Links


ARTES PERFORMATIVAS


SOBRE O PROTEGER E O SUPLICAR € €OS PROTEGIDOS€ DE ELFRIEDE JELINEK

ANABELA MENDES, MARIA CARNEIRO E PEDRO ALVES

2023-11-13



 

O teatromosca leva a cena o texto “Os Protegidos”, de Elfriede Jelinek, traduzido por Anabela Mendes e encenado por Pedro Alves. Esta é mesmo a primeira tradução para português desta obra literária desta autora nascida em 1946 em Mürzzuschlag, na Aústria, vencedora do Prémio Nobel da Literatura em 2004. O seu romance “A Pianista” foi adaptado para o cinema, pelo realizador austríaco Michael Haneke, tendo como protagonista a atriz Isabelle Huppert. Este e outros textos poderão ser encontradas no website de Jelinek, um repositório impressionante da sua obra, sempre em expansão.

Este novo espetáculo do teatromosca demarca-se das suas últimas criações que gravitaram em torno da fusão entre as linguagens cinematográficas e as teatrais. Aqui, a companhia regressa à centralidade do texto literário como motor na criação para palco. O trabalho de Anabela Mendes, que aqui também assume a função de dramaturgista, tem sido crucial ao longo do processo. Germanista e professora aposentada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, traduziu vários textos de Elfriede Jelinek, como é o caso “A Morte e a Donzela I / V – Dramas de Princesas”, obra que foi encenada em Portugal por Alexandre Pieroni Calado.

Procura-se aqui reconstituir fragmentos de conversas entre Anabela Mendes e Pedro Alves ao longo dos ensaios, que têm decorrido desde junho de 2023.

 

© Catarina Lobo

 

 

Sobre o proteger e o suplicar

 

Anabela Mendes conta-nos que este texto foi escrito entre 2012 e 2015 em reação a uma notícia que a autora austríaca escutou na rádio. Tinham chegado à cidade de Viena, a 24 de novembro de 2012, cerca de 100 refugiados, requerentes de asilo, de várias nacionalidades – sírios, afegãos, paquistaneses, marroquinos, iemenitas etc. -, vindos da igreja de Trais, no distrito de Baden. Depois de 35 km de caminho, parte desse grupo instala-se no parque Sigmund Freud. A 28 de dezembro, o acampamento temporário no parque é desmantelado por polícias armados. A congregação da Igreja Votiva recebe no interior do seu edifício cerca de 40 pessoas. A 3 de Março de 2013, 25 dos requerentes de asilo são transferidos da Igreja Votiva para o mosteiro dos Servitas. Este caso desperta um grande debate na sociedade, ganhando contornos de caso político.

Em reação a esta notícia, Jelinek senta-se ao computador e começa a escrever, freneticamente. A peça “Os Protegidos” foi publicada no site da autora, numa primeira versão, em 14 de junho de 2013, sendo, posteriormente, expandida com a adição de quatro apêndices – traduzidos, igualmente, por Anabela Mendes, mas que não integrarão o texto final desta nova produção do teatromosca. Anabela Mendes sintetiza assim a questão fundamental da obra: “Elfriede Jelinek mostra ao espetador o que se verifica entre refugiados e os outros que são privilegiados.” O encenador Pedro Alves completa: “O fosso é brutal. Uns não têm nada, nem dignidade humana, são tratados como lixo, porcaria. Outros têm tudo. Sejam eles empresas, empresários, grandes corporações, políticos, homens de negócios, estrelas, tanto faz, como tantas vezes é dito no texto.”

Anabela Mendes nota a expansão do assunto de “Os Protegidos” em direção a outros tempos e temas da História, permitindo lançar um olhar, crítico e arrasador, mesmo, sobre processos corruptores de que se servem aqueles que detém o Poder, fazendo uso da sua influência junto de outros, e a fim de alcançarem benefícios que, de outro modo, não teriam. Através da sua escrita avassaladora, Jelinek aplica golpes certeiros e perturbadores. Fala-nos daqueles que têm a sorte – fruto de jogos sujos e nada transparentes – de ter casas nos mais abastados locais, que obtém nacionalidades de forma instantânea, que atravessam fronteiras sem qualquer oposição, por oposição àqueles que são barrados, enxotados, expulsos, apagados da face do planeta. Aí assume especial destaque a figura do antigo presidente russo Boris Yeltsin e das suas duas filhas e o facto de uma delas ter sido “naturalizada num ápice” como cidadã austríaca, no mesmo momento em que um grupo de muitos grupos de refugiados morriam afogados no Mar Mediterrâneo ou eram expulsos da Áustria – ou de muitos outros países onde tinham procurado proteção.

