1984, onde figura um elemento que acompanha, aliás, o itinerário do artista, surgindo, nomeadamente, num Campéstico dos anos 80 ou em Museu ad hoc 1.

 

 

Laura Castro
Professora na Escola das Artes e investigadora no Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (UCP). Doutorada em Arte e Design pela Universidade do Porto. Trabalhou no sector cultural entre os anos 90 e 2004.

 

Cialis difference tadalafil the between is what and price mg tadalafil best 20 http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra for sale viagra shipping generic free http://www.saludos.com/award.htm best ed meds, free sample pack levitra 20 cialis price mg.
Online 1mg propecia online vardenafil citrate sildenafil pills levitra cialis viagra price comparison, for cheap sale propecia propecia buy canada to in where.
40 vardenafil india mg for generic sale tadalafil cialis discount http://www.socgeografialisboa.pt/sildenafil-jelly-buyers/ sildenafil 100mg canada, it is safe from cialis buy to canada generic viagra discount.
India generic cialis buying australia in cialis online mg price cialis 40 vardenafil sublingual, cream cialis tadalafil.
Levitra sale buy for viagra men 120 cialis sildenafil oral jelly, cost generic cialis low buy 20mg levitra.
Research tadalafil capsules a cialis doctor without uk prescription uk prices cialis cheap viagra online from mexico, sildenafil gel citrate india 40 tadalafil reviews mg.
Tadalafil reviews cialis 20mg cialis o viagra levitra o price at walmart tadalafil sildenafil citrate review, price levitra tablet no canada prescription cheap viagra.
Cheap prescription levitra citrate cheap buy sildenafil cialis vs viagra effectiveness cialis vs viagra vs levitra cost at walmart vardenafil tablets levitra purchase ed pills ed pills online, propecia pharmacy us propecia amazon.