Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia


Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia

Outras exposições actuais:

SAMSON KAMBALU

SAMSON KAMBALU: FRACTURE EMPIRE


Culturgest, Lisboa
MARC LENOT

MANUEL SANTOS MAIA

UM LUGAR SEM PAÍS NO MUNDO


Espaço MIRA, Porto
SUSANA CHIOCCA

MARK BRADFORD

ÁGORA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

CHEFS-D'OEUVRE. PHOTOGRAPHIQUES DU MOMA. LA COLLECTION THOMAS WALTHER


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

ELLIE GA

GYRES


ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa
MAURO DOS SANTOS GONÇALVES

PEDRO CALAPEZ & ALEXANDRE CONEFREY

UM ESTRANHO AQUI CHEGUEI


Galerias Municipais - Pavilhão Branco, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FRANCISCO VIDAL & RICARDO PINTO

UTOPIA MACHINE ART ENSEMBLE #0. Composição para Trompete e Guitarra Portuguesa


Eritage Art Projects, Lisboa
CAIO GABRIEL

JOAKIM ESKILDSEN

IMAGO LISBOA PHOTO FESTIVAL


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MIGUEL PINTO

ANNI ALBERS, JOSEF ALBERS

ANNI ET JOSEF ALBERS. L'ART ET LA VIE


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

SÉRGIO CARRONHA

COMPOSIÇÃO PARA UM ESPAÇO COM BASE NAS ESTRELAS E PLANETAS


Galeria Municipal de Almada, Almada
RITA ANUAR

ARQUIVO:


VEIT STRATMANN

LUMIAR CITÉ




LUMIAR CITÉ - MAUMAUS
Rua Tomás del Negro, 8A
1750-105 Lisboa

13 NOV - 30 JAN 2022


 

 

A única forma possível de escrever sobre a mais recente exposição de Veit Stratmann na Lumiar Cité seria não escrever nada: deixar linhas em branco até ao fundo desta página.

Na impossibilidade de o fazer - ou na vontade instintiva de ter algo para dizer – peço que imagines um espelho. Na imagem mental que construíste, o que é que vês? Uma reflexão nula, impossível? Ou a tua própria imagem refletida, aprisionada?

Se imaginaste a primeira hipótese estás perante uma impossibilidade: quer queiras ou não, perante o espelho é sempre a tua imagem que é refletida. Para o olharmos de frente temos que nos ver a nós próprios: é esta a armadilha da reflexão (visual ou mental).

A exposição de Veit Stratmann é essa armadilha. A galeria está vazia, à parte de 8 espelhos colocados em algumas das vidraças que nos permitiriam contemplar o exterior. A dialética espelho/vidro parece operar numa lógica de adição e subtração: a vidraça adiciona à galeria, permite perceber o diálogo possível entre a tijoleira, o elemento estrutural do espaço, em sinal de aparente construção, e os prédios compostos com um mesmo tijolo, ainda que polido, acabado, no exterior. O espelho, no entanto, interrompe-nos a visão: vemo-nos a olhar, somos subtraídos, colocados no espaço que ocupamos. Poderíamos inferir que ver a exposição do exterior da galeria seria igual: tendo em conta a sobreposição dos espelhos ao vidro, conseguiríamos percecionar o mesmo efeito. No entanto, olhar em redor, no espaço da galeria, é ver a nossa imagem cercada, num espaço fechado, abandonados – é sermos apanhados desprevenidos por um lugar que julgávamos outro.

 

Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia

 

Estaremos perante uma não-exposição? Uma tentativa de absoluta nulidade? Não, porque o espelho induz-nos numa reação específica, propositada. Ainda que de um extremo minimalismo, a exposição de Veit Stratmann faz-nos pensar sobre o papel do observador ao visitar uma exposição: a surpresa de se ver a si próprio é a manifestação de uma consciência desconfortável, inoportuna quando nos queremos perder na contemplação de um objeto estético.

Encerra um radicalismo retrativo, diminuto: talvez a necessidade intrínseca da arte num tempo onde a imagem é dominante. Ainda assim, a restrição formal não tem o propósito de nos conduzir a um essencial. O cenário que se constrói é teatral, barroco, ainda que plenamente uniforme. Não nos livramos do acessório, pelo contrário, transformamo-nos nele - estamos num palco que construíram para nós, e onde cada um reage como pode.

Completamos a exposição? Não estou certo disso – afinal, o seu truque é disfarçar-se de banal – mas, como em qualquer outro caso, damos-lhe sentido. O conceptualismo de Stratmann não é propriamente crítico, mas muito mais, talvez, respirável. Apesar de nos asfixiar, não nos livra da abertura ao exterior: afinal esse é um dos eixos que completa o sentido da mostra, pelo contraste que apresenta ao espelho – sempre nos podemos perder na contemplação se soubermos lidar com os obstáculos.

 

Veit Stratmann, LUMIAR CITÉ, 2021. Cortesia do artista e de Maumaus/Lumiar Cité. © DMF Fotografia

 

Será esta uma exposição necessária? É fácil ver na obra de Stratmann um sentido de oportunismo – afinal viemos aqui, sem saber, para nos olharmos, literalmente, ao espelho – e ainda que coberta de um humor cínico, tão orgulhosamente pós-moderno, num mundo em constante agitação, também está aqui algo de vital. É uma mostra de dualidades, ciente do espaço que ocupa, e do que também devemos ocupar.

Se calhar já escrevi demasiado, para um texto que não deveria ter existido. Nesse sentido, deixo aqui em baixo, ainda, algum espaço vazio.

 

 



MIGUEL PINTO