Links

OPINIÃO


Isabel Garcia, 3 floating seeds, conjunto, 65x65cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, 6 floating seeds, conjunto, 65x65cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, SEED - objecto bronze #2. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World (5 casas vermelhas), 65x40cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #13, 40x20cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #18, 40x40cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #18, 130x110cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #23, 40x40cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #25, 40x35cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #31, 35x30cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World #33, 35x30cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Another Green World. Jacarandás e esfera, 65x40cm. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Livro de fole - SEED 2020 #1, aguarela. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Livro de fole - SEED 2020 #1 (aberto), aguarela. Cortesia da artista.


Isabel Garcia, Livro de fole - SEED 2020 #2 (aberto), aguarela. Cortesia da artista.

Outros artigos:

POLLYANA QUINTELLA

2021-11-25
UMA ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO CHILENA NA 34ª BIENAL DE SÃO PAULO

JOANA CONSIGLIERI

2021-10-29
MULHERES NA ARTE – NUM ATELIÊ QUE SEJA SÓ MEU

LIZ VAHIA

2021-09-30
A FICÇÃO PARA ALÉM DA HISTÓRIA: O COMPLEXO COLOSSO

PEDRO PORTUGAL

2021-08-17
PORQUE É QUE A ARTE PORTUGUESA FICOU TÃO PEQUENINA?

MARC LENOT

2021-07-08
VIAGENS COM UM FOTÓGRAFO (ALBERS, MULAS, BASILICO)

VICTOR PINTO DA FONSECA

2021-05-29
ZEUS E O MINISTÉRIO DA CULTURA

RODRIGO FONSECA

2021-04-26
UMA REFLEXÃO SOBRE IMPROVISAÇÃO TOMANDO COMO EXEMPLO A GRAND UNION

CAIO EDUARDO GABRIEL

2021-03-06
DESTERRAMENTOS E SEUS FLUXOS NA OBRA DE FELIPE BARBOSA

JOÃO MATEUS

2021-02-04
INSUFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO ARTÍSTICA. EM CONVERSA COM VÍTOR SILVA E DIANA GEIROTO.

VICTOR PINTO DA FONSECA

2020-11-19
O SENTIMENTO É TUDO

PEDRO PORTUGAL

2020-10-17
OS ARTISTAS TAMBÉM MORREM

CATARINA REAL

2020-09-13
CAVAQUEAR SOBRE UM INQUÉRITO - SARA&ANDRÉ ‘INQUÉRITO A 471 ARTISTAS’ NA CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2020-08-07
MUSEUS, PATRIMÓNIO CULTURAL E “VISÃO ESTRATÉGICA”

PAULA PINTO

2020-07-19
BÁRBARA FONTE: NESTE CORPO NÃO HÁ POESIA

JULIA FLAMINGO

2020-06-22
O PROJETO INTERNACIONAL 4CS E COMO A ARTE PODE, MAIS DO QUE NUNCA, CRIAR NOVOS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA

LUÍS RAPOSO

2020-06-01
OS EQUÍVOCOS DA MUSEOLOGIA E DA PATRIMONIOLOGIA

DONNY CORREIA

2020-05-19
ARTE E CINEMA EM WALTER HUGO KHOURI

CONSTANÇA BABO

2020-05-01
GALERISTAS EM EMERGÊNCIA - ENTREVISTA A JOÃO AZINHEIRO

PEDRO PORTUGAL

2020-04-07
SEXO, MENTIRAS E HISTÓRIA

VERA MATIAS

2020-03-05
CARLOS BUNGA: SOMETHING NECESSARY AND USEFUL

INÊS FERREIRA-NORMAN

2020-01-30
PORTUGAL PROGRESSIVO: ME TOO OU MEET WHO?

DONNY CORREIA

2019-12-27
RAFAEL FRANÇA: PANORAMA DE UMA VIDA-ARTE

NUNO LOURENÇO

2019-11-06
O CENTRO INTERPRETATIVO DO MUNDO RURAL E AS NATUREZAS-MORTAS DE SÉRGIO BRAZ D´ALMEIDA

INÊS FERREIRA-NORMAN

2019-10-05
PROBLEMAS NA ERA DA SMARTIFICAÇÃO: O ARQUIVO E A VIDA ARTÍSTICA E CULTURAL REGIONAL

CARLA CARBONE

2019-08-20
FERNANDO LEMOS DESIGNER

DONNY CORREIA

2019-07-18
ANA AMORIM: MAPAS MENTAIS DE UMA VIDA-OBRA

CARLA CARBONE

2019-06-02
JOÃO ONOFRE - ONCE IN A LIFETIME [REPEAT]

LAURA CASTRO

2019-04-16
FORA DA CIDADE. ARTE E ARQUITECTURA E LUGAR

ISABEL COSTA

2019-03-09
CURADORIA DA MEMÓRIA: HANS ULRICH OBRIST INTERVIEW PROJECT

BEATRIZ COELHO

2018-12-22
JOSEP MAYNOU - ENTREVISTA

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


SEED/SEMENTE DE ISABEL GARCIA



FILOMENA SERRA

2020-12-31




 

 

 

É estimulante encontrar algo inesperado e que nos dê esperança num momento em que nos encontramos encerrados nas nossas habitações, com limites de horários e de deslocações, impedidos de ver e abraçar familiares e amigos, ou com essas relações reduzidas a breves encontros. Falo dos recentes trabalhos de Isabel Garcia, realizados em plena pandemia e mostrados na exposição SEMENTE/SEED, ocorrida entre 5 de Setembro e 2 de Outubro deste ano, na Galeria Arte Periférica no CCB em Lisboa. Aí teve a artista em exibição um conjunto de pinturas e pequenos objectos-esculturas. Por essa altura, estávamos ainda no Verão, saídos do confinamento mais duro e antes, portanto, de assistirmos à segunda vaga que nos levou ao actual período de isolamento.

Isabel Garcia não registou explicitamente nos seus trabalhos qualquer indicação de estarmos em pandemia, nem tal seria necessário, pois já nessa altura estávamos expostos através dos media a longas horas de informação. Facilmente encontramos, porém, na metáfora da SEMENTE o seu modo de falar da doença e da morte, mas também da vida, sobretudo daqueles – os excluídos – que, nesta pandemia, mais sofrem.

A verdade é que SEED coloca uma problemática universal e quotidiana, apesar de à primeira vista aparentar ser apenas um tema unicamente de investigação científica. Com efeito, o mundo das sementes e das plantas é também objecto de pesquisa histórica e até alimentar, no contexto do chamado «imperialismo ecológico» (Alfred Crosby) devido ao comércio global de sementes e plantas que modificou completamente os hábitos alimentares e as práticas agrícolas do mundo inteiro. Plantas asiáticas multiplicaram-se na África e nas Américas e, inversamente, as plantas americanas difundiram-se noutros continentes (J. Mendes Ferrão, Le Voyage des Plantes et les Grandes Découvertes, Chandeigne, 2016). Actualmente, as sementes são objecto de largas discussões pois estão em causa as modificações genéticas e a redução da biodiversidade.

Foi também sobre uma premissa histórica que a artista desenvolveu o projecto SEED/SEMENTE, declarando-me que «o mundo sem sementes seria um gigantesco penedo nu, sem vida a deslocar-se no espaço». Do grego «sperma» e em latim «sémen», a raiz etimológica da palavra não esconde a relação com a natureza e a vida, através da reprodução das plantas e animais. As sementes são estruturas fundamentais para a nossa sobrevivência e responsáveis por garantir a dispersão das espécies no ambiente. Daí que a série de pinturas «Floating seeds» de Isabel Garcia lembre os complexos processos de transporte e dispersão das sementes, por vezes a grandes distâncias, pelo vento, pela água ou por organismos vivos ou até sem a ajuda de nenhum agente externo (autocoria), garantindo assim que as plantas possam germinar e desenvolver-se em diferentes locais.

 

Isabel Garcia, 7 floating seeds, conjunto, 65x65cm. Cortesia da artista.

 

Neste sentido, temos em SEED/SEMENTE uma interpelação dos dilemas e conflitos com os quais nos debatemos do ponto de vista ambiental. Sempre que abrimos um jornal somos confrontados com notícias de novos factos sobre o aquecimento global ou a continuada e sistemática destruição dos ecossistemas. Por exemplo, as tribos da Amazónia recolhem sementes que preservam as espécies exclusivas do seu entorno natural. A desflorestação e o abate ilegal das árvores pelo agronegócio, com as consequentes alterações climáticas, torna essas tribos vulneráveis às secas e às ondas de calor. São problemas que nos afectam a todos, tal como o plástico nos mares, o desaparecimento das abelhas ou o impacto dos alimentos na saúde humana por via das sementes transgénicas. A pandemia do Coronavírus foi o culminar de todos os desastres naturais. Confinada em casa mais de metade da população mundial, as consequências atmosféricas positivas tornaram-se rapidamente visíveis e muitos de nós pensámos que a pandemia poderia transformar as políticas ambientais dos países. Embora nada disto tenha ainda acontecido, vamos esperar que os responsáveis políticos percebam que é necessário inverter os picos de aquecimento e estabilizar o clima.

Muitas das questões sociais que afligem o mundo, acabam por ter impacto em nós através das artes. Basta recordar como «O semeador», uma tela pintada em Barbizon por Jean-François Millet e apresentada no Salon de 1850-1851, acabou por gerar polémica. Havia na imagem realista da figura rude do homem que lançava sementes à terra, uma denúncia da cruel pobreza em que viviam os humildes camponeses e camponesas. Millet tivera a ousadia de substituir o aristocrata e o burguês pela realidade social de um excluído, dando atenção ao trabalho humilde de semear, uma tarefa central na sobrevivência. Porém, o poeta americano Walt Whitman veria em Millet o protótipo do Homem Criativo, semeando as sementes de uma nova era. Outros artistas, guiados pelo «sentimento da natureza» e denunciando os efeitos da industrialização, fizeram também da paisagem, enquanto «construção cultural», lugar de reflexão e de mediação entre a subjectividade e o mundo das coisas. Théodore Rousseau, o «homem das árvores», questionaria o ambiente artificial da cidade; Cézanne elogiaria a montanha e Gauguin fugiria da «civilização»; tal como Mondrian pensaria uma «nova imagem» para o mundo. Também, as sublimes paisagens intocadas de Caspar D. Friederich serviram de tema ao pensamento sobre a natureza. Nos anos 30 do século XX, foi a vez da fotografia de Ansel Adams ou Paul Strand. Já nos anos 60, os artistas da Earth Art interessaram-se pela entropia na natureza; os New Topographics voltaram-se na década seguinte para os ambientes modificados pelo homem; nos anos 80, os performers animaram a paisagem e, nos anos 90, os Eco-Artists começaram a colaborar com os cientistas nas questões da sustentabilidade, da poluição e das políticas ambientais. Actualmente, os movimentos Artivistas alertam-nos para os problemas e para o que pode ser feito.

No momento presente em que se prepara uma grande exposição de Ai Weiwei em Lisboa no próximo ano, gostaria de recordar que também este artista visitou o tema das sementes. Na instalação «Sementes de girassol» (Kui Hua Zi), apresentada em 2010 na Tate Modern de Londres, o artista apresentou mais de 100 milhões de minúsculas sementes de girassol em porcelana que encheram o enorme Salão das Turbinas daquele museu. No caso de Ai Weiwei, as sementes de girassol evocam uma memória pessoal do seu imaginário infantil. Ele pretendia recordar que as sementes de girassol, base da sua instalação, faziam parte da propaganda comunista quando esta retratava Mao Tsé Tung como o Sol e os cidadãos da República Popular da China se voltavam como girassóis para o seu presidente, ao mesmo tempo que também recordavam que, entre os mais pobres, partilhar as sementes de girassol era um deleite entre amigos.

 

Isabel Garcia, SEED - objecto bronze #1. Cortesia da artista.

 

É assim que, em tempos e em contextos de produção diferentes, as artes visuais nunca deixaram de problematizar e sensibilizar, incitando à mudança de mentalidades e comportamentos. No caso de SEED/SEMENTE de Isabel Garcia, as suas pinturas e pequenas esculturas despertam, pela força das imagens, empatia e emoção. A ideia de «Seed» que opera como matriz no processo de trabalho da artista é um convite urgente a pensar a negociação entre natureza e ambiente. Os belíssimos objectos em bronze patinado são, simultaneamente, pequenos cofres e sementes. Guardam, protegem, multiplicam-se e serviram à artista para, por decalque dos seus perfis, construir muitos dos desenhos aguarelados (que não são agora apresentados), bem como as figuras das suas «Floating seeds», pinturas que foi desenvolvendo durante o confinamento e cujas imagens me foi enviando.

 

 

Isabel Garcia, SEED - MATRIZ #3, 70x50cm, aguarela sobre papel fabriano 300g. Cortesia da artista.

 

Quando me foi dado vê-las, verifiquei a revisitação da tradição da pintura de paisagem e das ilusões ópticas do trompe l’oeil. Nestas «Sementes flutuantes», os fragmentos circulares de sementes são artificiosamente pintados em tridimensionalidade contra um fundo azul-céu parecendo desprender-se do suporte e disseminarem-se no espaço. Na série «Another green world», que evoca a música ambiental do músico e artista visual Brian Eno, vemos buracos ou esconderijos protectores em paisagens estranhas de florestas e céus tormentosos. São pequenas zonas de aconchego onde se abrigam ciprestes e pequenas casas, fontes ou rios. Estes elementos alegóricos podem ter várias leituras. Por exemplo, das árvores nascem sementes. E as pequenas casas onde habitamos são os nossos lares e o lugar da família, unidade fundamental, onde se trocam e se semeiam afectos e ideias. Por seu turno, as fontes e os rios são elementos na natureza de transporte das sementes e factores de propagação e germinação.

 

Isabel Garcia, Another Green World (2 casas vermelhas), 65x40cm. Cortesia da artista.

 

Daí que SEED/SEMENTE não se refira unicamente ao ciclo natural da vida e da morte, mas quem sabe se a novas ideias e processos de vida. Ou a restos de sonhos ou a experiências sensoriais do confinamento vivido por Isabel Garcia e, projectualmente, aos confinamentos de todos nós. Por exemplo, no sublime das paisagens de «Another green world», os espaços arquitectónicos criados e a verticalidade dos ciprestes, símbolos da eternidade, permitem imaginar lugares de silêncio aos quais a vida urbana nos desabituou. Mas não só. As ideias de transformação e de acção estão subjacentes, pois que podemos fazer neste apocalipse caótico que nos rodeia? A arte talvez não forneça respostas mas pode indicar caminhos: as «sementes» das pinturas e das esculturas de Isabel Garcia são, não só um excelente exemplo de atenção ao passado da arte e à tradição da história da paisagem e da crítica social, mas mais do que isso: dão a possibilidade a cada um de nós de olhar para estes trabalhos e meditar na urgência de construir as nossas próprias «Seedlands», isto é, novos modos de criar e lutar por horizontes de paisagens sustentáveis pensando na vida das gerações futuras.

É dentro desta ideia que Isabel Garcia apresentará, em Março de 2021, um outro desafio no Laboratório de Química do Museu de História Natural em Lisboa, com a exposição SEEDLAND.

 

 

 

Filomena Serra
Doutorada em História da Arte Contemporânea. Membro integrado do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Professora, historiadora e curadora.