Links

OPINIÃO


O cantor, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


A Viúva, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Vista geral da exposição A narrativa são os outros © Sara Cardoso Silva


Vista geral da exposição A narrativa são os outros © Sara Cardoso Silva


Avaria, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Um país agradável, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Texto por Gonçalo M. Tavares © Madalena Folgado


Turistas, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Texto por Gonçalo M. Tavares © Madalena Folgado


O Artista, Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Cumpre-te © Madalena Folgado


Inês Pargana © Sara Cardoso Silva


Senhor Augusto da Cruz Santos e Senhor Agostinho da Silva © Inês Pargana

Outros artigos:

LIZ VAHIA

2024-01-23
À ESPERA DE SER ALGUMA COISA

CONSTANÇA BABO

2023-12-20
ENTRE ÓTICA E MOVIMENTO, A PARTIR DA COLEÇÃO DA TATE MODERN, NO ATKINSON MUSEUM

INÊS FERREIRA-NORMAN

2023-11-13
DO FASCÍNIO DO TEMPO: A MORTE VIVA DO SOLO E DAS ÁRVORES, O CICLO DA LINGUAGEM E DO SILÊNCIO

SANDRA SILVA

2023-10-09
PENSAR O SILÊNCIO: JULIA DUPONT E WANDERSON ALVES

MARC LENOT

2023-09-07
EXISTE UM SURREALISMO FEMININO?

LIZ VAHIA

2023-08-04
DO OURO AOS DEUSES, DA MATÉRIA À ARTE

ELISA MELONI

2023-07-04
AQUELA LUZ QUE VEM DA HOLANDA

CATARINA REAL

2023-05-31
ANGUESÂNGUE, DE DANIEL LIMA

MIRIAN TAVARES

2023-04-25
TERRITÓRIOS INVISÍVEIS – EXPOSIÇÃO DE MANUEL BAPTISTA

RUI MOURÃO

2023-02-20
“TRANSFAKE”? IDENTIDADE E ALTERIDADE NA BUSCA DE VERDADES NA ARTE

DASHA BIRUKOVA

2023-01-20
A NARRATIVA VELADA DAS SENSAÇÕES: ‘A ÚLTIMA VEZ QUE VI MACAU’ DE JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA

JOANA CONSIGLIERI

2022-12-18
RUI CHAFES, DESABRIGO

MARC LENOT

2022-11-17
MUNCH EM DIÁLOGO

CATARINA REAL

2022-10-08
APONTAMENTOS A PARTIR DE, SOB E SOBRE O DUELO DE INÊS VIEGAS OLIVEIRA

LUIZ CAMILLO OSORIO

2022-08-29
DESLOCAMENTOS DA REPRODUTIBILIDADE NA ARTE: AINDA DUCHAMP

FILIPA ALMEIDA

2022-07-29
A VIDA É DEMASIADO PRECIOSA PARA SER ESBANJADA NUM MUNDO DESENCANTADO

JOSÉ DE NORDENFLYCHT CONCHA

2022-06-30
CECILIA VICUÑA. SEIS NOTAS PARA UM BLOG

LUIZ CAMILLO OSORIO

2022-05-29
MARCEL DUCHAMP CURADOR E O MAM-SP

MARC LENOT

2022-04-29
TAKING OFF. HENRY MY NEIGHBOR (MARIKEN WESSELS)

TITOS PELEMBE

2022-03-29
(DES) COLONIZAR A ARTE DA PERFORMANCE

MADALENA FOLGADO

2022-02-25
'O QUE CALQUEI?' SOBRE A EXPOSIÇÃO UM MÊS ACORDADO DE ALEXANDRE ESTRELA

CATARINA REAL

2022-01-23
O PINTOR E O PINTAR / A PINTURA E ...

MIGUEL PINTO

2021-12-26
CORVOS E GIRASSÓIS: UM OLHAR PARA CEIJA STOJKA

POLLYANA QUINTELLA

2021-11-25
UMA ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO CHILENA NA 34ª BIENAL DE SÃO PAULO

JOANA CONSIGLIERI

2021-10-29
MULHERES NA ARTE – NUM ATELIÊ QUE SEJA SÓ MEU

LIZ VAHIA

2021-09-30
A FICÇÃO PARA ALÉM DA HISTÓRIA: O COMPLEXO COLOSSO

PEDRO PORTUGAL

2021-08-17
PORQUE É QUE A ARTE PORTUGUESA FICOU TÃO PEQUENINA?

MARC LENOT

2021-07-08
VIAGENS COM UM FOTÓGRAFO (ALBERS, MULAS, BASILICO)

VICTOR PINTO DA FONSECA

2021-05-29
ZEUS E O MINISTÉRIO DA CULTURA

RODRIGO FONSECA

2021-04-26
UMA REFLEXÃO SOBRE IMPROVISAÇÃO TOMANDO COMO EXEMPLO A GRAND UNION

CAIO EDUARDO GABRIEL

2021-03-06
DESTERRAMENTOS E SEUS FLUXOS NA OBRA DE FELIPE BARBOSA

JOÃO MATEUS

2021-02-04
INSUFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO ARTÍSTICA. EM CONVERSA COM VÍTOR SILVA E DIANA GEIROTO.

FILOMENA SERRA

2020-12-31
SEED/SEMENTE DE ISABEL GARCIA

VICTOR PINTO DA FONSECA

2020-11-19
O SENTIMENTO É TUDO

PEDRO PORTUGAL

2020-10-17
OS ARTISTAS TAMBÉM MORREM

CATARINA REAL

2020-09-13
CAVAQUEAR SOBRE UM INQUÉRITO - SARA&ANDRÉ ‘INQUÉRITO A 471 ARTISTAS’ NA CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2020-08-07
MUSEUS, PATRIMÓNIO CULTURAL E “VISÃO ESTRATÉGICA”

PAULA PINTO

2020-07-19
BÁRBARA FONTE: NESTE CORPO NÃO HÁ POESIA

JULIA FLAMINGO

2020-06-22
O PROJETO INTERNACIONAL 4CS E COMO A ARTE PODE, MAIS DO QUE NUNCA, CRIAR NOVOS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA

LUÍS RAPOSO

2020-06-01
OS EQUÍVOCOS DA MUSEOLOGIA E DA PATRIMONIOLOGIA

DONNY CORREIA

2020-05-19
ARTE E CINEMA EM WALTER HUGO KHOURI

CONSTANÇA BABO

2020-05-01
GALERISTAS EM EMERGÊNCIA - ENTREVISTA A JOÃO AZINHEIRO

PEDRO PORTUGAL

2020-04-07
SEXO, MENTIRAS E HISTÓRIA

VERA MATIAS

2020-03-05
CARLOS BUNGA: SOMETHING NECESSARY AND USEFUL

INÊS FERREIRA-NORMAN

2020-01-30
PORTUGAL PROGRESSIVO: ME TOO OU MEET WHO?

DONNY CORREIA

2019-12-27
RAFAEL FRANÇA: PANORAMA DE UMA VIDA-ARTE

NUNO LOURENÇO

2019-11-06
O CENTRO INTERPRETATIVO DO MUNDO RURAL E AS NATUREZAS-MORTAS DE SÉRGIO BRAZ D´ALMEIDA

INÊS FERREIRA-NORMAN

2019-10-05
PROBLEMAS NA ERA DA SMARTIFICAÇÃO: O ARQUIVO E A VIDA ARTÍSTICA E CULTURAL REGIONAL

CARLA CARBONE

2019-08-20
FERNANDO LEMOS DESIGNER

DONNY CORREIA

2019-07-18
ANA AMORIM: MAPAS MENTAIS DE UMA VIDA-OBRA

CARLA CARBONE

2019-06-02
JOÃO ONOFRE - ONCE IN A LIFETIME [REPEAT]

LAURA CASTRO

2019-04-16
FORA DA CIDADE. ARTE E ARQUITECTURA E LUGAR

ISABEL COSTA

2019-03-09
CURADORIA DA MEMÓRIA: HANS ULRICH OBRIST INTERVIEW PROJECT

BEATRIZ COELHO

2018-12-22
JOSEP MAYNOU - ENTREVISTA

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


AS ALTER-NATIVAS DO BAIRRO DO GONÇALO M. TAVARES



MADALENA FOLGADO

2023-03-24




 

 

Prólogo: De 11 de Fevereiro a 2 de Abril está patente na Casa da Avenida em Setúbal a exposição A Narrativa são os outros, de Inês Pargana e Gonçalo M. Tavares. As moradoras noturnas do livro O Senhor Brecht e o Sucesso, da coleção O Bairro — no qual moram, entre outros ilustres moradores, por exemplo, O Senhor Valéry e O Senhor Kraus —, fazem nesta galeria a sua aparição em plena luz do dia. 

 

 

Quem pensava que o Bairro do Gonçalo M. Tavares era cul-de-sac, desengane-se. Existem, afinal, alter-nativas. Excepto ao meio-dia, altura em que a sombra é menor, segundo as indicações adicionais dos sinais de trânsito que se impõem tiranicamente às linhas de orientação do paradigmático urbanismo do escritor, transformando momentaneamente todas as ruas em becos sem saída. Os homens de sucesso, como O Senhor Brecht, são detentores de uma sombra muito longa ao início e final do dia — As pessoas sem sucesso também. É possível entrar e sair do Bairro pelas sombras d’O Senhor Brecht, que no entanto só escreve ao meio-dia, para nos poder sentenciar com maior precisão. Mas como a Inês Pargana é especialista em leitura dinâmica, desdobrou os textos do nascer ao pôr-do-sol, fixou todas as suas sombras com vigorosas linhas — inspirando-se no método de Dibutade, a primeira desenhadora — e transformou-as pela cor em pintura. Eis que o Bairro do Gonçalo assiste a um surpreendente acontecimento de alter-natividade. Nunca mais foi o mesmo.

Até à data, a Inês não se quer responsabilizar por ter sobrepovoado o Bairro do Gonçalo com alter-nativas. Houve quem acreditasse que era uma estratégia de fixação, não de sombras, mas de cotas para senhoras, neste Bairro até então de senhores. Esta coisa de recalcar as sombras é, dizem os psicólogos e psicanalistas, muito mais complexa do que imaginamos; parece que acabamos sempre a projectarmo-nos uns nos outros. É sempre melhor exercitar calma e criativamente a auto-ironia, como o Agostinho da Silva aconselhava. Talvez por isso a Inês tenha deixado de projectar arquitetura. Compreendo-a, de resto, muito bem. Expõe[-se] na Casa da Avenida em Setúbal, mas ainda assim, diz que A narrativa são os outros… Afinal, todos sabemos, porém nem sempre, que as coisas da arte têm mais que ver com a alteridade e menos com a identidade. A ingerência do Outro (=alter) que habita o inconsciente, partilhando connosco o grande caldeirão da criação, é, inevitável — Nunca saberemos quando neste Bairro se dará o próximo assalto à mão armada, de pincel ou esferográfica…Há uma certa insegurança no ar, podemos até nos sentir vulneráveis, o que é preciso, e não só porque é preciso: É tão preciso que corta o ar à pincelada e pelo aforismo. 

Surgem então nesta exposição gloriosos atos falhados proporcionais ao sucesso do Senhor Brecht. O Gonçalo já nos avisa na contra-capa do seu livro “O senhor Brecht é um contador de histórias, histórias por vezes políticas, e com um certo humor negro. Tem sucesso e isso é um problema”.  Os deslizes acontecem — embora não só — por via de erros e/ou supressões como a seguinte, que aqui assinalamos com parêntesis rectos, como manda a convenção: “na[rra]tiva”. Inês: Tu és uma alter-nativa; i.e., uma habitante outra do Bairro…Por favor, pára de culpar “os outros”! O gesto de apontar uma arma (pede-se ao leitor para fazer o gesto neste instante de modo a manter leitura dinâmica) implica-nos num ato falhado de dedos: Ao apontar o dedo indicador para o sentenciado, três apontam de volta. O polegar opositor é quem decide, como aliás desde sempre nos primatas — Os senhores que criaram os smartphones sabem o quão vantajoso é delegar a responsabilidade a este nosso ancestral decisor-opositor. Veja-se a arma-berbequim da Sátira pintada pela Inês, animal da cintura para baixo como o Gonçalo aponta, a partir de uma “Avaria” contada pelo Senhor Brecht, na qual o criminoso e o funcionário responsável pela sua execução trocam, literal e não figuradamente, de lugares.  

Mas o que vem a ser isto da leitura dinâmica? Não, não é essa leitura dinâmica. O leitor desinteressado pode encontrar um vasto leque de ofertas e serviços para — e é este o objetivo principal dessa outra leitura dinâmica — aumentar a sua velocidade de leitura. O que pressupõe, evidentemente, — ou se calhar não tão evidentemente — recalcar a Senhora Dona Anima que opera nas profundezas do Ser, numa voluptuosa colaboração criativa, e portanto de alteridade, com o Senhor Animus, segundo a concepção da psique humana do psicólogo Carl Jung. Com base na investigação destas duas instâncias, em A Poética do Devaneio, Gaston Bachelard defende a seguinte tese: “o devaneio está sob o signo da anima”. Por assim ser, “É nesse repouso feminino, longe das preocupações, das ambições, dos projetos, que vamos conhecer o repouso concreto, o repouso que descansa todo o nosso ser” — Ora esses outros leitores dinâmicos, não estão para tais devaneios. 

Uma das técnicas dessa outra leitura dinâmica, para ler até 10 vezes mais rápido, é evitar a subvocalização; i.e., mexer os lábios ou até — imaginem — as cordas vocais enquanto se lê. Num outro ensaio, A Poética do Espaço, Gaston Bachelard fala-nos de como aprendeu com um barítono, por sua vez informado por psicólogos experimentais, que não se pode pensar na vogal a, sem que as cordas vocais se mobilizem, o que faz com que pronunciar a palavra vasto, lentamente, tenha um efeito particularmente curativo em caso de depressão. A relação entre personagem e máscara vem do Teatro Grego; per sona, significa através do som, o som que passava através dos orifícios das máscaras dos actores. Felizmente a leitura dinâmica da Inês e do Gonçalo não é tapa-buracos; nesta exposição as personas e as sombras podem caminhar juntas e desvairadamente à solta — o que aliás nos devolve uma certa humanidade. As personagens femininas, masculinas ou transgénero que nos habitam podem, em A narrativa são os outros — não fosse esta uma exposição de personagens e sombras — usar livremente as nossas cordas vocais e lábios…E claro, o par romântico pode encontrar-se nas margens das páginas dos livros: O Animus da Inês, a instância psíquica mais ativa, ali deixou uma série de anotações para a sua Anima, a habitante das profundezas do Ser, que são também expostas na Casa da Avenida. Não são propriamente românticas, mas cada par amoroso sabe de Si Mesmo. Isso, que também chamam de Self, i.e., isso que pode ser lido como selfie, se muito velozmente, e que se refere à totalidade psíquica que sempre nos escapará. 

A Anima é — para os outros leitores dinâmicos — uma preguiçosa. E por falar em selfies, a Inês pediu aos seus seguidores do Instagram para lhe enviarem “retratos em versão preguiçosa”, após ter lido “Um país agradável” do Senhor Brecht, país esse povoado por pessoas preguiçosas. Pintou alguns em superfícies espelhadas e expôs. Foi no entanto tão lenta, que o Gonçalo sentenciou:  “Todos os / Teus / re / Tratos são / falsos. / Até o espelho / está / Desatualizado”. Como se pode ler, é-me difícil transcrever a sentença, porque o escritor, afinal, também desenha. Os T’s são afinal ✝…Eis que sucede uma verdadeira chacina narcisista: Os reratos, devido aos maus tratos, transformam-se em ratos e os ✝eus em eus mortos. E como com certeza já perceberam, para que a transcrição de uma sentença se torne um poema, as barras diagonais que separam os versos evitando que o poema ocupe inutilmente espaço na vertical ( / ), têm de passar a ser perpendiculares ao texto ( | ) — Como guilhotinas, precisas. Os outros leitores dinâmicos não apreciam coisas inúteis. 

Após ver as pinturas da Inês pela primeira vez — pausa inútil para o leitor se aperceber que Inês rima com vez, embora não se verifique aquele excesso que nos suspende próprio da poesia, o que nos faz neste instante cair a pique — o Gonçalo, segundo palavras suas, sentiu “vontade de fazer qualquer coisa em conjunto”. Refere mesmo: “Senti uma ligação direta entre aquelas personagens por vezes assustadoras, por vezes intrigantes, com alguns dos meus textos e, de repente, houve uma ligação que me pareceu não apenas possível mas quase necessária” — Arriscou a alteridade nos vários cadernos de desenhos colocados lado a lado com as pinturas da Inês, como legendas outras — ou mesmo lendas outras — ainda que tenha desenvolvido alguns anticorpos. Ganhou essa (já) estranha imunidade que se adquire via vulnerabilidade — Mas em caso algum se pense que são legendas de santo. 

Em A Expulsão do Outro, Byung-Chul Han fala-nos dos perigos da proliferação do idêntico, e por conseguinte, da identidade, por desaparecimento — ou recalcamento — do outro. Fala-nos do aturdimento gerado pelos ecrãs, onde a comunicação se dá via cumulativa e de modo a satisfazer e se adaptar completamente ao nosso gosto. E, ainda, que tal proliferação é “comatosa”, i.e., não geramos anticorpos para a gordura. O que me leva a crer que existem então muitos modos de obesidade mórbida, alguns até em corpos em muito boa forma física. Leio no caderno-guilhotina ao lado da pintura que comunica com o texto “Turistas”: “É im / por / ✝an / ✝e não ✝omar / banho / na / piscina dos Mortos [e uma linha desliza]”. Nesta pintura não há proliferação do idêntico. 

O Outro irrompe como uma guilhotina — Já foste. Os pequenos textos são assinados pelo Gonçalo e…não são ass[ass]inados pelo Gonçalo. É o que acontece, quando se pensa e escreve ao mesmo tempo, sem possibilidade de revisão, como refere a propósito do seu acontecer — E que maravilhosa liberdade! Têm vontade própria; como aquelas assinaturas aparatosas, segundo os especialistas em grafologia, das pessoas que se dão muita importância, e portanto, que estão condenadas ao sucesso sem felicidade, que segundo um famoso coach de auto-ajuda, em tempos ao serviço do Sir Anthony Hopkins, é o próprio fracasso. Nesta coisa do sucesso é preciso, com precisão mortal, encontrar alter-nativas: Uma em particular, a nossa Anima, segundo Gaston Bachelard, onde “descansa todo o nosso ser”, e portanto, onde se descansa — por integração da personalidade — em paz ✝. Diria mesmo que são precisos abismos — e note-se, uma vez mais, como os pequenos textos parecem pouco resistir à gravidade — como que para poder morrer, e então renascer, neste ou noutro Bairro, através da felicidade do que pode ser-fazer coisas em conjunto. Desejemos-lhes, se possível com muita sinceridade, muito sucesso! 

 

 

Este texto foi primeiramente publicado, conjuntamente com o texto de Emília Ferreira O narrador é cada um de nós, no catálogo da exposição A narrativa são os outros, lançado dia 4 de Março de 2023, na Casa da Avenida em Setúbal

 

 

Epílogo 

O MENINO NICOLAU E A GAIVOTA

 

Quem é o menino Nicolau? Procurei num motor de busca da internet o significado do nome Nicolau e eis o que encontrei: “o que vence com o povo”, “o que conduz o povo à vitória” ou até o próprio “povo vitorioso”. E que gaivota é esta?  É uma Gaivota que se cruzou no meu percurso, enquanto caminhava junto ao Tejo, há cerca de quatro anos. E, que me resgatou de um quase afogamento; de uma perigosa corrente formada pelos meus próprios pensamentos — felizmente, mudei de direção. Grasnando vigorosamente, fez-me emergir e voltar a cair, mas desta feita, no Real. Tão empenhada que estava em me salvar, que mesmo lhe tendo sido oferecida comida por uma pessoa que merendava no banco onde pousou (repare-se a sombra de um saco com comida à esquerda na fotografia), manteve-se estoicamente quieta — a ponto de se deixar fotografar para a posteridade — É, portanto, uma Gaivota com sentido histórico. 

Ainda que o seu grasnar fosse um tanto ousado, quase excedendo o número de decibéis autorizado para a sua espécie, porém, não podendo apontar (porque apontar na maioria dos casos é feio, e como referimos no texto principal, implica-nos num ato falhado de dedos), pousou junto de um stencil grafiti, onde se lê:  “Cumpre-te” — a saber, uma exortação do Agostinho da Silva. Claro está que estamos ainda sob a influência sentenciosa do Senhor Brecht. Cumprirmo-nos — sentença curta, aqui com a Gaivota, fábula curta, como a Fábula Curta de Kafka, mas ainda mais curta — implica-nos num diálogo com o e-terno; para lá do espaço-tempo. E é aí que entra o Senhor Augusto da Cruz dos Santos, ilustre visitante do Bairro e avô da Inês Pargana, que fez nesta exposição a sua aparição. Veio diretamente do Bairro do E-terno, carregado de ternura para a todos oferecer. Vive neste Bairro porque escreveu histórias tão importantes e decisivas para a nossa Humanidade como Os passeios da menina Inês, O livro do João Martim, A formiga perdida e outras histórias, O tronco navegador, Coisas e loisas do nosso peregrinar…Todas para os seus netos e bisnetos.

Conta-me a Inês que o avô a ensinou a prestar atenção. Melhor: A oferecer generosamente a Atenção, contemplando diferentes ritmos de existir, espécies, coisas animadas e não animadas, mas sempre animadas — Espero que nos ajude deste modo no nosso Desafio Ecológico. Por um niquinho não conseguiu escrever o conto do Niquinho; assim se refere a Inês de modo ternurento ao seu filho mais novo, o Nicolau. Cumprir-se é, também, não querer ser igual a ninguém — ou não contribuir, por servidão voluntária, como vimos antes, para a proliferação do idêntico. O Gato do Agostinho da Silva lembrava-o todos os dias para ele mesmo, o Professor, se cumprir — era uma fábula repetitiva, mas precisa, narrada pelo exemplo e não apenas com palavras, por aqueles que já são o que são, e por isso fazem coisas inanarravéis. E como é que o Senhor Augusto da Cruz dos Santos nos avisou da sua visita? Enquanto ainda escrevia o texto, dei particular atenção às cruzes do Gonçalo — Não fosse ele o Senhor Augusto…da Cruz dos Santos. Depois, ocorreu-me citar, como há anos não me lembro de o fazer, o Agostinho da Silva. E quis o texto — o texto é que manda sempre — que referisse o tal gesto; o de apontar, no caso, uma arma. 

O gesto deve ter ficado no meu subconsciente: Logo à entrada da Casa da Avenida, podemos ver um auto-retrato da Inês, a convidar-nos para subir para a exposição. Mas a verdadeira aparição do habitante do Bairro do E-terno, chegou-nos, imediatamente após a Inês ter tido acesso ao texto que escrevi, antes ainda de ter sido publicado no catálogo da exposição. Depois de o ler, fala-me da surpresa e co-incidência significativa de ter referido algo que também refere muitas vezes; a saber, o facto de quando apontamos o dedo indicador, os outros três apontarem para nós de volta — no caso particular de apontar uma arma, o polegar aponta para cima, para o Bairro do E-terno. Porém, totalmente inconsciente foi a referência ao Agostinho da Silva, muito estimado pelo seu avô, a ponto da Inês ela mesma ter uma fotografia de ambos em sua casa, numa moldura que o próprio fez. Essa constatação foi feita através de uma troca de mensagens por WhatsApp, e a fotografia que aqui publicamos sem qualquer edição, enviada em anexo. 

Vemos então um reflexo da Inês sobre o vidro da moldura — um sorriso ternurento. Um Gato, que, por-ventura, dir-lhe-á como o do Agostinho da Silva o mesmo, porém o mesmo não é o idêntico — segundo também Byung Chul Han —, e, uma almofada cujo padrão se estende para a minha fotografia da Gaivota, em particular, para as pedras da calçada atrás da mesma. E ainda…e-videntemente, os gestos: O Senhor Agostinho da Silva aponta para o Senhor Augusto da Cruz dos Santos, porque sabe que se cumpre; é uma exortação que faz ricochete — Possa "cada um ser o que é e deixar ser contagioso". O avô da Inês faz, solenemente, o gesto de colocar a mão no peito, o mais próximo do coração — Cumpriu-se. Ambas apenas reparámos nos gestos naquele instante, em que olhávamos com Atenção para a fotografia, no caso da Inês, uma vez mais — As imagens têm vida própria, é preciso ter cuidado. 

O Professor dizia que o que lhe interessava era que a Vida fosse ela própria uma ficção, i.e., vivida como tal, com aspectos que até parecem ficção…mas são bem reais. Por falar em Real, o Senhor Miguel Real, numa sessão em sua homenagem, esclarece-nos sobre o que seria isso da Terceira Idade, a do Espírito Santo, ou, ainda, O Quinto Império, segundo Luís de Camões e o Padre António Vieira, de que tanto falava Agostinho da Silva. O culto do Espírito Santo havia sido introduzido em Portugal pela Rainha Isabel de Aragão, devota do abade calabrês Joaquim di Fiore. O abade referia-se a uma Idade do Pai — da Autoridade —, seguida de uma Idade do Filho — do Sacrifício —, e, por fim, o tão esperado advento da Idade do Espírito Santo — a Idade de um Messias Colectivo, dir-se-ia, o próprio “Povo Vitorioso”, ou Nicolau. No Culto do Espírito Santo português — com particular incidência no Brasil e Açores — coroa-se uma Criança, um menino ou menina tornado Imperador ou Imperatriz. E toda a procissão é marcada pelo desfile de crianças. Mas o escritor Miguel Real torna o advento laico, porém, não menos sagrado: A Idade do Espírito Santo seria antes, coroar o que de mais puro existe em nós, e portanto simbolizado pela e-terna Criança. 

O escritor refere-se a essa Criatividade, a da Criança, quando em nós des-coberta — O Quinto Império e os seus Imperadores são, portanto, esses outros Des-cobrimentos. Seja o Nicolau connosco co-coroado; possamos cumprirmo-nos colectivamente, com o que temos no peito, como nos  sugere o Senhor Augusto da Cruz dos Santos. Saibamos e em favor da nossa Liberdade, cada vez melhor traduzir. Na origem da palavra traduzir, está o sentido de transladar; i.e., deslocarmo-nos transportando algo de valioso, e portanto, de algum modo, vadiar, como também exortava o Professor — Ser conduzidos pela Vida que somos e que dá a si própria forma.  Traduzir, por exemplo, as Três Idades de Fiori, por outras trindades, como As Três Metamorfoses do Espírito de Nietzsche, respectivamente, do Camelo, do Leão e — também — da Criança. Para já, porque próximos de Abril, O Menino Nicolau e a Gaivota, e eis que com o título chega também a canção: Uma Gaivota voava, voava, asas de vento...Nascemos, de facto, livres. 

As coisas da Arte estão fora do espaço-tempo, mas são por nós fixadas no Real, que incluí também a nossa imaginação — Ou, dir-se-ia, fixadas pela nossa realeza. Caso contrário, não passam de modas; ouvimos por isso alguns críticos de arte dizer: “Isso é tãaaao final dos anos noventa…ou tãaaaao…”. A propósito do Quinto Império, Agostinho da Silva fala-nos de ouvir a Deusa, na Ilha dos Amores. E o que seria tal chamado? Segundo o Professor, referindo-se aos cantos IX e X d'Os Lusíadas, tal resgate dos marinheiros implicaria, primeiro, que os corpos se apaziguassem para que a cabeça estivesse livre e então ouvir a voz da Deusa; e, segundo, que a Deusa pudesse então arrancá-los das limitações do espaço-tempo, deste modo pressentindo o Futuro como um Passado e Presente simultâneos. Foi assim que aconteceu com a Gaivota que me resgatou, ali mesmo, ao pé da Agência Europeia de Segurança Marítima, no Cais do Sodré, em Lisboa. Deixemo-nos de modas e saibamos dar a ver os modos pelos quais a vida dá a si própria a sua forma; se rasga e expande na sua dimensão poética, pelo encontro com o Outro. E, segundo o Professor, pelo exemplo, ser cada vez mais "poeta à solta".  
 

:::

 

Madalena Folgado

É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa e investigadora do Centro de Investigação em Território, Arquitetura e Design; e do Laboratório de Investigação em Design e Artes, entre outras coisas.