 

© Catarina Lobo

 

O texto e o espetáculo colocam o acento tónico no modo como temos edificado sociedades cada vez mais desumanizadas, onde às pessoas é atribuído valor segundo lógicas capitalistas e mercantilistas, onde os seres humanos não passam de mercadoria negociável, quantificável e, no seu exemplo mais extremo, descartável. E, aí, a autora lança um olhar duríssimo sobre as políticas de emigração europeias e o modo como são acolhidos (ou, melhor/pior, não são acolhidos!) os que procuram refúgio, aqueles que se encontram em situação de indescritível fragilidade. Não foi em tempos a Europa um exemplo no acolhimento de pessoas em fuga, como (d)escreve Ésquilo no antigo clássico “As Suplicantes”? De notar a inversão de sentido no título adotado por Jelinek em relação à peça deste autor grego, que, em inúmeras ocasiões, é citada, direta ou indiretamente em “Os Protegidos”.

“Este é um texto invulgar”, afirma a tradutora. Trata-se, efetivamente, de um texto, invulgarmente, extenso, tendo em conta o que podemos entender como um padrão no Teatro contemporâneo, onde se convoca uma polifonia de vozes. Obra literária de grande fôlego, pontuada de referências que vão oscilando entre a cultura popular (pop) e outras citações (arriscaríamos dizer) eruditas, referentes às culturas clássicas, ou com longas tiradas filosóficas, extremamente, imbricadas. No entanto, na maior parte do tempo, a linguagem utilizada e a forma como se vai organizando o discurso (circular e repetitiva, com ideias que se vão repetindo uma e outra vez), pode-se assumir que este não é um texto de difícil entendimento. Infelizmente, as situações são-nos familiares há milénios, conhecemos bem o que vai sendo exposto, aquilo de que nos fala a autora austríaca, inevitavelmente, assistimos através dos órgãos de comunicação social a casos semelhantes (ou ainda mais horrendos). Contudo Jelinek urde a tessitura textual de um modo sofisticado e complexo, arremessando na direção do leitor/espetador, um conjunto impressionante de nomes, lugares, ações e situações, num discurso que poderíamos descrever como cáustico e martirizante. Anabela Mendes acrescenta ainda: “Jelinek joga com contrastes conducentes ao humor, contrariamente aos austríacos que não têm humor. Mas o texto não tem sempre o mesmo registo.”


© Catarina Lobo

 

“A obra segue uma estrutura musical”, afirma Anabela Mendes. Constrói-se uma partitura cénica, convocando inúmeras vozes e adotando distintas perspetivas, num ritmo, quase sempre, vertiginoso, numa orquestração textual que é um resultado evidente da longa e exigente formação musical da autora. Esse caráter musical do texto escrito em alemão representou um enorme desafio para a tradutora.

Claro exemplo do que poderia encaixar no que alguns designam por Teatro Pós-Dramático, seguindo as definições avançadas, inicialmente, pelo teórico alemão Hans Thies-Lehmann, o texto de Jelinek não comporta figuras dramáticas ou personagens, suportando-se na polifonia e na coralidade, escapando-se aos diálogos ou aos monólogos, privilegiando, em seu lugar, a dispersão, a explosão, a sobreposição e a justaposição. De igual modo, o texto não apresenta qualquer tipo de indicação cénica e nem procura situar a ação ou representar qualquer espaço concreto.

 

© Catarina Lobo

 

O critério de divisão do texto pelos 4 atores que compõem o elenco, passou pela intuição do encenador depois de ter ouvido, muitas vezes, a leitura feita pelos atores, enquanto ia percebendo o potencial que essa mesma divisão permitia no estabelecimento de comunicação entre os atores e aqueles que os escutam.

Diz-se então aqui que existem vozes, não personagens, tanto no texto, como no espetáculo, à medida que o discurso vai sendo articulado para fora, na direção dos espetadores, que adquirem estatuto de atores, de interventores, políticos ou deuses, como tantas vezes são apelidados na peça. O encenador e codiretor artístico do teatromosca afirma: “Este é um texto performático, para ser lido em voz alta. O tempo do texto é o agora. Tem uma certa visceralidade, um lado selvagem e incontrolado.”

A forma de Jelinek tratar tudo aquilo que é convocado no texto é irreverente e perturbadora. Apesar de viver uma vida de quase reclusão - a autora sofre de agorafobia, passando por isso muito tempo em casa -, não desiste de escrever e cumprir a sua militância e ativismo, trabalhando, incessantemente, e publicando no seu website incontáveis textos de teatro, romances e ensaios. Escrevendo despudoradamente e livre de floreados, podíamos dizer que, ao contrário do que vai prevalecendo nos dias de hoje, governados por publicações online de curta duração e limadas para obter gostos e partilhas entre “amigos”, a autora austríaca escreve sem filtros. Ao mesmo tempo que aposta num rigoroso depuramento da linguagem e na sofisticação da escrita, a autora vai deixando que o texto seja infe(s)tado por palavras e expressões mais ou menos coloquiais e retiradas de discursos não artísticos, revelando-nos, por exemplo, uma imagem demolidora da Áustria como um país atormentado por inúmeros fantasmas do seu passado. Na opinião do encenador, “os austríacos têm guardadas nas suas caves muitos assuntos mal resolvidos”, relembrando os vários casos tornados públicos nos últimos anos de austríacos que mantinham em cativeiro outras pessoas nas suas caves.

“As figuras nomeadas neste texto representam um estado vivencial comum ao ser humano”, lembra-nos Anabela Mendes. A deslocação (forçada) de seres humanos é um fenómeno constante e global. A situação e visão europeia (e ocidental) esconde, ignora e apaga mesmo outras realidades de pessoas em fuga a partir das mais distintas geografias. Como afirma a tradutora, “na verdade, nós somos poupados à brutalidade destas experiências, apesar de tudo. E quando as notícias nos chegam, já são matérias editadas, não sabemos, realmente, o que são as experiências destas pessoas”, o que poderá levar a uma reflexão mais aturadas sobre o modo como os órgãos de comunicação social abordam o que designamos como “as crises dos refugiados”.

“A autora está focada naqueles que não têm voz ou que têm as suas vozes abafadas, seres destituídos de coisas fundamentais, como o nome e não ter nome é não existir”, diz Pedro Alves. “Estes seres podem ser vistos como morto-vivos, como zombies, tal como, em mais do que uma ocasião, é referido no texto de Jelinek”. No final, ouve-se: “Vivemos, mas não estamos de todo aqui”. Depois das terríveis viagens, por mar e terra, e após os tortuosos processos de regularização da sua situação, estas vozes não chegaram a lado nenhum. Estão em trânsito constante. Mesmo depois da situação regularizada num país de acolhimento, muitos são aqueles que continuam com o sentimento de serem refugiados, como se esta condição ficasse tatuada para sempre no seu corpo, como se tivessem sido contagiados por uma peste que com eles restará e que poderá infetar qualquer um que, involuntariamente, deles se afastará, como se se afastassem de um ser pestilento.

 

© Catarina Lobo

 

 

O que acontece ao espetador quando cai dentro deste texto e do espetáculo?

 

A estrutura do texto, circular e repetitiva, pretende, propositadamente, provocar cansaço no leitor/espetador, ao mesmo tempo que procura retratar as histórias de pessoas cansadas por anos e anos, por incontáveis situações em que foram maltratadas. Estão desgastadas, permanentemente ameaçadas e são dominadas por uma certa urgência em falar, contar aquilo que passaram, a tragédia que os atingiu. Pedro Alves elucida que, “no início, o público não tem possibilidade de se relacionar hermenêuticamente com o texto. O espetador é bombardeado com este texto e não consegue ficar instalado a apreciar o momento. A escrita de Jelinek mergulha o espetador numa tal torrente de palavras que o deixa sem fôlego. A primeira intenção da autora é irritar, provocar o espetador, desestabilizá-lo, combater a apatia”. O encenador continua por afirmar que “o próprio volume do texto é, de certa forma, reflexo do desejo selvático de Jelinek em querer escrever muito, quase como desabafar, tagarelar, para massacrar o espetador, quase como se fosse possível transmitir todo o caos, todo o horror em que estas pessoas estão mergulhadas através do ruído, de uma torrente incontrolada e avassaladora de palavras, e ao mesmo tempo como um palimpsesto, escrevendo-se e rescrevendo-se.”

A presença dos quatro atores – Filipe Araújo, Rafael Barreto, João Pedro Leal e Rita Morais -, o dizer do texto, o movimento, a música e a paisagem sonora original construída e interpretada ao vivo pela violinista Maria da Rocha, concorrem para a construção de um lugar de urgência.

A cenografia do espetáculo, da autoria de Pedro Silva, coloca em palco um espaço delimitado por um chão pintado à mão, que, ora faz lembrar o mármore de uma igreja, ora nos remete para o imenso mar que, tanto poderá significar a via de acesso a um destino feliz ou mais um cemitério de gente. Deste chão, sagrado e mundano, irrompe uma estrutura vertical repleta de vegetação natural, de onde sobressaem verdes exuberantes e que dá origem a um gotejar permanente durante toda a performance, e que é iluminado pelo desenho de luz concebido por Carlos Arroja. Os figurinos são assinados por Catarina Graça e partem do mesmo modelo-base de vestido para todos os intérpretes, com cortes e rasgões diferenciados, que acabarão por sofrer uma alteração cromática ao longo de cada performance.

