Links

OPINIÃO


Pedro Portugal, OS 3 BOTÕES DA ARTE, 2012

Outros artigos:

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006

share |

PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS



PEDRO PORTUGAL

2012-09-07




Avant-propos: Este artigo foi pensado originalmente para ser dois. Um sobre a inexorável maledicência entre artistas: “PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS”. Um segundo como puro exercício encomiástico: “L’AFFAIRE VASCONCELOS”.

O primeiro artigo consistia numa elaboração sobre como os artistas ao longo da história disseram mal uns dos outros e ainda na transcrição de opiniões de artistas vivos sobre Joana Vasconcelos.

Depois de apreciado pelos meus advogados foi-me aconselhado não enviar para o editor a totalidade do artigo. A justificação para este óbice encontra-se no facto do teor de algumas opiniões registadas ser de tal forma acintoso, que a sua reprodução, mesmo com manutenção do anonimato, poder ser mal entendida, imputada ao autor do artigo e constituir móbil para uma ação judicial. Fica assim um só artigo em duas partes, sem a compilação das opiniões de artistas sobre outro artista que recolhi ao longo de 2 anos:



PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS [1]


A história da arte está repleta de registos comprovando que os artistas sempre disseram mal uns dos outros. Zeuxis e Parrásio detestavam-se e faziam terríveis batalhas de naturezas mortas. Caravaggio foi a tribunal acusado de ter escrito poemas vexatórios sobre as pinturas de Baglione — enfrentou a acusação negando a autoria mas afirmando, no entanto, que quem os escreveu sabia de pintura. Foi condenado a duas semanas de prisão. Courbet era odiado por todos. Van Gogh era contundente com Toulouse Lautrec e dizia que o anão só conseguia levantá-lo com “petites filles”. Manet disse a Monet sobre Renoir: “Esse rapaz não tem talento. Como tu és amigo dele tens que lhe dizer para desistir da pintura”. Picabia escreveu numa carta a uma namorada que lamentava que Picasso tivesse vendido o coração ao capital…


A propósito de duas pinturas do artista X (ainda vivo) de mérito nacional e que todos conhecem, irem a leilão, o artista Y comentava com o artista Z (os três amigos e da mesma geração): “Epá, há duas pinturas do X que vão a leilão... Epá, é que estas são das boas! Alguém se devia chegar à frente para as comprar... É que o gajo fez muita merda e aproveita-se mesmo muito pouco.”


Entre artistas, sabemos muito bem quem são os bons e quem são os maus artistas. Sabemos distinguir, com quase unanimidade, qual é a arte boa e a arte má que fazem os bons e os maus artistas — apreciação que diverge substancialmente do que pensa a “opinião pública”. O que não existe é a coragem suficiente para entre artistas dizer frontalmente: “Eh pá, tu não és bom artista. Desiste já antes de continuares!”. Como ninguém consegue dizer uma coisa destas e como o produto da atividade artística está num plano semi-aberto de avaliação, por ser supostamente uma expressão livre e pessoal da criatividade, algumas mediocridades passaram intactas para o tecido histórico [2].


O grande explicadista Marcel Duchamp afirmava que há milhões de artistas que criam «mas só alguns milhares são discutidos ou aceites pelo espectador e muitos menos são consagrados pela posteridade.» «Penso que a arte pode ser má, boa ou indiferente, mas, qualquer que seja o adjetivo usado, temos que chamá-la arte, e a arte má é arte da mesma maneira que uma má emoção continua a ser uma emoção.» (DUCHAMP, 1957: 28)


Não pretendo desmontar o epifenómeno que parece resultar de uma prematura industrialização de uma maneira de fazer arte, mas, sinto-me na obrigação profissional de partilhar com os outros artistas e público interessado, o registo de opiniões e comentários que colecionei sobre Joana Vasconcelos. São opiniões recolhidas entre artistas, na maioria de uma maldade chocante, outras cruéis, outras denunciando inveja pura e outras revelando perversa lucidez.

Estes testemunhos, necessariamente anónimos, são uma prova saudável de que os artistas vão continuar a dizer mal uns dos outros até ao fim da civilização:

“…”

(…)



L’AFFAIRE VASCONCELOS


Embora Platão e Aristóteles tenham desprezado os artistas seus contemporâneos, preferindo coisas com menos 500 anos, houve na história períodos em que o poder e a cultura estiveram de acordo com o que os artistas queriam fazer — que é substancialmente diferente do que os artistas têm de fazer. Os quatro amigos de Florença que fizeram o Renascimento tiveram liberdade total oferecida pelos Medicci, os artistas bolcheviques celebraram bravamente a revolução com Lenine e os artistas portugueses, pela mão de Ferro, festejaram o fascismo (que na altura não devia parecer uma coisa tão má).


Para a artista Joana Vasconcelos é óptimo poder trabalhar para o príncipe que é o Estado português e beneficiar de um pleno de encantamento e unidade entre política e arte. É seu o mérito de ter realizado uma operação de pedagogia sem precedentes nas últimas décadas: ter feito compreender (aparentemente) a todo o aparelho de Estado, decisores artísticos e “culturatis” nacionais o que é essa quimera chamada “arte contemporânea” — que afinal dá para perceber e até gostar. Ou seja, transformou os objetos artísticos em super-discurso: o discurso que só é discurso e por isso de inteligibilidade máxima. É assim compreensível o entusiasmo nesta aliança e a cooperação sem hesitações ou constrangimentos de agentes culturais, imprensa, televisão e políticos profissionais no financiamento e difusão desta linhagem de objetos.


A arte de Joana “faz todo o sentido!” — como se diz viralmente para assentir uma decisão. A partir de agora não mais coisas pretas informes, não mais texto sobre texto, não mais introspecções incompreensíveis, abaixo o corpo, fim do sexo teorizado, fim dos pensamentos indiferenciados e outras coisas más e sujas. O efeito obtido parece ser de grande pacificação, forte alívio da angústia perante a obra de arte e redução da pequena fúria por não se perceber o que é que o artista quer dizer. Para potenciação destes índices, toda a estética das elaborações formais de Vasconcelos apelam e ajustam-se ainda à tímida (?) reaparição da ideia da portugalidade e a tremenda possibilidade de portugalização do mundo [3].


Ora, se a paixão sobre o trabalho de Joana é plenamente justificável, a sua expressão não se manifesta abertamente ou sem alguma reserva maldosa, sobretudo no meio artístico — por snobeira, despeito ou inveja.


Se Vasconcelos superou a popularidade de Maluda, fê-lo no género mais difícil de todos que é o Estilo Duchamp. Operou uma fusão nunca experimentada e por isso surpreendentemente eficaz, até no exterior. Um método que reconcilia o folclore com a indústria e o artesanato com o popismo. Não só é um caso de popularidade entre os autarcas de província (onde se fabricam os governantes), como também agrada à nova estirpe de grandes colecionadores internacionais que sabem aprender depressa o que é que interessa na arte do seu tempo. Mais, Joana ao contrário de outros artistas, já não precisa de disfarçar a sua nacionalidade em pastiches de estilos da europa central ou americanadas. Joana pensa em grande. Versalhes é nosso! Veneza é nossa! Quem sabe se amanhã a Cidade Proibida ou o Vaticano farão parte do nosso V Império cultural?


Existe a fé, não escondida por políticos mas escamoteada pelos pares artistas, de que Joana Vasconcelos continue a fazer maior e melhor. Talvez o próprio país esteja a caminho de ser uma sua obra-prima, transacionável e valorizada nos melhores leilões do mundo.


Olhando para o fenómeno de outro ponto de vista, este momento pode ser habilmente transformado numa oportunidade histórica para todos os outros artistas, comissários e ajudantes de arte. O frenesim patriótico à volta de Joana é o “kairos” de que todos os artistas (novos e velhos) estavam à espera para invocarem abandono, condição de proscitos e esmagamento dos arautos da vanguarda que vai ser infamemente ignorada nas próximas décadas. Um-País-Um-Artista num Estado democrático ocidental não é uma fórmula aceitável e tem que ser combatida, de preferência na clandestinidade, em nome de todos os manifestos artísticos e da liberdade intelectual.


Mas há ainda outra razão para levarmos muito a sério Joana Vasconcelos e os objetos produzidos no seu atelier: Joana e a sua arte são heroínas entre os estudantes de arte. As escolas de arte em Portugal estão repletas de ensaios para-artísticos replicantes das experiências de Joana: coisas feitas de outras coisas, coisas grandes feitas em pequeno e coisas grandes feitas de coisas pequenas. Os professores de arte têm de saber responder com sabedoria à pergunta: “o que é que o professor acha da Joana Vasconcelos?” E explicar com humildade que Joana é a grande mestre na manipulação da Máquina dos 3 Botões Para Fazer Obras de Arte: a máquina que dá para rodar a gosto os botões da ESCALA, da MATÉRIA e da INVERSÃO [4].


A perdurar esta influência, serão obtidas dentro de poucos anos séries formais com consistência e massa suficiente para garantir uma tipologia de arte que permitirá o reconhecimento internacional de um género artístico único — como aconteceu brilhantemente com a arquitetura e o cinema pensado e feito por portugueses em Portugal [5].



NOTAS


[1] Afirmo que sempre fui um grande defensor de Joana Vasconcelos. Há alguns anos propus a aquisição da obra A Noiva quando exercia funções de consultadoria artística numa coleção institucional e, como comissário, convidei-a para participar numa exposição de representação do Estado português no reino da Noruega.

[2] Eduardo Lourenço ipse-dixit (pôr “artistas” antes de portugueses ou português): “Os Portugueses não convivem entre si, como uma lenda tenaz o proclama, espiam-se, controlam-se uns aos outros: não dialogam, disputam-se, e a convivência é uma osmose do mesmo ao mesmo, sem enriquecimento mútuo, que nunca um português confessará que aprendeu alguma coisa de um outro, a menos que seja pai ou mãe…” (LOURENÇO, 2001: 77)

[3] Somos o país (+ o Brasil) que tem o mundo no centro da bandeira. Também temos uma marca de supermercados chamada Continente. De resto a mitologia Portuguesa tem ver com a ideia da viagem de conquista do mundo e a história das dificuldades que “surmontam”.

[4] A Grande Máquina dos 6 Botões Para Fazer Obras de Arte (6BTMWA) já está em testes muito avançados. A sua tecnologia iterativa-expandida incluirá os importantes botões da DENSIDADE, PROFUNDIDADE e AMBIGUIDADE.

[5] Num futuro próximo não haverá discussão sobre que artista significa “PORTUGAL” se for necessário enviar uma amostra representativa da arte portuguesa para o primeiro contacto com uma civilização extraterrestre.


BIBLIOGRAFIA CITADA

DUCHAMP, Marcel. “The Creactive Act”. In: Art News, 56, nº 4 (Verão 1957).

LOURENÇO, Eduardo. (2001) O Labirinto da Saudade. Lisboa: Gradiva.