Links


MÚSICA


LOLINA – THE SMOKE

RICARDO ESCARDUÇA

2018-04-22



 

 

Numa matriz sintetizada em apenas três entradas – a ética, a poética e a estética –, a genialidade admirável de Rancière parece conseguir capturar a história evolutiva, ainda que não linear, ziguezagueante nas direcções, feita de avanços e recuos, e avanços, do pensamento sobre a prática artística, a natureza da experiência sensível e o processo imaginativo do e sobre o artista e o observador, que lhe são quer causa quer efeito.

Terá porventura sido o maravilhamento justificado em convívio sobreposto com o deslumbre inconsciente – cenas à Ícaro e tal… – que infligiu à modernidade do séc. XX o vazio que abriu espaço às coisas da pós-modernidade, e outros fenómenos que tais, que, por vezes muitas ou poucas, tanto acerta na genialidade como parece ainda não ter conseguido saber, ou sequer interessar-se por, o que é e o que quer. E outras vezes ainda, em ambas. É talvez assim mesmo, e descobrir-se-á ainda que assim é que é.

Dir-se-ia que está criado, ou melhor, que ela própria contribui na sua criação, o habitat de Lolina. É a russa Inga Copeland, já por aí anda há tempos. No passado, em conjunto com o londrino Dean Blunt, enquanto membro do algo misterioso e reservado duo Hype Williams dedicado à club music experimental, bastante atmosférica, texturada, fantasmagórica, e a uma videografia originalmente bizarra, e a solo, assinando com o nome próprio. Agora, fazendo uso da persona Lolina, com “The Smoke”, longa duração editado em 14 de Março, sucessor dos EP’s “Relaxin’ with Lolina” e “Lolita” de 2015 e 2017, respectivamente, e do LP “Live in Paris” de 2016.

“The Smoke” mantém aquele registo anterior de uma certa indecifrabilidade. Adivinha-se a intenção em contrariar e resistir ou, pelo menos, em confundir, ao não atender às expectativas, às pré-disposições sobre a sua música, ou sobre “a” música e, ainda, em não se preocupar de todo com a empatia musical e emocional, ou ausência delas.

 

 

A produção é electrónica: órgãos e sintetizadores em texturas de registo lo-fi, samples atípicos, arranjos melódicos de cordas, flautas e pianos que são ora imprevistamente arbitrários, ora ameaçadoramente tensos, o corpo pesado e grave do baixo e percussão electrónica variada e alheatória. A música não o é. Nada há em “The Smoke” da música electrónica nos seus vários géneros habituais, maioritariamente sustentados em ritmo e beat. Por cima ou ao lado da música, na sua própria dimensão melódica e (a)rítmica, não sem contribuir para a bizarria e singularidade, os vocais assumem lugar de destaque ainda que, mais falando ou murmurando, poucas sejam as ocasiões em que Copeland efectivamente canta.

Em cada faixa de “The Smoke”, Copeland combina meticulosamente a combinação dos seus elementos musicais em composições contorcidas e contrastantes que derrubam sem hesitar as categorias e as classificações do esperado e do habitual.

Tudo é assimétrico, arrítmico e excêntrico, mas pleno de tonalidades. Sem surpresa, porém, o resultado é equilibrado e coeso no contexto do território de ambientes texturados e inusitados característicos da inexplicável e inclassificável elegância e sofisticação musicais de Copeland.

 

 

Lolinda não cabe em definições e regimes de estéticas musicais que não a sua. Pelo contrário, é o desinteresse da sua personalizada e distinta sonoridade por eles que ajuda a descobri-los, ou inventá-los.

 

The Smoke tracklist

1. Roulette
2. Fake City, Real City
3. Style and Punishment
4. The River
5. The Missing Evidence
6. A Path of Weeds and Flowers
7. Murder
8. Betrayal

 




Outros artigos:

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS