Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


post_world, 2020. Screenshot do vídeo-instalação digital de jpgs, pngs, emojis, símbolos, e texto; dimensões variáveis. Cortesia Catarina Braga.


post_world, 2020. Instalação digital de jpgs; dimensões variáveis. Cortesia Catarina Braga.


jpg s/ título, (Shenzhen, 2019). Cortesia Catarina Braga.


jpg s/ título, (Shenzhen, 2019). Cortesia Catarina Braga.


jpg s/ título, (Shenzhen, 2019). Cortesia Catarina Braga.


jpg s/ título, (Shenzhen, 2019). Cortesia Catarina Braga.

Outras exposições actuais:

CORPO, ABSTRACÇÃO E LINGUAGEM

OBRAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA EM DEPÓSITO NA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu Municipal de Espinho / FACE, Espinho
SORAIA FERNANDES

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

PEDRO VALDEZ CARDOSO

O FILHO DO CAÇADOR


Appleton [Box], Lisboa
FRANCISCA CORREIA

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 1


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

NATÁLIA AZEVEDO ANDRADE

THORNS AND FISHBONES


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

LOURDES CASTRO

A VIDA COMO ELA É


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


CATARINA BRAGA

POST-WORLD




PLATAFORMAS ONLINE



21 JUN - 21 JUN 2020


 

 

 

A exposição “post-world” de Catarina Braga (Guimarães, 1994) é uma instalação digital de .jpgs, .pngs, emojis, símbolos e texto, de dimensões variáveis e, além disso, articuláveis. Com os elementos que nos são dados pela artista podemos organizar ou compor um desenho da exposição, disponível para visualização e interacção aqui. Caso fossem ilimitadas as opções, ilimitadas seriam também as possibilidades de apresentação destas obras. Isso não acontece porque o espaço plano da internet replica, ou representa, um espaço expositivo que “existe”. Assim, este espaço expositivo chamado CONTER é apresentado como “a virtualização de um espaço expositivo”. A Dentro, um espaço expositivo fundado e gerido pelo artista e fotógrafo Carlos Campos, funciona dentro do seu atelier, dividido com as também artistas Maria João Ferreira e Beatriz Bizarro. Este espaço, lemos na apresentação breve do projecto, “trata-se de uma sala onde foi construído um white cube com o objectivo de criar uma ligação entre o espaço expositivo e o espaço de criação de Arte Contemporânea.”. Uma tentativa de promover o diálogo, mais íntimo e próximo, entre quem faz e quem vê, e porventura quem promove este encontro. Uma dinâmica a que o Porto - onde fica situado a Dentro (Rua do Almada, 254, 1º andar, sala 14) -, mais do que outros lugares, sempre nos habituou.

 

A partir de 1 de Abril, e como resposta à necessidade de adaptação dos contextos expositivos (no caso de a vontade de manter o formato clássico não aguentar a voracidade da exposição), o espaço Dentro auto-simulou-se no espaço virtual, dando origem a CONTER. Não será inocente dizer-se que CONTER pertence a Dentro, nem que a virtualidade do espaço de exposição nos fale no seu anúncio, o seu nome, de uma inclusão mas também de uma repressão. Um nome de acção dúbia, ou melhor, um nome esclarecido quanto ao que a virtualidade pode. Sobretudo em relação com o nome do projecto de origem, Dentro, que nos diz, na sua condição secundária de existência enquanto advérbio, que também condiciona, os verbos, mas que aloca, sobretudo. O espaço físico de Dentro foi replicado ou representado em CONTER, de forma a manter-se presente a memória do espaço físico original no imaginário das próprias propostas. O espaço tem vindo a ser utilizado livremente, considerado e desconsiderado consoante as sensibilidades dos artistas, face às características físicas que replica em imagem. Diz-nos a apresentação de CONTER que “Cada artista foi convidado a intervir sobre fotografias e vídeos do espaço expositivo da Dentro, nas quais este se encontrava vazio. Cada convidado teve a oportunidade de desenvolver a sua própria exposição a partir de uma simulação, de interpretação livre, que parte do espaço da Dentro mas que simultaneamente o reestrutura.”. Tem vindo a ser apresentada nas redes sociais Instagram e Facebook a partir de publicações e exposições regulares. Já contou, desde o seu início, com participações como as de Ana Pérez-Quiroga, Marta Arcanjo, Gaspar Cohen, entre outros.

 

Passíveis de serem lidas de maneiras multiplicadas, há coisas que me inquietam nesta proposta de um pós-mundo em Dentro. Uma delas é a relação já exposta entre o verbo conter e o advérbio dentro. Outra delas, a apresentação da ficha técnica virtual (instalação digital de .jpgs, .pngs, emojis, símbolos e texto, de dimensões variáveis) e o carácter de exposição “faça você mesmo”. Intrigaram-me. De facto, esta ficha técnica não será nem mais nem menos óbvia do que afirmar que uma pintura é uma pintura, nas folhas disponibilizadas para o efeito em exposições não-virtuais. Parece, no entanto, um movimento de lembrar códigos e gestos que não pertencem à liberdade aparente do espaço virtual, e mais a uma institucionalidade burocrática de definir, de dizer o que é, uma exigência absoluta de apresentação pela qual se pautam as instituições e a que é problemático quando se furtam. Esta ficha técnica, antes até de ver, experimentar e construir a exposição, é uma das expressões mais curiosas quanto a si própria, e posso dizer que anuncia o que Catarina nos diz quanto à sua prática. No seu site, que é também o espaço onde podemos elaborar a nossa formulação expositiva com as suas obras, podemos ler que o seu trabalho é caracterizado pela multiplicidade e cruzamento de variados meios, como a instalação, o vídeo, fotografia, texto, publicações ou cerâmica. Meios com os quais Catarina procura contribuir e alargar a discussão sobre os nossos sistemas de crença e relação que temos com o mundo. Elementos recorrentes na sua prática - ou gatilhos para o questionamento da ideia de verdade universal ou absoluta - são as plantas de plástico, fotografias de paisagem retiradas do Google Earth, entradas na Wikipédia ou imagens encontradas online. As instalações que constrói, diz-nos, tentam produzir o mesmo ambiente “open-source” vivido na internet. À luz desta afirmação, que aqui trago ao português de forma livre, podemos ver a inversão deste processo a acontecer: pequenos resquícios de burocracia são espalhados na liberdade virtual. Considerando as séries de crime, que me assolam a memória da quarentena, penso na possibilidade de uma transferência a ocorrer aqui. Diz-nos o texto de apresentação deste pós-mundo - lugar ou momento depois do mundo - que “Num mundo onde não teremos corpos físicos, a única forma de comunicação que iremos ter entre nós será através de algoritmos, imagens encontradas na internet, ficheiros de sound wave e vídeos exportados para mp4. Seremos fotografias flutuantes, PDFs guardados, palavras perdidas numa thread do subreddit; seremos todos linhas de código escritas num mar de 0s e 1s.
Não haverá qualquer necessidade de sairmos para o mundo exterior, podemos simplesmente ficar pela internet. “. Talvez os últimos tempos (na minha versão esperançosa) nos tenham esclarecido do contrário: já não podemos simplesmente ficar pela internet. Por todas as razões.

 

Outra das coisas que me inquieta - e a inquietação é sempre fruto de algo ainda não assimilado, e em teoria, bom e mau - é a utilização da imagem do espaço físico original, Dentro, apenas como plano de fundo. Quando uso plano, refiro-me não só ao carácter da imagem mas sobretudo à desconsideração da representação de espaço. Podemos montar a nossa versão de “post-world” com a presença do espaço documentado mas desconsiderando-o. Ele existe, mas nós não estamos lá, parece afirmar. E não estamos mesmo: fazemos scroll (ou seja, o espaço é que se mexe, e não nós nem o nosso olhar perante ele, como seria esperado em relação com um espaço-espaço) e vão-nos aparecendo elementos, nem todos móveis, da exposição. Curioso como todos os emojis são estáticos, as novas rotundas de circum-navegação. Podem-se sobrepor às fotografias (elementos móveis da exposição) grelhas deformadas e entre as fotografias são passíveis de acontecer também as sobreposições. Mas não como bem queremos. Há imagens determinadas para o plano principal, independentemente da nossa vontade.

 

Esta exposição, no domínio do que poderia ser toda-a-liberdade, tem regras e leituras particulares, e temos de nos disponibilizar para elas. O pedido-exigência de atenção é uma das outras coisas que me inquieta nesta proposta de Catarina, e novamente um resquício da transferência da não-virtualidade. Apesar de fazermos scroll e de lidarmos com um ecrã, estas imagens ainda exigem atenção para poderem ser vistas, fugindo às regras não-escritas do fluxo de imagens virtual. Será porventura essa a sua resistência artística, e isso inquieta-me também.



CATARINA REAL