Links

PERSPETIVA ATUAL


Fig. 1 - Michelangelo Pistoletto, Love Difference, Mar Mediterrâneo (2003-2005), Fondazione Pistoletto, Biella. Photo: P. Terzi


Fig. 2 - Marco Martins, Still do vídeo Twenty One Twelve, The Day The World Didn’t End, Noriko Morita, Kamisua Nagan (Japão), 12min.

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



AMAR AS DIFERENÇAS: MICHELANGELO PISTOLETTO E MARCO MARTINS



FILIPA COIMBRA

2014-03-18




“Uma grande parte das nossas interacções quotidianas com os nossos companheiros de humanidade são empáticas, porque essa é a nossa verdadeira natureza. É pela empatia que criamos a vida social e fazemos progredir a civilização”. [1]
Jeremy Rifkin

Um experimentado artista italiano, pioneiro da arte povera, teórico e activista; um cineasta português, internacionalmente premiado; duas nacionalidades; duas gerações; duas formações e territórios disciplinares distintos: não há dúvida que é pela diferença que somos convocados a participar neste diálogo. Não será de estranhar, neste sentido, que o percurso bifurque logo de início: à esquerda, Vinte e Um Doze, O dia em que o mundo não acabou, de Marco Martins; separadamente, à direita , Love Difference – Mar Mediterrâneo, de Michelangelo Pistoletto. Um convoca-nos para o intimismo da sala escura apenas iluminada pelo ecrã; no outro, a luz invade uma ampla nave ocupada por uma instalação que atrai imediatamente o nosso olhar e dita o início do nosso percurso. Deparamo-nos, então, com duas dezenas de assentos – cadeiras, bancos e tapetes – todos diferentes e dispostos em redor de uma mesa espelhada cuja forma representa a hidrografia do Mar Mediterrâneo, sendo estes correspondente ao número de países banhados pelo respectivo mar. Num primeiro olhar, esta diversidade é evidenciada pela própria estética do sentar.
Sentar e assentar são palavras que derivam do latim, de sedere (i. e. estar sentado) e significam, ter assento, participar, registar, firmar, fixar, aplicar, pousar ou, sossegar. Já a palavra latina Sedes, significa cadeira, assento e está na origem da palavra sede, lugar de encontro, de convergência, de diplomacia, e de decisão. Sentarmo-nos com outros pressupõe proximidade física e a partilha de um momento, esbate as hierarquias e promove a horizontalidade.

A instalação Love Difference, Mar Mediterrâneo [Fig.1] é, de facto, uma mesa de conferências que, pela sua itinerância, tem sido palco de vários debates . Resulta do projecto promovido pela Fondazione Pistoletto, Love Difference – Artistic Movement for an InterMediterranean Politic, criado em 2002 em Biella, Itália, terra natal de Michelangelo Pistoletto, que procura promover a transformação social responsável e mediar conflitos entre os países do Mediterrâneo, nesse lugar de confluência de vários continentes (Europa, Ásia e África a sul).

As obras de Pistoletto, têm este duplo carácter, reflexivo (literalmente) e participativo, ou seja, a arte enquanto metáfora do mundo e que incita à mudança de comportamentos e de mentalidades. No seu tratado sobre a empatia, o teórico Jeremy Rifkin, evidencia bem esta importância da metáfora enquanto metodologia na construção da empatia entre indivíduos:

É através de metáforas(...)que imaginamos e construímos o essencial da nossa realidade. Elas enriquecem a nossa experiência física e nos fornecem um elemento narrativo que os outros podem utilizar e compreender tão bem quanto nós, porque estas fundamentam a nossa consciência da vida sob orientações corporais, espaciais e temporais, comum a todos os humanos.[2]

Jeremy Rifkin, defende que nesta nova era, o homo aeconomicus, herdeiro das teorias darwinianas, freudianas e utilitaristas, cede cada vez mais o lugar ao homo empathicus. Esta revolução no modo de pensar e agir, passará necessariamente pelo estabelecimento de novas formas de sociabilidade e interacção entre os indivíduos, cada vez mais capazes de entender a diferença, de tolerar e tentar articular-se com os outros. A empatia possibilita que se esbatam as hierarquias e diferenças de estatuto social ou cultural, ocorrendo «numa instância espaço-temporal» de entendimento, igualdade e reconhecimento em que o «meu e o teu se confundem».

O exotismo das diferenças estéticas e culturais cede lugar ao universal, ao que é comum a todos os povos. A imagem da diversidade é reflectida pelo espelho – processo, jogo, engenho, que, indirectamente, multiplica e desdobra – cujo recorte e reentrâncias afirmam a sua especificidade atestando, simultaneamente, a heterogeneidade das suas margens. [3] Mas é ainda o espelho que transmite uma imagem de representação de conjunto, de pertença a um espaço comum, de participação, da superação da visão (panóptica), ao sairmos de nós próprios enquanto elemento central que observa os outros e vermo-nos representados numa imagem de conjunto, sem hierarquias de perspectiva.

Ao revelar as emoções dos outros, o espelho, desencadeia ainda o mimetismo inconsciente, ou seja, a resposta dada pelos nossos neurónios-espelho mediante estímulo directo. A descoberta dos neurónios-espelho ocorreu em 1996 pela equipa liderada por neurocientista, Giacomo Rizzolatti constatando que: “(...) os neurónios espelho permitem, aos humanos – e a outros animais – apreender o espírito dos outros como se os seus pensamentos e comportamentos fossem os nossos”. [4] Amar as diferenças é enriquecermos colectivamente, é aproximarmo-nos na nossa humanidade, no nosso sentir o outro e ser sentido pelo outro.

Esta ideia de pluralismo, dos vários olhares e possibilidades é reafirmada na própria concepção da exposição, onde um mesmo formato pode ser apresentado de diferentes formas e temporalidades, como o filme de Marco Martins, Vinte e Um Doze. Podemos vê-lo numa apreciação de conjunto, de totalidade (um ecrã), quando é apresentado na sala escura da entrada; ou na sua versão fragmentada e combinatória, onde cada uma das doze partes do filme é autonomizada ao ser apresentada em ercãs independentes, em série.
É para lá que seguimos agora: ao fundo e na transição para a sala seguinte, é-nos apresentado o primeiro ecrã do filme Vinte e Um Doze, O dia em que o mundo não acabou, de Marco Martins [Fig.2], que resulta numa proposta cinematográfica cuja origem procura evidenciar algumas das questões levantadas por Michelangelo Pistoletto no seu livro Il Trezo Paradiso, entendendo «terceiro paraíso» como evolução, como o lugar de fusão entre dois mundos: onde o mundo natural e o mundo artificial se conciliam, se equilibram. Nele, Pistoletto, propõe que o mundo artificial, responsável pelo progresso, abrande o seu ritmo, travando a entropia que inflinge sobre o planeta, e que se envolva responsavelmente com o mundo natural.

Após ter reunido com o artista e num exercício de grande liberdade, Marco Martins procurou captar o despertar deste um novo início. Optando pela simbiose entre o documentário e a narrativa ficcional, filma doze protagonistas em, e com, contextos bem distintos, no decorrer de uma mesma sucessão cronológica – o décimo segundo mês do ano de 2012, dia 21 – o dia que, segundo as profecias do Calendário Maia, seria o último, na Terra.
O fim de uma era e o início de outra, contrários aos pressupostos processuais do velho método historiográfico e à previsão do calendário Maia, não obedecem a uma demarcação cronológica precisa, essa transição vai, simplesmente, acontecendo, tal como a vida destes protagonistas se transforma gradualmente na continuidade das suas actividades, rotinas e rituais (individuais e colectivos), num processo semelhante à mudança das estações do ano – onde, paradoxalmente, a descontinuidade ocorre na continuidade, na orgânica evolutiva da rotina.

É, também aqui, a diversidade o grande catalisador que nos permite, através dessa noção de conjunto, apreender a coexistência de geografias, de temperaturas, de paisagens, de ritmos, de sons, de línguas, de símbolos, de actividades profissionais, e ainda, de práticas artísticas, de matérias-primas e de percursos criativos tão díspares. Marco Martins, amplia exponencialmente este efeito, através da simultaneidade e do potencial combinatório das doze partes do filme – com durações distintas e apresentadas continuamente, em loop – capazes de sugerir infindáveis associações e diálogos. Este movimento dinâmico é essencial para destacar a forma como a diversidade dilata os nossos sentidos e a nossa compreensão do mundo, acentuando a imagem do movimento da Terra e do universo e a forma como se desencadeia a sucessão dos ciclos. Esta simultaneidade, que inicialmente cria um ambiente onírico, disperso e cacofónico, à medida em que se vai mergulhando na intimidade de cada instância espaço-temporal, de cada possibilidade, torna-o, gradualmente, mais acolhedor e envolvente e, até certo ponto, familiar.

A possibilidade de vivermos simultâneamente realidades múltiplas, a noção desse movimento permanente, desse fluxo, potenciados pelos sons e pelos contrastes lumínicos – como no movimento da noite de Tóquio (parte IX) e na agitação das partículas de pó iluminadas pelo sol em Trás-os-Montes (parte X), apresentados lado a lado – confrontam-nos com o nosso verdadeiro lugar no mundo. Esse lugar não corresponde ao isolamento e angústia existencialistas mas, pelo contrário, a um certo sentido de semelhança e partilha com a humanidade. Esta desfragmentação da realidade e da representação resulta, mais do que uma autonomização, numa complementaridade sem hierarquias, para além das afinidades óbvias ao Il Trezo Paradiso de Pistoletto, e ao facto de iniciar em Biella e terminar em Lisboa, os locais de onde são originários os dois artistas. É nessa combinatória que se constrói uma representação comum de Humanidade. Esta realidade não linear, possibilita um efeito especulativo, de problematização, que expande o campo das interacções e consequentemente, das interpretações.

Numa época marcada pela inter-conectividade e pela visibilidade, pelo aumento dos contactos e de relações que mantemos com os nosso parceiros de sociedade, a desfragmentação do sujeito é apenas uma das suas consequências: aprendemos hoje a encenar e a representar o papel do outro, a desmultiplicar-nos por forma a estabelecer entendimento. [5]

Marco Martins, tal como Pistoletto, não se limita a convocar o nosso olhar e reflexão, não somos meros espectadores. Sem artifícios e manipulações de luz e som, mergulhamos profundamente naqueles lugares, sobretudo nos espaços interiores, onde a crueza, a veracidade das luzes, das sombras e os sons dos movimentos criam um ambiente de intimidade e de partilha, onde os protagonistas nos revelam a sua individualidade, a sua vulnerabilidade e a sua humanidade, na qual revemos a nossa, como num espelho, através deste efeito de retroacção da imagem.

As diferenças dissipam-se, pouco a pouco, quando percebemos que, todos, obedecemos a uma certa rotina ditada pela presença e ausência da luz solar, pelas nossas necessidade biológicas básicas e pela nossa adaptação e interacção com a sociedade. Este sentimento de semelhança, este vermo-nos nos outros, é ainda reforçado por outros denominadores comuns, como a casa, o lar, que corresponde à imagem-arquétipo do abrigo, dessa necessidade humana básica a segurança, a procura de protecção e de aconchego.[6] Desta dicotomia comunidade-indivíduo, uniformização-diferenciação, agrupam-se-lhes outras tantas: dia-noite; exterior-interior; actividade-descanso; agitação-sossego; barulho-silêncio. E, contrariamente ao que poderíamos pensar, mais do que antagónicas, elas são dialécticas.
A diferença repercute-se, transversalmente, ao longo de todo o percurso, terminando com uma das questões que marcou profundamente a diplomacia internacional da primeira década do novo milénio: uma boa parte dos conflitos mundiais resultaram, e resultam ainda, do fundamentalismo religioso, como tal, Multiconfessionário e Lugar Secular de Meditação, apresenta-se como um lugar neutro, de paz, partilhado pelas diferentes religiões, bem evidenciado pela opção do branco. Multiconfessional é sinonimo de multi-religioso, do reconhecimento da liberdade religiosa e da tolerância de credo, como tal, símbolos de várias religiões estão dispostos em torno de Metro Cubo do Infinito – elemento explorado por Pistoletto desde meados da década de 1960 – cujo equilíbrio e racionalismo das formas se confronta com a multiplicação e prolongamento da sua imagem até ao infinito, através dos espelhos das arestas que possibilitam, dessa forma, uma pluralidade de reflexos, perspectivas e combinações capazes de, a partir daí, promover a tolerância e a reflexão, mas também uma espécie de acto de contrição relativamente ao passado.

Uma vez mais temos o espelho, neste caso, um complexo de espelhos, que reflectem outros tantos espelhos. Há portanto, permanentemente, uma fecundidade de discursos. [7] A fixidez da verdade , dá lugar ao movimento das várias verdades; o definido ao indefinido; a identidade dá lugar à mistura de identidades, à transnacionalidade.

A partir dos territórios disciplinares e suportes artísticos distintos destes dois artistas, é-nos permitida a ampla exploração multicultural dos modos de vida, marcados pela diferença das suas especificidades, mas sobretudo – pela proximidade (que criamos ao sentarmo-nos ao redor de uma mesa) e pela revelação da intimidade/humanidade dos outros (ao acompanharmos alguém no seu dia-a-dia) – é-nos proposto o redimensionamos do nosso eu, não apenas porque somos confrontados com a multiplicidade e simultaneidade de tantos outros tu, mas ainda pela participação num processo activo de envolvimento, ao colocarmo-nos no papel do outro. Como refere Rifkin, “[as verdades] não são nem objectivas nem subjectivas, são interpretações situadas no intervalo onde o «meu» e o «teu» se encontram para criar um espaço de experiência comum. É lá que se «fabrica» a realidade”.[8]

Se a diferença é, de facto, o fio condutor de toda a exposição, a verdade é que percorrido todo o caminho, terminamos com uma sensação de pertença e de intimidade. Amar as diferenças, aqui e na vida, é termos consciência que somos apenas uma entre milhões de possibilidades e realidades e, participar activamente nesse encontro.



Filipa Coimbra é licenciada em História da Arte pela Facildade de Letras da Universidade de Coimbra e mestre em Crítica de Arte e Arquitectura pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.



Amar as Diferenças
de Michelangelo Pistoletto e Marco Martins
Curadoria: Centro de Criação de Teatro e Artes de Rua

BES Arte & Finança
30 de Janeiro a 15 de Abril



>>>>>>

Notas

[1] RIFKIN Jeremy, Une Nouvelle Conscience pour un Monde en Crise. Vers une civilisation de l’empathie, título original, The empathic civilization: the race to global consciousness in a world in crisis, trad. Françoise e Paul Chemla Les Liens qui Libèrent, Paris, 2011, p. 18.
[2] RIFKIN Jeremy, pp. 146-147.
[3] O espelho pode ser utilizado de maneiras antagónicas, potenciando o narcisismo e auto-contemplação, ou desencadeando múltiplas realidades, aliás, esta ultima dimensão foi amplamente desenvolvida por Tzvetan Todorov relativamente à Literatura Fantástica e na pintura não faltam também exemplos, desde Jan van Eyck, a Diego Velásquez, a Édouard Manet, a René Magritte, só para nomear alguns exemplos.
[4] RIFKIN Jeremy, p. 82.
[5] A propósito da visibilidade e dos fenómenos para-sociais, ver também HEINICH, Nathalie, De la visibilité. Excellence et singularité en régime médiatique, Éditions Gallimard, 2012.
[6] Ver BACHELARD Gaston, A Poética do Espaço (1957), (trad.) Antônio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal, Livraria Eldorad, Rio de Janeiro, s.d.
[7] Ver TODOROV Tzvetan, Introdução à Literatura Fantástica, Perspectiva, São Paulo, 1992, p.65.
[8] RIFKIN Jeremy, p. 149.


Sildenafil india citrate online propecia australia buy viagra india in price http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-paypal/ side effects of viagra cialis and levitra, levitra dosage buy propecia online generic.
Priced viagra discount viagra generic canada http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra doses mg online viagra cialis buy http://www.saludos.com/award.htm best erectile dysfunction pills, difference cialis between levitra and purchase cialis canada.
Soft viagra 100mg at cialis buy walmart buy viagra pay with paypal levitra vardenafil generic, cialis what look does like 20mg price cialis tadalafil.
Viagra you buy mexico can sildenafil the citrate over counter x tadalafila sildenafil tab tadalafil, tablets propecia india in cialis viagra levitra vs vs.
Sublingual levitra buy cialis paypal online pay with cialis 5mg http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-in-new-york/ viagra 200mg, viagra paypal online generic levitra for.
Uk levitra generic buy tadalafil dosage liquid viagra nome de generico vardenafil cheap levitra, soft online viagra levitra how to take.