Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


DANÇA E HISTÓRIA EM SERRALVES, NA ESTREIA NACIONAL DA NOVA PEÇA DA COREÓGRAFA ESZTER SALAMON

2016-11-14




27 de Novembro, 18h00, Auditório de Serralves


Brian de Palma e Woody Allen, Mikhail Baryshnikov e Bob Wilson, Merce Cunningham e Yvonne Rainer, Marie Rambert e Martha Graham, todos reunidos num único palco. Este é o cenário improvável da nova obra performativa MONUMENT 0.1: Valda and Gus, da autoria da coreógrafa, artista e performer Eszter Salamon.

Esta peça é concretizada graças ao encontro de dois bailarinos notáveis, os nova-iorquinos Valda Setterfield (nascida a 1934, bailarina/atriz de nacionalidade britânica que trabalhou com Mikhail Baryshnikov, Merce Cunningham, Richard Foreman, Brian De Palma, David Gordon, Ivo van Hove, Marie Rambert, Yvonne Rainer) e Gus Solomons Jr (nascido em 1940, bailarino, coreógrafo, actor, crítico de dança e figura central da dança pós-moderna americana tendo dançado com Martha Clarke, Pearl Lang, Donald McKayle, Martha Graham e Merce Cunningham).

Após uma série de entrevistas feitas a Valda e a Gus sobre as suas carreiras e práticas artísticas, Eszter Salamon cria uma peça onde revela as suas experiências pessoais e destaca o modo como as suas carreiras esposaram constantemente as correntes da história ao longo das últimas seis décadas. Através dos corpos, palavras e gestos, os bailarinos constroem em MONUMENT 0.1: Valda and Gus uma composição onde se entrelaçam passagens do tempo e histórias recordadas.

A peça, entre o quadro vivo e a instalação performativa, bem adequados à contemplação, evoca o que foi escrito ontem e revela que esse ontem pode ser-nos subitamente devolvido graças ao poder da intrusão que toda a memória promete. Acima de tudo, possibilita essa interação livre da memória, capaz de unir a dimensão das obras e a das formas de vida.

MONUMENT 0.1: Valda and Gus integra uma série de trabalhos em que Eszter Salamon reconsidera a História do séc. XX através de um olhar sobre a Dança. Propondo uma perspetiva alternativa sobre o mundo e invertendo a lógica que tão frequentemente recusa aos intérpretes o direito de serem colocados no curso da historiografia da arte, Salamon torna palpável em MONUMENT 0.1:Valda and Gus um sentimento de tempo em que cada espetador pode em simultâneo ver e rever os gestos dos que atuam na sua presença e conhecer as suas vozes enquanto o tempo se vai acumulando e sucedendo.


SOBRE ESZTER SALAMON

Nascida em 1970 na Hungria, é coreógrafa, bailarina e performer e vive entre Berlim e Paris. O seu trabalho tem sido apresentado a nível internacional no contexto da arte da performance e das artes visuais. É autora dos solos What A Body You Have, Honey (2001) e Giselle (2001) com a colaboração de Xavier Le Roy, e Dance for Nothing (2010). Entre os seus espetáculos para grupo contam-se Reproduction (2004), Magyar Tàncok (2005), Nvsbl (2006), AND THEN (2007) com a colaboração de Bojana Cvejic, Without You I Am Nothing (2007) com Arantxa Martinez, Dance#1/Driftworks (2008) e Dance#2 (2011) com Christine de Smedt. Em 2011, criou TALES OF THE BODILESS com Bojana Cvejic, Cédric Dambrain e Terre Thaemlitz, bem como Melodrama (2012), um solo documental. Em 2014, criou uma peça de grupo para seis bailarinos, Monument 0: Haunted by war (1913-2013) e foi convidada pelo Jeu de Paume, em Paris, para apresentar uma exposição performativa: Eszter Salamon 1949 (2014). Na qualidade de bailarina, colaborou com Sidonie Rochon, Mathilde Monnier e François Verret. Desde 2001, tem criado trabalhos coletivos e a solo que têm sido apresentados em diversos festivais e locais dedicados às artes performativas, incluindo o Centre Pompidou, o Centre Pompidou Metz, The Kitchen New York, Kaai Theater Brussels, HAU Berlin, Tanzquartier Wien, TheatreWorks Singapore, Kunstenfestivaldesarts, Avignon Festival, Festival d’Automne Paris, Holland Festival, steirischer herbst, Berlin Documentary Forum, Panorama Rio de Janeiro, Movimiento Sur Valparaiso, Dance Triennale Tokyo. É frequentemente convidada a apresentar o seu trabalho em museus incluindo o MoMa, Witte de With e Fondation Cartier.

SOBRE CHRISTOPHE WAVELET

Um ex-intérprete, Christophe Wavelet codirigiu as atividades do Knust Project (1993-2001), um coletivo de performance (1993-2001) que se centrava em reconstituições performativas e apropriações artísticas, bem como na publicação da revista política francesa Vacarme (1996-2000). Diretor do Departamento de Pesquisa Internacional no Centre National de la Danse, em Paris, deu a sua colaboração a inúmeras manifestações e exposições, conferências e publicações, como curador, académico e crítico. Interessado em projetos cuja prioridade é ao mesmo tempo experimental e discursiva, independentemente de qualquer disciplina específica e no âmbito de áreas culturais diferentes, trabalhou como diretor artístico do LiFE, um espaço artístico multidisciplinar e transnacional (2005-2010). É atualmente docente em várias escolas de arte europeias como P.A.R.T.S e ERG (Bruxelas, Bélgica), ESSAI (Angers, França), EX.er.CE (Montpellier, França). Fellow da Akademie Schloss Solitude em 2011-2013, trabalha de momento num ensaio e na tradução francesa dos ensaios do artista brasileiro Helio Oiticica.

SOBRE VALDA SETTERFIELD

Bailarina/atriz de nacionalidade britânica, Valda Setterfield nasceu em 1934 e trabalhou com Woody Allen, Mikhail Baryshnikov, Merce Cunningham, Richard Foreman, Brian De Palma, David Gordon, Ivo van Hove, Marie Rambert, Yvonne Rainer, Robert Wilson. Passou por uma série de instituições como a Brooklyn Academy of Music, em Nova Iorque, New York Theatre Workshop at Dance Theater Workshop, PS 122, Danspace Project, Soho Rep. The Public. Recebeu um prémio OBIE pela sua carreira e em 1984 um Dance and Performance Award (Bessie) em Nova Iorque e um segundo Bessie em 2006 pela natureza excecional da sua carreira. É membro da Pick Up Performance Company(S) desde a sua criação. Em 1994, dançou em Exhibit A Thin Frost, de Gus Solomons Jr., e participou noutros projetos da companhia Paradigm.

SOBRE GUS SOLOMONS JR.

Bailarino, coreógrafo, crítico de dança e um reconhecido ator, Gus Solomons Jr. (n. 1940) é uma figura da dança pós-moderna americana. Dançou com Martha Clarke, Pearl Lang, Donald McKayle, Martha Graham e Merce Cunningham. Na qualidade de coreógrafo, fundou a sua própria companhia em 1972, a Solomons Company / Dance. Licenciou-se em arquitetura pelo MIT e dá aulas de dança como professor de história de arte na Tisch School of the Arts. Escreve sobre dança para publicações especializadas e revistas online. Recebeu o prémio 1999-2000 New York Dance and Performance Award (conhecido por "Bessie") pelo contributo inovador que deu à coreografia. Em 2001, Solomons foi o primeiro galardoado com o Robert A. Muh Award, atribuído a um artista/alumnus do M.I.T.. Em 2004, foi homenageado com a atribuição da American Dance Festival’s Balasaraswati/Joy Ann Dewey Beinecke Endowed Chair para ensino de excelência. Em 1996 criou o trio Paradigm com o objetivo de "promover e celebrar os talentos de artistas seniores no palco”, e tem feito digressões por todos os Estados Unidos.


Direção artística: Eszter Salamon
Conceito e dramaturgia: Eszter Salamon e Christophe Wavelet
Performance: Valda Setterfield e Gus Solomons Jr.
Direção técnica: Pierre Willems e Rhima Bem Brahim
Direção luz: Sylvie Garot
Figurinos: Adeline André
Marionetas: Gus Solomons Jr.
Eszter Salamon é uma artista associada ao CND, Centre National de la Dance


Trailer:
tanzforumberlin.de/trailer933.php

Vídeo:
www.numeridanse.tv/en/video/3869_monument-01-valda-gus


Fonte: Serralves