Links

O ESTADO DA ARTE


Anne-Louis Girodet, Jean-Baptiste Belley, député de Saint-Domingue à la Convention, 1797, 159x112cm, Château de Versailles.


Marie-Guillemine Benoist, Retrato de Madeleine (ex Retrato de uma Negra), 1800, 81x65cm, Le Louvre.


Roland Penrose, Quatro Mulheres Adormecidas: Lee Miller, Leonora Carrington, Ady Fidelin et Nush Eluard, Cornwall. Fotografia, 1937, tiragem actual 37x29.8cm, Lee Miller Archives.


Jules-Robert Auguste, Deux femmes dénudées (ou L'Afrique et l'Europe), cerca 1825-26, pastel, 31.6x38cm, Musée du Quai Branly.


Théodore Chassériau, Estudo a partir do modelo Joseph (ex Estudo de Negro), 1839, 54.8x73.5cm, Musée Ingres.


Pierre Puvis de Chavannes, Jovem negro com espada, 1848-49, 105x73cm, Musée d'Orsay.

J.Paul Getty Museum." data-lightbox="image-1">
Théodore Géricault, Estudo de homem a partir do modelo Joseph, cerca 1818-19, 47x38.7cm, Los Angeles J.Paul Getty Museum.


Paul Gauguin, Cabeça de mulher, Martinica, 1887, lápis de cor, 36x27cm, Amesterdão, Museu van Gogh.


François-Auguste Biard, Abolição da escravatura nas colónias francesas a 27 de Abril 1848 (ex Proclamação da liberdade dos Negros nas colónias), 1849, 260x392cm, Château de Versailles

Outros artigos:

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO

MARC LENOT

2019-07-15




 

 

A exposição "Le modèle noir" no Musée d'Orsay (até 21 de julho) é ao mesmo tempo necessária e decepcionante. Adopta duas perspectivas, uma, indispensável, mais propriamente histórica, e a outra, no espírito dos lugares, mais artística. Há muito poucas grandes exposições em França sobre a escravatura, a colonização e o racismo (e ainda demasiados vestígios memoriais, como os nomes das ruas em Bordéus por exemplo), e só podemos regozijar-nos da dimensão histórica desta exposição, que vai da Revolução Francesa (e a primeira abolição da escravatura em certas colónias, excepto na Martinica ou nas ilhas Mascarenhas), até 1940. Para a escravatura, o tráfico de escravos e a sua abolição, a apresentação, nos textos afixados e no catálogo (especialmente o ensaio de Stéphane Guégan), dessa cronologia, das suas aventuras e dos seus heróis é importante. É lamentável, no entanto, que não haja um esclarecimento económico sobre as consequências da abolição. E era sem dúvida o lugar para se fazer mais história da colonização e do racismo metropolitano, que teria sido tão pertinente para a compreensão do percurso artístico; mas o que vemos não é mais do que uma exposição. De forma que se observa a emergência de figuras simbólicas desta emancipação, nomeadamente o convencional Jean-Baptiste Belley, primeiro deputado negro da nossa história, pleno de dignidade republicana, contudo pintado por Anne-Louis Girodet como sob a égide de um branco, o abade abolicionista Guillaume-Thomas Raynal morto um ano antes.

Este indispensável percurso documental funde-se confusamente com o percurso artístico. Começamos com a Revolução, mas claro que já havia antes representações dos negros, do rei Balthazar a van der Kerckhoven, que na maioria das vezes eram apenas tipos, não identificados, não-individualizados. Alguns serviçais negros foram, no entanto, identificados pelo nome (Paul Zaigre de Pigalle, Auguste de Carmontelle), mas muito poucos dos retratos são dignos e respeitosos, por falta de sujeitos suficientemente "respeitáveis", sem dúvida. Uma rara excepção (ausente da exposição) é o retrato atribuído a Pierre Gobert da beneditina de Moret, que se presume ter sido o fruto dos amores da rainha Maria-Teresa e do seu jovem pajem negro.

 

Pierre Gobert (atribuido a), Mauresse de Moret, 1695, Bibliothèque Ste Geneviève
[ausente da exposição]

 

A exposição começa verdadeiramente com a famosa pintura de Marie-Guillemine Benoist

Notemos primeiro que esta exposição é acompanhada por um desejo de renomear as obras de uma maneira "moderna" e correcta, de modo que não se diz Preto mas Negro (e amanhã, as rebatizarão como retrato de um Afro-descendente?), ou melhor, encontrar o nome do modelo (daí a instalação bastante mal sucedida de Glenn Ligon no hall do Museu). A pintura que nós conhecemos há 200 anos como "Retrato de uma Negra" é doravante chamada "Retrato de Madeleine", no pressuposto de que a modelo seria a empregada doméstica do cunhado da artista. (Na mesma linha normativa, "Olympia" é descrita como "trabalhadora do sexo" no catálogo pela co-comissária americana...). "Retrato de Madeleine" é uma pintura essencial porque uma das primeiras onde se parece estabelecer um diálogo entre pintor e modelo, uma comunicação igualitária: ilusão sem dúvida, dada a posição social das duas mulheres e especialmente o facto de Benoist a desnudar e a fazer assim um objecto sexual, arquétipo do suposto erotismo desenfreado dessa raça (eu não sou um especialista na Sra. Benoist, mas parece-me que, se ela gostava dos decotes profundos, não descobre o mamilo rosa de nenhuma mulher branca na sua obra). Madeleine conjuga assim em si as duas características que são constantemente encontradas na representação das mulheres negras, a sexualidade e a domesticidade.

O que está em questão aqui é o olhar do pintor sobre o modelo, e a maneira como o modelo se dobra às normas desse olhar. Quer seja "Aspasie" de Delacroix, a "Vénus Africana" de Charles Cordier, "Maria" de Félix Nadar ou "Aïcha" de Kisling, o estereótipo racial da hipersexualidade negra é totalmente integrado sem vergonha pelo artista. Mais ainda, Josephine Baker, no limite da obscenidade, ou a artista de circo Miss Lala, apropriaram-se elas mesmas desse estereótipo e fizeram dele o seu "negócio" de alguma forma. E muitos são assim também os serviçais, de dócil obediência: em "Esther" de Chassériau, na "Toilette” de Bazille, no "Bain Turc" de Gérôme, ou a gentil ama do "Beijo infantil" de Feyen e a "Vendedora de peónias" de Bazille. Talvez o pináculo seja a empregada de "Olympia" (cujos comissários se orgulham de ter identificado o nome, Laure, e o endereço, 11 rue de Vintimille). Sem duvida Jeanne Duval, amante de Baudelaire e pintada por Manet, eleva-se acima do resto, no entanto, não é 'vista' por Manet, antes pela sua ligação com Baudelaire, e não pela sua personalidade e o seu próprio sucesso. E isso continua até 1940, com Ady Fidelin, "musa" de Man Ray, que o próprio se regozija de lhe fazer tudo, "engraxar os meus sapatos, trazer o meu pequeno almoço, pintar o fundo das minhas grandes telas, tudo com um ar de biguine ou de rumba"; quando Man Ray partiu precipitadamente para os EUA em 1940, Fidelin ficou em França e desapareceu da história da arte, contrariamente às outras três desta fotografia de Roland Penrose: Lee Miller, Leonora Carrington e Nusch Eluard.

Em “Deux femmes dénudées”, o corpo negro e o corpo branco juntos, dupla sexualização sáfica: a negra não é mais serviçal, mas parceira, ou pelo menos uma serviçal-amante: é um tabu que o muito obscuro Jules-Robert Auguste ultrapassa ali, quarenta anos antes de Courbet, cento e dez anos antes de Lee Miller e Adrienne Fidelin serem fotografadas por Man Ray?

O olhar sobre o homem negro é tão cheio de mitos, de estereótipos e alegorias. 

Primeiro, o negro é a cor do inferno: Ingres, então em Roma, pede ao jovem Chasseriau (que esconde o melhor que pode a sua condição de sangue misto e a sua cor de pele) para lhe pintar, conforme um esboço que lhe fornece sem lhe revelar no entanto o seu destino final (O Senhor afastando o demónio do alto da montanha), e no maior segredo, o corpo negro suspenso do modelo Joseph. Chassériau demora um longo tempo, Ingres abandona o seu projeto, mas esta figura do Mal voando em direção à sua queda permanece como uma das mais extraordinárias e das mais estereotipadas representações do corpo negro.

Se não é necessariamente o diabo, o negro é violento e sanguinário, e o muito reacionário Puvis de Chavannes não hesita em conjugar estupidez e ferocidade nesse jovem Negro nu (à antiga) com um gorro frígio, o sabre na mão: uma pintura transgressora indubitavelmente, pró-abolição talvez, mas também fruto de um olhar de dominador. Ou então, mais tarde, na mesma linha, o negro é desportista, pugilista no século XIX, corredor ou jogador de futebol no século XX. E finalmente, o Negro é um bom trabalhador, sólido, feliz e um pouco simplista; e lá, partimos em direção a Banania passando pelos soldados senegaleses e esse “Negro carregando uma caixa”.

Quem escapa a estes estereótipos racistas? Quem tem sobre o seu modelo negro um olhar não-racista e não dominador? Não muitas pessoas; Géricault, talvez, quando inclui três homens negros na “Jangada da Medusa”, e que, para fazer isso, realizou um estudo, com o mesmo modelo Joseph. Matisse, talvez, depois da sua viagem a Nova Iorque e quando desenha os seus modelos caribenhos em Cannes. Não se trata aqui de distribuir patentes de antirracismo retrospectivas, mas de constatar que o olhar branco geralmente não sabe se livrar do racismo circundante da sociedade que o envolve.

Provavelmente apenas Gauguin será bem sucedido, Gauguin o proscrito, Gauguin o revoltado, primeiro na Martinica, depois na Polinésia, quando pinta as suas amantes e grita contra a destruição da sua sociedade (mas serão negros na Polinésia? A definição do catálogo inclui bem alguns árabes, mas não polinésios ...). E se não são os pintores mestiços a conduzir este combate, demasiado felizes por se integrarem na sociedade branca, demasiado inquietos de se verem rejeitados do outro lado: Chassériau, além do Satanás mencionado, pinta uma empregada negra bem sábia perto de Esther, e Guillon-Lethière, ele também filho de um escravo libertado, se ousou mostrar uma certa igualdade entre homem branco e homem negro no "O Juramento dos Antepassados", fê-lo apenas uma vez e em segredo, antes de enviar clandestinamente a sua tela para a jovem república do Haiti.

Se a maioria dos ensaios do catálogo são fortemente eruditos, muitos têm dificuldade em afrontar esta problemática do olhar branco. Destaca-se claramente a excelência do posfácio de dois ex-curadores da exposição sobre os zoos humanos, Lilian Thuram e Pascal Blanchard (ambos frequentemente criticados pelas suas posições: Thuram e Blanchard), "Corpo negro, olhar branco". A análise que fazem do poder branco é assaz cruel para as outras apresentações. Como exemplo, essa pomposa tela de François-Auguste Biard celebrando a (segunda) abolição da escravatura em 1848 que analisam com razão assim: "Esta pintura glorifica a acção dos Brancos que libertam os Negros. Como se a ideia fosse deles, como se os Negros não contassem para nada. Como se as revoltas não tivessem existido". É esse o olhar branco.

 

 

 

 

Marc Lenot
É desde 2005 autor do blog Lunettes Rouges, publicado pelo jornal Le Monde. Em 2009 obteve o grau de Mestre com uma dissertação sobre o fotógrafo checo Miroslav Tichý, e em 2016 doutorou-se pela Universidade de Paris com uma tese sobre fotografia experimental contemporânea. Membro da AICA, venceu em 2014 o Prémio de Crítica de Arte AICA França, pela sua apresentação do trabalho da artista franco-equatoriana Estefanía Peñafiel Loaiza.

 

 

 

>>>

 

 

Le modèle noir. De Géricault à Matisse
26 Março - 21 Julho 2019

Musée d'Orsay, Paris