 

 

 

 

A antestreia de “Os Protegidos” aconteceu no dia 11 de novembro no Auditório Gustavo Freire, em Lugo, na Galiza. O espetáculo será apresentado no AMAS – Auditório Municipal António Silva, de 23 de novembro a 2 de dezembro, de quinta a sábado, às 21h00. No dia 25 de novembro, o espetáculo será, igualmente, transmitido em direto através da plataforma BOL. Mais informações em www.teatromosca.com.

 


:::

 


Anabela Mendes (1951) é germanista e professora aposentada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. A partir de 2018 tornou-se investigadora independente. Desenvolve a sua atividade científica e ensaística nas áreas dos Estudos de Expressão Alemã, Estética e Filosofia da Arte, Ciência e Arte, Teoria e Dramaturgia Radiofónica, Artes Performativas, Viagens de Longo Curso. Trabalhou como tradutora e dramaturgista com Luís Miguel Cintra, Ricardo Pais, João Brites, Rogério de Carvalho, Sandra Hung, entre outros. Como tradutora, dramaturgista e encenadora destaca os projetos O Contrabaixo de Patrick Süsskind, ACARTE, 1989; No Alvo de Thomas Bernhard, leitura encenada com os atores Eunice Muñoz, João Perry e Lúcia Maria, TNDMII, 1990; Noite e o Som Amarelo de Wassily Kandinsky, CCB, Pequeno Auditório, 2003. Tem uma extensa obra publicada.

Maria Carneiro (1988) licenciada em Estudos Artísticos variante Artes do Espetáculo pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, estagiou no The Centre for Performance Research. Concluiu o Mestrado em Teatro – Encenação, Produção na Escola Superior Artística do Porto. Foi assistente de encenação de Kirsten Delholm na companhia Hotel Pro Forma. Entre 2016 e 2022 foi coordenadora de produção do Teatro da Trindade INATEL, e assessora da direção, a partir de 2019. Em 2019 completou o Master of Management in International Arts Management. Desde 2014 colabora com o teatromosca em diferentes funções.

Pedro Alves (1979) cofundador e codiretor artístico do teatromosca, onde tem desempenhado funções de ator, encenador e produtor. Licenciado em Estudos Artísticos, na variante de Artes do Espetáculo, e Mestre em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Colaborou companhias de dança na função de dramaturgista e na direção artística. No teatromosca, dirigiu, mais recentemente, os espetáculos “Moby-Dick”, “O Som e a Fúria”, “Fahrenheit 451”, “Kif-Kif” e o projeto “MODOS DE VER”, “Ned Kelly”, vencedor do Prémio Autores para Melhor Trabalho Cenográfico da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores, e nomeado como Melhor Texto Português Representado. Em 2021 escreveu e encenou o espetáculo “Maridos” a partir do filme “Husbands” de John Cassavetes. 

 




Outros artigos:

2024-05-17


ΛƬSUMOЯI, DE CATARINA MIRANDA
 

2024-03-24


PARADIGMAS DA CONTÍNUA METAMORFOSE NA CONSTRUÇÃO DO TEMPO EM MOVIMENTO // A CONQUISTA DE UMA PAISAGEM AUTORAL HÍBRIDA EM CONTÍNUA CAMINHADA
 

2024-02-26


A RESISTÊNCIA TEMPORAL, A PRODUÇÃO CORPORAL E AS DINÂMICAS DE LUTA NA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2023-12-15


CAFE ZERO BY SOREN AAGAARD, PERFORMA - BIENAL DE ARTES PERFORMATIVAS
 

2023-11-13


SOBRE O PROTEGER E O SUPLICAR – “OS PROTEGIDOS” DE ELFRIEDE JELINEK
 

2023-10-31


O REGRESSO DE CLÁUDIA DIAS. UM CICLO DE CRIAÇÃO DE 10 ANOS A EMERGIR DA COLEÇÃO DE LIVROS DO SEU PAI
 

2023-09-12


FESTIVAL MATERIAIS DIVERSOS - ENTREVISTA A ELISABETE PAIVA
 

2023-08-10


CINEMA INSUFLÁVEL: ENTREVISTA A SÉRGIO MARQUES
 

2023-07-10


DEPOIS DE METADE DOS MINUTOS - ENTREVISTA A ÂNGELA ROCHA
 

2023-05-20


FEIOS, PORCOS E MAUS: UMA CONVERSA SOBRE A FAMÍLIA
 

2023-05-03


UMA TERRA QUE TREME E UM MAR QUE GEME
 

2023-03-23


SOBRE A PARTILHA DO PROCESSO CRIATIVO
 

2023-02-22


ALVALADE CINECLUBE: A PROGRAMAÇÃO QUE FALTAVA À CIDADE
 

2023-01-11


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA
 

2022-12-06


SAIR DE CENA – UMA REFLEXÃO SOBRE VINTE ANOS DE TRABALHO
 

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS