Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição © Galeria Pedro Oliveira


Espina, 2022 © Galeria Pedro Oliveira


Cenit, 2022 © Galeria Pedro Oliveira


4 x 4 / Topgrafia, 2022 © Galeria Pedro Oliveira


Vista da exposição © Galeria Pedro Oliveira


Planisfério, 2024 © Galeria Pedro Oliveira


Notas de Campo / Pintura, 2019-2024 © Galeria Pedro Oliveira


Vista da exposição © Galeria Pedro Oliveira


Estela azul, 2022 © Galeria Pedro Oliveira


Terreno baldio, 2022 © Galeria Pedro Oliveira


Vista da exposição © Galeria Pedro Oliveira


Esfera celeste, 2023 © Galeria Pedro Oliveira

Outras exposições actuais:

DAYANA LUCAS

DIA-A-DIA


Galeria Lehmann + Silva, Porto
SANDRA SILVA

CHRISTIAN ROSA

TO PAINT IS TO LOVE AGAIN


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MAFALDA SANTOS

COMO FAREMOS PARA DESAPARECER


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA – 50 ANOS: A DEMOCRATIZAÇÃO VIVIDA


Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto
CONSTANÇA BABO

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

ARQUIVO:


PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS




GALERIA PEDRO OLIVEIRA
Calçada de Monchique, 3
4050-393 Porto

04 MAI - 06 JUL 2024




Se começarmos pelo título – Constelações e Derivas –, ele localiza-nos simultaneamente na esfera celeste como na terrestre, porém sem impor uma cúpula ou terreno. Um estado de flutuação parece insinuar-se, mesmo sem recusar a existência de uma força gravitacional. O que faz esta mediação entre o céu e a terra?

Círculo Polar (2024) introduz-se logo que entramos na galeria. Somos atraídos pela sequência das cantoneiras que irradiam a partir de um centro, qual leque, qual feixe de raios de sol, qual roda-viva de um vestido plissado. Em frente, suspende-se uma possível versão formal de The Dove (1915), de Hilma af Klint: Tangente (2022) aparece na simplicidade de uma linha sem princípio ou fim, rotativa, suspensa num perfeito nó em equilíbrio. Orbitar II (2024), série de desenhos-pinturas em papel, recorre-se igualmente às formas circulares e elípticas em composições variadas, sobre fundos mais ou menos atmosféricos e luminosos. Nesta primeira sala, onde se encontram estas três obras, é claro que tudo levita, sem intenções de tocar o solo.

Na segunda sala, acontece o oposto. As obras nascem do pavimento ou nele assentam. A sequência e a estrutura modular são dados assumidos, e a sua desmultiplicação foca a nossa atenção nas juntas, nas uniões, nas aproximações e afastamentos, nas tensões que estabelecem. Espina (2002), Cenit (2022), 4x4 / Topografia (2022) e Contra-formas (2022-2024) constituem um grupo que se distingue pelas suas diferenças formais e materiais, sinónimo do caráter experimental que define a prática artística de Pilar Mackenna.

Notas de Campo I (2019-2024) dá-nos pistas sobre a concepção das obras. Aqui, retomo a pergunta anteriormente colocada: o que faz esta mediação entre o céu e a terra? Pilar faz-nos crer que é no passo. O caminhar constitui uma das primeiras etapas do seu processo criativo, a denominada “deriva territorial”. O andar permite explorar o terreno na sua amplitude espacial, visual, e até espiritual, e instiga o encontro com uma série de circunstâncias e objetos que acaba por (re)colher para o seu estúdio. Vai reunindo, assim, um variado conjunto de materiais que irão ser matéria de pensamento e labor. Esses objetos - plásticos, cordas, tubos, madeiras, esferovites, elásticos, pedras, cerâmicas - são agrupados, categorizados, fotografados, desenhados, manipulados no mínimo gesto. Através de processos intuitivos e associativos, a colecção vai-se compondo por uma afinidade pictórica depurada que tende para a semelhança com “planos, pontos, linhas e formas geométricas” [1]. Um vocabulário universal que permite a Pilar formalizar hipóteses de “organização e ordem do universo infinito de informação a que estamos expostos na vida contemporânea” [2].

 

Círculo Polar, 2024 © Galeria Pedro Oliveira

 

Pilar inclui-se no grupo de artistas cujo ímpeto para o seu trabalho advém do ambiente que a rodeia: transforma as suas percepções individuais do mundo que encontra e deseja, numa matriz diagramática, transferindo o que está em redor - e em nós - para algo passível de re-atenção, nessa tarefa (sobre)humana de “desvelar a complexidade que nos sobrevoa e subsiste” [3]. No conjunto expositivo, notamos que a variedade formal e material das peças condiz com esse caráter rizomático e variadíssimo que define o mundo, na ânsia (serena) de perceber a “totalidade de um sistema, corpo, coisa, fenómeno, através da decomposição e estrutura das partes” [4].

 

Orbitar II, 2024 © Galeria Pedro Oliveira

 

Delicados, os desenhos operam como veículos de canalização do pensamento e “(...) às vezes, são automáticos (...), às vezes são (desenhos) mais analíticos (...) muitas vezes são ambas as coisas” [5]. Em Notas de Campo I e Notas de Campo / Pintura, os desenhos pairam límpidos e as pinturas assertivas. Reconhecemos alguns motivos - telhas, correntes, padrões - outros são deixados à imaginação: “os referentes quase desaparecem” ao tornarem-se abstratos por via da mão [6]. A absorção de todos estes elementos (aparentemente) aleatórios recusa a linearidade, salientando essa primeira impressão de quando entrámos na galeria - tudo orbita à volta de algo (do nosso corpo?).

Segundo Susana Ventura, curadora da exposição, “a tentativa de doar uma ordem ao caos só é possível se a obra acolher um resquício - que seja - do próprio caos.” Na transição entre o desenho e a instalação escultórica, a apropriação de materiais “banais” é visível nas Contra-formas (2022-2024), Estela azul (2022) ou Terreno baldio (2022), que agrupam materiais desirmanados numa unidade poética. As matérias são sujeitas a uma lista de verbos alla Richard Serra - empilhar, tecer, dobrar -, “ações para se relacionar com o eu, o material, o lugar e o processo” [7]. Isto conduz inevitavelmente a um imprevisível encadeamento de ideias, definidor da obra de arte.

 

Contraformas, 2022-2024 © Galeria Pedro Oliveira

 

Nesta que é a sua primeira exposição individual na Galeria Pedro Oliveira, Pilar expõe obras que desenvolveu maioritariamente durante o seu mestrado em Belas Artes – Especialização em Escultura (FBAUP, 2022) [8]. Na respetiva dissertação, Pilar elucida o leitor sobre as suas referências, os processos, as etapas e a não linearidade que todas elas pressupõem, sendo óbvio que esta mostra oculta um extenso trabalho de atelier. Talvez o facto de Pilar ter deixado essa porta fechada ao espectador da exposição, corrobora a amplitude do seu trabalho como uma grande teia de probabilidades, relações e associações que lhe é, acima de tudo, íntima e emocionalmente marcante. A pré-obra a Pilar pertence. Se tal, por vezes, nos pode fazer sentir desgarrados (a levitar, portanto), por outro, o encontro com x objeto faz eco a algo que também conhecemos, e, por isso, enraizado.

Por mais palavras que escreva neste texto, parece que desemboco sempre na mesma sensação, sensação essa que Esfera Celeste (2023) esclarece: o vocabulário da artista paira sobre fundos em inícios de tempestade, promissores de fenómenos naturais sublimes. A conjugação de pinceladas soltas com a rigidez de pequenos diagramas e geometrias, busca uma qualquer ordem natural que, a nós humanos, falha sempre. Acredito que para um artista é sempre insuficiente a explicação. A mera “aproximação a” pode ser insustentável: quer-se a obra inteira (mesmo que o seja no seu fragmento). Foi o que senti nesta exposição – a condição humana da busca e descoberta perpétuas sobre a realidade. Como há poucos dias li no fresquíssimo livro de Martim Sousa Tavares ao citar Sophia, “um poema foi sempre um círculo traçado à roda duma coisa, um círculo onde o pássaro do real fica preso” [9]. Expressão que assenta tão bem nas obras de Mackenna: círculos desenhados à volta das coisas; círculos cujo centro é Pilar, não fosse Pilar o centro do seu mundo.

 


Cláudia Handem
Licenciada e mestre em Arquitetura pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e licenciada em Artes Plásticas - Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolve prática artística no campo do desenho e da pintura, e escreve, de forma independente, sobre exposições de arte.

 

:::

Notas

[1] Pilar Mackenna, Constelaciones y Derivas: Diagramas para la construcción de un pensamiento visual-objetual, Dissertação de Mestrado, FBAUP, 2022.
[2] Ibid.
[3] Susana Ventura, “Constelações e Derivas”, Folha de sala.
[4] Pilar Mackenna, Constelaciones y Derivas: Diagramas para la construcción de un pensamiento visual-objetual, Dissertação de Mestrado, FBAUP, 2022.
[5] Ibid.
[6] Ibid.
[7] Richard Serra, Verb List (1967).
[8] Pilar Mackenna, Constelaciones y Derivas: Diagramas para la construcción de un pensamiento visual-objetual, Dissertação de Mestrado, FBAUP, 2022.
[9] Sophia de Mello Breyner Andresen citada em Martim Sousa Tavares, Falar Piano e Tocar Francês: Arte, cultura e humanismo na era dos memes, Livros Zigurate, 2024, p. 42.

 

 

 



CLÁUDIA HANDEM