Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Tina Modotti, Reservatório nº1, 1927. Galerie Throckmorton, NY.


Tina Modotti, Cabos telegráficos, cerca 1924/25. Col. Fondation Televisa, Mexico.


Tina Modotti, Mãos de trabalhador, cerca 1926/27. Col. Fondation Televisa, Mexico.


Tina Modotti, Foice, milho e cartucheira, 1927. Col. Fondation Televisa, Mexico.


Tina Modotti, Camponesa zapoteca com cântaro ao ombro, 1926. Colecção e arquivos da Fundación Telvisiva, Mexico.


Tina Modotti, Hombres leyendo 'El Machete', cerca 1927. Colecção e arquivos da Fundación Telvisiva, Mexico.


Tina Modotti, Mulher com bandeira, 1927. The Museum of Modern Art, New York.


Tina Modotti, Retrato de Diego Rivera pintando um Mural, cerca 1924-1925. Colecção Ricardo B. Salinas Pliego.


Tina Modotti, Rosas, 1924. Colecção e arquivos da Fundación Televisiva, Mexico.


Tina Modotti, Cacto Nopal, 1925. Cortesia Galeria Throckmorton Fine Art, New York.

Outras exposições actuais:

DAYANA LUCAS

DIA-A-DIA


Galeria Lehmann + Silva, Porto
SANDRA SILVA

CHRISTIAN ROSA

TO PAINT IS TO LOVE AGAIN


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MAFALDA SANTOS

COMO FAREMOS PARA DESAPARECER


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA – 50 ANOS: A DEMOCRATIZAÇÃO VIVIDA


Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto
CONSTANÇA BABO

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ARQUIVO:


TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION




JEU DE PAUME (CONCORDE)
1, place de la Concorde
75008 Paris

13 FEV - 12 MAI 2024

Tina Modotti, em modo reduzido

 


Sinto-me feliz de ver que o Jeu de Paume (até 12 de maio) retorna a um dos elementos que fizeram a sua especificidade na precedente direcção, a apresentação de mulheres fotógrafas um pouco esquecidas pela história da arte. Tina Modotti (1896-1942) teve uma vida assaz extraordinária: operária em Itália, actriz na Califórnia, fotógrafa no México, agente do Komintern desde Moscovo, activista na Espanha republicana. De uma grande beleza, ela colecionou amantes, onde o mais célebre foi Weston que a fez passar para o outro lado da câmara, de modelo a fotógrafa (como Suzanne Valadon, e outras), e que ela deixou quando ele lhe ensinou tudo; mesmo se os retratos de vários entre eles (o seu marido Robo Richey, Diego Rivera, Pepe Quintanilla, Julio Mella, Xavier Guerrero, Vittorio Vidali, salvo erro) figurem na exposição, esta, modestamente, não se estende muito sobre os amores de Tina Modotti, e apaga a dimensão amorosa, até mesmo erótica, do seu trabalho. Numa charada de autodescrição, ela apresentou-se assim: “Tina Modotti. Profissão: os homens.»

 

 

Abel Plenn, Tina Modotti, cerca 1927. The Museum of Modern Art, New York.

 

O objectivo desta exposição (anteriormente em Madrid, com uma mistura de vintages e de tiragens recentes) é apresentar principalmente a dimensão social e revolucionária do trabalho de Tina Modotti. As suas obras formais, notáveis em todos os sentidos (e, certamente, bastante influenciadas por Weston) são relegadas para o fundo de uma sala. As suas linhas de fios eléctricos, as suas flores, as suas escadas, os seus estudos de copos ou da máquina de escrever dão testemunho, a meu ver, de uma qualidade de composição muito mais elaborada que os seus retratos; qualidade que encontramos por vezes nas suas imagens mais tardias, como a vista aérea sobre os chapéus de manifestantes. Um dos mais bem sucedidos, para mim, é, acima, este reservatório nº1, dispositivo dominado por este homem minúsculo.

No seu trabalho social durante os primeiros anos no México, ela mostra não só uma empatia com os seus temas, mas um talento formal, por exemplo nas suas fotografias de mãos, claramente um dos seus temas de predilecção: ver também a sua fotografia das mãos de uma lavadeira.

Mas depois da saída de Weston e a partir da entrada de Modotti no Partido Comunista Mexicano (como quem entra para as ordens, dirá um dos seus biógrafos), a sua obra muda, tanto pelos assuntos tratados como pelo estilo, mais documental, menos criativo: “as fotografias honestas”, diz ela mesma. Ela parece perder (inclusive na maneira de se vestir: saia preta, blusa branca, carrapito rígido) tudo o que fazia a sua fantasia e o seu charme. Mas admiramos sempre as suas fotografias de indígenas, e em particular as suas mulheres de Tehuantepec, comunidade matriarcal de mulheres livres, muito livres: alguns retratos são demasiado posados, formais, rígidos, mas esta fotografia, “Mulheres de Tehuantepec no rio”, um pouco confusa, mostrando estas mulheres e as suas crianças à beira da água, exala "uma alegria, uma liberdade uma liberdade" que a fotógrafa parece invejar. Nunca um homem nessas imagens.

 

Tina Modotti, Mulheres de Tehuantepec no rio, 1929, coll. INBAL, Mexico.

 

O mesmo não se pode dizer das suas composições militantes, como a mulher da bandeira ou esta justaposição da foice (sem martelo), da cartucheira (alegoria revolucionária) e da espiga de milho (supostamente representando o México), de uma banalidade gritante. Modotti só fotografou durante cerca de sete anos (cerca de 400 imagens preservadas), de 1923 quando se instalou no México com Weston, em plena "Renascença Mexicana", a 1930, quando, durante a sua breve estadia em Berlim, ela não conseguiu impor-se como fotógrafa (nem de arte nem de reportagem) numa cena muito mais viva e moderna que a do México. E, nestes sete anos, são os primeiros anos, mais formais, que testemunham o seu génio, mais que as numerosas imagens mais “sociais” que, numa accrochage linear monótona, são apresentadas em quatro das seis salas desta exposição. 

 

 

Edward Weston, Nu (Tina no terraço), 1923. Center for Creative Photography, University of Arizona.

 

Superou ela o seu mestre Edward Weston? A sua fotografia de rosas bateu em 1996 o recorde da então fotografia mais cara do mundo em leilão, com US$165 mil (desde…). Mas, para além do mercado, ela certamente soube trazer um toque mais humano, mais empático, mais corporificado, às fotografias sempre um pouco distantes de Weston (exceto quando ele a fotografou). E é excelente de redescobrir uma artista que foi ocultada durante muito tempo, porque mulher, porque do “Sul global”, porque comunista.

 

 

 

Marc Lenot
É desde 2005 autor do blog Lunettes Rouges, que foi publicado durante 19 anos pelo jornal Le Monde. Em 2009 obteve o grau de Mestre com uma dissertação sobre o fotógrafo checo Miroslav Tichý, e em 2016 doutorou-se pela Universidade de Paris com uma tese sobre fotografia experimental contemporânea. Membro da AICA, venceu em 2014 o Prémio de Crítica de Arte AICA França, pela sua apresentação do trabalho da artista franco-equatoriana Estefanía Peñafiel Loaiza.



MARC LENOT