Links


MÚSICA


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!

ANDRÉ FONTES

2020-06-17



 

 

 

 

 

O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL! 

 

Eu gosto da Lana. Tenho-lhe dedicado um voyeurismo despudorado desde que ouvi a «Summertime Sadness». Foi numa certa tarde de Agosto. O uivo de uns violinos elevou-se para lá do choro de uma contralto e ricocheteou nas paredes do meu carro. Foi tão forte como um Werther. Purgou-me, puxou-me a tristeza para fora. Lembro-me até de ter pisado o traço contínuo e de quase ter batido de frente num desgraçado que parou o carro para me dizer que eu não presto. Eu tinha lágrimas nos olhos, ele tinha coisas a dizer-me, e quando nos confrontámos, de janelas abertas e mãos nos respectivos volantes, nenhum de nós disse nada. Foi ridículo. Ele seguiu e eu segui, e o vento foi-me secando as lágrimas enquanto tristeza que a música puxou foi ganhando contornos abstractos e generalistas. Aquela tristeza de um metafísico: É o mundo, o mundo é assim.

Mas não vale a pena mistificar, a Lana Del Rey não me abriu uma janela metafísica. Metafísicos somos todos, especialmente quando estamos tristes. E os casos particulares que nos fazem pensar nos universais de «amor» ou de «dor» são injustamente elevados a milagres, santos e musas. O que me parece inevitável, porque talvez seja mesmo milagroso que determinadas coisas consigam libertar-nos do solipsismo do sentimento. Sejam as estatísticas sobre a depressão, a filosofia do Schopenhauer ou um álbum Lana Del Rey, o efeito é beatífico: Isto não acontece só comigo.

 

  

 

 

Foi empatia que me levou a gostar da Lana. Uma estrela pop com uma devoção à Sylvia Plath e ao Nabokov, que presta tributos de corte e colagem ao classicismo hollywoodesco e aos deuses dourados do rock, que no Born to Die nos cantou a tragédia de uma lolita perdida, que, no Ultraviolence, nos fez sentir a alienação de uma groupie masoquista, e que no Honeymoon, no brilhantíssimo Honeymoon, nos fez ouvir os choros de uma velha starlet, num saudosismo de quaaludes que contemplou as palmeiras de Sunset Boulevard e as primaveras da esperança. Foram três álbuns milagrosos, sem dúvida. Mas que conduziram, eventualmente, ao caso problemático do Lust for Life.

Lançado em 2017, o Lust for Life mostrou-nos uma desintegração de personalidade. Foi um álbum acerca de tudo e para ninguém, onde o amor se assume como uma utopia política, onde o trap, o rock clássico e o folk se juntaram para uma fotografia de sorriso amarelo. Pura diplomacia numa ansiedade por contrastes e por originalidade, que trocou a uniformidade sónica dos trabalhos anteriores por convidados do Top 40 e por poesia preguiçosa.

Por dois anos, a Lana Del Rey mereceu todo o meu cepticismo. Mas, em Agosto de 2019, uma estranha e súbita redenção chamada Norman Fucking Rockwell! veio compensar por todas as transgressões. Em 2018, tinham já sido lançados os singles «Venice Bitch» e «Mariners Apartment Complex»: o primeiro são dez minutos de psicadelismo oceânico; o segundo é uma rotunda de poesia chorosa erguida por um piano dramático. Ambas as faixas eram contrastantes, o que me fez recear um novo Lust for Life. Contudo, o álbum, o tão receado álbum, que abre com a «Norman Fucking Rockwell», revelou-me uma fórmula de violinos, piano e poesia que flui em ondas de saudade e de resiliência. Uma fórmula que pinta o mundo em tons de azul, invocando uma vida filmada com uma super 8, desbobinando fragmentos de amores perdidos e da Califórnia dos Beach Boys.

 

 

 

 

O Norman Fucking Rockwell! não contém qualquer indício de esforço. Não há qualquer excentricidade que o caracterize. As melodias são simples e os arranjos são tímidos – uma ocasional harpa ou teremim por cima dos violinos e do piano e não muito mais –, as letras são despretensiosas e saudosistas, talvez dignas de serem chamadas de poesia. E a voz do álbum, surdida das entranhas de uma viúva de Laurel Canyon, presta um luto à morte do rock ‘n’ roll. Que é na verdade a morte de uma certa América, da América das gangas azuis, do surf e do romance de postal.

Quando a viúva nos canta «Kaney West is blond and gone», no «The Greatest», é impossível escapar-nos uma desistência de fazer parte do mundo. A viúva retira-se para a saudade, preferindo o passado ao presente, recusando o futuro – «The culture is lit and I had a ball/ I guess I’m signin’ off after all». O futuro é uma pop dividida entre o hedonismo e a política dos extremos, onde a arte pela arte não tem lugar, onde a beleza é um valor anacrónico e substituído pela procura da novidade. Uma distopia estética, no fundo. E o que resta é um apelo ao classicismo, a um novo classicismo que a Lana encontra no zénite cultural que nos trouxe os Doors e os Led Zeppelin, e que afirma o poder transformador do sol, da dança e do amor. A ideia é a de que há algo a conservar, uma ideia simples e pouco original. Uma ideia que, talvez, a Lana não tenha intencionado transmitir, mas que perfila aquele que é o seu melhor trabalho até à data. O Norman Fucking Rockwell! não é um álbum original, é só uma obra-prima.

 

 

 

 

 

André Fontes
Licenciado em Filosofia, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e pós-graduado em Artes da Escrita, pela Universidade Nova de Lisboa, André publicou, em 2019, o seu primeiro romance, Saturnália, editado pela Guerra e Paz Editores.

 




Outros artigos:

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS