Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela


Fotografia: Mariana Caló e Francisco Queimadela

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

ENDLESS SPACE : PROPOSITIONS FOR THE CONTINUOUS


Galeria Vertical do Silo Auto, Porto
CONSTANÇA BABO

EMILY WARDILL

MATT BLACK AND RAT


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FELIX GONZALEZ-TORRES

FELIX GONZALEZ-TORRES


David Zwirner - 20th Street, Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

COLECTIVA

O Fotógrafo Acidental. Serialismo e Experimentação em Portugal, 1968-1980


Culturgest, Lisboa
MARC LENOT

COLECTIVA

THEM OR US!, Um Projecto de Ficção Científica, Social e Política


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

JOÃO MARIA GUSMÃO E PEDRO PAIVA

OS ANIMAIS QUE AO LONGE PARECEM MOSCAS


Oliva Núcleo de Arte, S. João da Madeira
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

EXPOSIÇÃO / COMPOSIÇÃO, VARIAÇÃO Nº2


Galeria Vertical do Silo Auto, Porto
CATARINA REAL

MIGUEL BRANCO / MICHAEL HUEY / WOLFGANG WIRTH

ABSOLUTE DURATION


Carpe Diem Arte e Pesquisa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

INEZ TEIXEIRA

TERRA INCÓGNITA


Fundação Portuguesa das Comunicações,
MARC LENOT

GORDON MATTA-CLARK

SPLITTING, CUTTING, WRITING, DRAWING, EATING… GORDON MATTA-CLARK


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:

share |

MARIANA CALÓ E FRANCISCO QUEIMADELA

A TRAMA E O CÍRCULO




MUSEU DA IMAGEM DE BRAGA
Campo das Hortas, 35-37
Braga

21 JAN - 25 FEV 2017


 

Numa torre medieval, que outrora delimitava a cidade de Braga, a dupla Mariana Caló e Francisco Queimadela apresenta “A Trama e o Círculo”, título da exposição e do filme homónimo, ocupando três pisos do edifício.

 

Tal qual num círculo, o espectador vê-se obrigado a percorrer toda a exposição duas vezes, em sentidos opostos, primeiro num movimento ascendente e posteriormente descendente, numa hipotética analogia entre os dispositivos arquitectónico e discursivo. Ao longo da exposição, Caló e Queimadela exploram sobretudo o dualismo entre material e imaterial, sensível e inteligível, mão e pensamento, luz e sombra.

 

A aproximação a essa ideia, que será central na obra dos artistas, acontece logo no piso térreo com a presença de um molde de um sino defronte à projecção desse mesmo molde, ainda a fumegar. O objecto e a projecção da sua representação, numa lógica quase entrópica que se adensa num segundo momento com o aparecimento de projecções de reproduções (serigrafias) de projecções (sombras), acentuando o carácter metamórfico das imagens.

 

Aí, Caló e Queimadela apresentam três projecções justapostas ontologicamente diferentes: uma imagem estática, uma sequência de imagens estáticas (slides) e, ao centro, um vídeo. Longe do ecrã uno, que surgirá, por exemplo, na última sala, e da lógica sequencial das imagens no tempo, os artistas propõem a coexistência destes planos. Nesta instalação, a fixidez do dedo em riste, que aponta à tela central, e a concentricidade do movimento que desenha o círculo desencadeiam um efeito quase-hipnótico. Apenas será interrompido pelo som concomitante da passagem dos diapositivos que formam a terceira projecção, -um teatro de sombras coreografado com mãos-, despontando uma tensão.

 

No terceiro piso, um pequeno altar compõe a sala que antecede a projecção do filme-ensaio “A Trama e o Círculo”: o mesmo caderno de apontamentos que dá voz ao filme, um conjunto de esculturas “inacabadas e um faqueiro disposto sobre um painel de luz branca. Neste último, o efeito contra-luz apenas deixa ver uma silhueta dos talheres corroídos, potenciando a forma das peças em detrimento da função.

 

Ainda que o filme-ensaio reúna em si as peças que integram a exposição, não há nele qualquer característica denotadora ou final. As mãos, o labor, os corpos, a fábrica. A repetição e corte abrupto suspendem o tempo e alertam para a presença do cinema enquanto construção. Havendo uma organização não-determinista das imagens, o espectador é convidado -senão mesmo obrigado- a criar as suas próprias referências produzindo formas alternativas de ver o mundo.

“A mão é o cérebro e o cérebro é a mão”, ouve-se. Através da prática artística, Caló e Queimadela pensam a própria matéria num acto reflexivo, como se se tratasse de uma relação inextricável entre acto e pensamento.



ALEXANDRA JOÃO