Links

PERSPETIVA ATUAL


Anja Kirschner e David Panos, Ultimate Substance, HD video still, 2012.


Anja Kirschner e David Panos, Ultimate Substance, HD video still, 2012.


Anja Kirschner e David Panos, Ultimate Substance, HD video still, 2012.


Fiona Tan, Inventory, Instalação HD e video, 2012. Courtesia da artista e de Frith Street Gallery, Londres.


Fiona Tan, Inventory, Instalação HD e video, 2012. Courtesia da artista e de Frith Street Gallery, Londres.


Fiona Tan, Inventory, Instalação HD e video, 2012. Courtesia da artista e de Frith Street Gallery, Londres.


Lonnie van Brummelen e Siebren de Haan, Monument to Another Man’s Fatherland: Revolt of the Giant, reconstruído a partir de reproduções, 2008-2009. 35mm film stills


Lonnie van Brummelen e Siebren de Haan, Monument to Another Man’s Fatherland: Revolt of the Giant, reconstruído a partir de reproduções, 2008-2009. 35mm film stills


Lonnie van Brummelen e Siebren de Haan, Monument to Another Man’s Fatherland: Revolt of the Giant, reconstruído a partir de reproduções, 2008-2009. 35mm film stills


Mark Lewis, Nude, 5’49”. Still do filme cortesia e copyright do artista e de Daniel Faria Gallery, 2015.


Mark Lewis, Nude, 5’49”. Still do filme cortesia e copyright do artista e de Daniel Faria Gallery, 2015.


Mark Lewis, Nude, 5’49”. Still do filme cortesia e copyright do artista e de Daniel Faria Gallery, 2015.


Rosa Barba, The Hidden Conference: A Fractured Play. Filme de 35-mm, 5min, 2012. Still de filme © Rosa Barba


Rosa Barba, The Hidden Conference: A Fractured Play. Filme de 35-mm, 5min, 2012. Still de filme © Rosa Barba

Outros artigos:

2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

AS IMAGENS EM MOVIMENTO OU O MOVIMENTO DA HISTÓRIA EM IMAGENS



PAULA PINTO

2017-10-09




 


 


Na exposição “The Very Impress of the Object: Escultura em Filme”, Penelope Curtis formula a pergunta: “Por que razão os artistas, em particular os que trabalham com imagens em movimento, se interessam hoje pela absoluta imobilidade corporizada numa escultura clássica?”


Mais do que responder a uma pergunta que se materializa, de diferentes modos, em cada um dos filmes em exposição, procurarei historiar um contexto comum de trabalho que assenta no fascínio pela atualização cultural dos objetos de arte. Neste processo, a imobilidade da estatuária apresenta-se como uma figura determinante para revelar o movimento da história: se a fotografia tem registado a transformação da história através da justaposição de imagens reprodutivas, o filme parece revelar-se um veículo apto a fixar esse movimento, mesmo tendo por sujeito um objeto imóvel.


Todos os artistas presentes na exposição “Escultura em filme”, trabalharam a escultura clássica através da sua exibição em museus, revelando o fascínio pela distância que a arte clássica estabelece em relação ao estatuto da obra de arte contemporânea. Fiona Tan filma no John Soan’s Museum, onde cada sala foi preservada como uma composição da história; Rosa Barba filma nas reservas do Museu Capitolino em Roma como se esse espaço sem acesso público fosse, inversamente, isento da montagem da História; Mark Lewis filma a estátua helenística de Hermafrodita no Louvre afirmando o papel dos meios de percepção do espectador contemporâneo; por outro lado, impedidos de reproduzir os 113 metros de baixo-relevos do Altar de Pérgamo, Lonnie van Brummelen e Siebren de Haan reconstroem a história reprodutiva do monumento através de uma montagem fotográfica tornada linear pelo dispositivo fílmico. Eles transformam a história num objeto pós-moderno [1]: imagem e discurso são conscientes da sua mediatização, reconhecendo o diálogo estabelecido entre diferentes entidades e consequentemente, afirmando-se de forma autocritica. Só Anja Kirschner e David Panos elegem antes o Museu de Numismática de Atenas e as vizinhas minas de Lavrio, invocando a capacidade de abstração conferida ao valor monetário, para interrogarem a aparente solidez da história enquanto matéria-prima. Em vez de legendar os objetos da história, optam pela pergunta: “Será que a história permanece inalterada?”


O museu é o lugar que atribui um valor inquestionável a toda a obra de arte e confere uma garantia sobre a sua preservação: é o espaço prometido da memória histórica. Contudo, foi este mesmo lugar que permitiu aos artistas pós-modernos questionar o estatuto das obras de arte. Foi depois da fotografia ter sido recebida no museu e ter conquistado um mercado, que os fotógrafos reabriram as fronteiras ao entendimento da reprodução enquanto uma forma discursiva de representação visual; sublinhando a capacidade do medium para sobrepor práticas discursivas, confrontaram o espaço de exposição com o retrato do museu. Foi encarando a reprodução fotográfica discursivamente e não a limitando à substituição do seu modelo, que a fotografia ultrapassou a sua condição documental e o próprio conceito de verosimilitude passou a poder atestar a transformação cultural da arte.


A interdependência entre diferentes meios artísticos e técnicas de reprodução é crucial para o desenvolvimento crítico da arte. [2] Se a possibilidade de usar um medium para mostrar outro, permite confrontar o objecto artístico com novos contextos políticos e culturais, paralelamente, a sua reprodução afirma-se com uma renovada condição material. É a justaposição entre referentes semelhantes que dá visibilidade à historiografia que os próprios objetos escondem. E é na sua forma mais invisível, entendida como uma forma mecânica de reprodução, que a revelação fotográfica se tem tornado mais surpreendente.


A história da reprodução fotográfica de obras bidimensionais não foi contudo idêntica à da reprodução de obras tridimensionais. Enquanto as reproduções fotográficas de pinturas foram, na sua origem, tecnicamente desprezadas e conceptualmente consideradas como mecânicas (ou não interpretativas) –logo deficitárias–, as reproduções fotográficas de escultura foram contrariamente valorizadas enquanto imagens das próprias esculturas. A impossibilidade de reproduzir a cor e os valores tonais da pintura, mas sobretudo a valorização do ato interpretativo de técnicas reprodutivas como a gravura, levou a que em 1859 Charles Baudelaire [3] criticasse o entendimento da fotografia como uma arte. Para Baudelaire o realismo não se reduzia ao espelho físico, mas compreendia uma reflexão mental do imaginário e da fantasia [4]; simultaneamente, para os defensores da gravura, a independência da habilidade manual desqualificava a fotografia como forma interpretativa de reprodução (versus impressão). [5]


Contrariamente, o uso da fotografia reprodutiva de esculturas coincidiu com a criação de uma série de museus de escultura comparada, que propuseram a fotografia como uma alusão às obras não existentes nas suas coleções. Mas o uso da fotografia de reprodução de obras tridimensionais não implicava o reconhecimento da fotografia como uma arte. Para além do objetivo maior destes museus ser pedagógico (na sua maioria eram já museus de cópias), há que salientar o facto de as reproduções fotográficas, enquanto imagens bidimensionais, não gerarem confronto direto com outras formas de representação tridimensional. A fotografia reprodutiva facilitou o objetivo destes museus, que ultrapassava a promoção do academismo e dos atributos individuais de cada peça, para possibilitar discursos e confrontações entre esculturas de diferentes culturas e tempos históricos. [6]


Foi contudo a evolução tecnológica da fotografia reprodutiva de esculturas – a sua aceitação enquanto imagem do original (não se confundindo com um “idêntico”) – que veio a retirar estatuto artístico a todas as outras formas tradicionais de reprodução. A partir desse momento, os gessos reprodutivos foram simultaneamente condenados ao automatismo de “referentes diretos” e à banalidade de referentes visuais e culturais sem identidade própria.

Apesar de tecnologicamente autónoma desde finais do séc. XIX, a conquista da reprodutibilidade técnica da fotografia acelerou a erosão da sua historiografia crítica enquanto forma de reprodução. Os historiadores passaram a utilizar frequentemente o referente visual da imagem fotográfica sem questionarem a sua história visual e material: quem fotografou, porquê, para quê, onde, como, ... tudo isso foi substituído apenas por uma legenda: “o quê”.


Embora a discussão acerca do reconhecimento da fotografia enquanto arte (que passou pelo designado picturalismo fotográfico) nos tenha igualmente distanciado dos processos discursivos que esta instaurou com outras formas de representação visual, recentemente a fotografia digital veio estabelecer uma mudança substancial, não apenas ao nível técnico, mas epistemológico. Se é possível dizer que todo um sistema académico –apoiado na ideia classicista do belo ideal e dependente da prática da mimesis– desapareceu quando a possibilidade de reprodução mecânica se tornou tecnicamente sustentável, é surpreendente verificar como paralelamente, as reproduções fotográficas e fílmicas nos permitem questionar a linearidade das relações entre original e cópia, entre arte e reprodução, entre imobilidade e movimento, transpondo estas questões para a atualidade.


Em 1896 (tinham os irmãos Lumière acabado de registar a patente do cinematógrafo), o historiador alemão Heinrich Wölfflin publica o texto “Como fotografar uma escultura”:


“Qualquer interessado na história da escultura sente a falta de boas ilustrações. Não que as publicações sejam inexistentes –as coisas são oferecidas de todos os tamanhos e maneiras– mas parece difundida a opinião de que as esculturas podem ser fotografadas de qualquer lado, sendo totalmente deixado ao critério do fotografo sob que ângulo implantar a sua máquina. Ele crê que o seu temperamento artístico será melhor revelado se evitar a vista frontal, procurando uma vista lateral picturalista. [...] O público compra esta fotografias de boa fé, acreditando que com uma ilustração mecânica nada do original se pode perder; não sabe que uma figura antiga tem uma vista principal, e que a sua eficácia é destruída quando não se capta a sua devida silhueta; sem pestanejar, o público contemporâneo permite que os seus olhos incultos suportem a falta de clareza e as mais desagradáveis justaposições. [...] Nada é mais instrutivo do que ver lado a lado um número de fotografias ligeiramente diferentes. Só então se torna claro como um e o mesmo movimento pode produzir imagens com um valor expressivo tão diferente, como a mínima alteração num ângulo de visão pode paralisar toda a força de uma linha ou pode sugerir a completa transformação de um tema.” [7]


“Como fotografar uma escultura” é uma crítica à substituição da obra de arte pela fotografia. Wölfflin acreditava na existência de um conceito original para cada escultura clássica e recusava aceitar uma percepção subjetiva, oferecida por uma dispositivo mecânico como a fotografia. Reconheceu o impacto da fotografia na interpretação da história, mas não aceitou a evidência fotográfica dessa transformação cultural. Contudo, essa multiplicidade de experiências proporcionadas pelos designados meios reprodutivos, que Wölfflin recusou, representam hoje o mecanismo de trabalho para muitos historiadores e artistas.


Ou seja, se contrariamente ao parecer de Wölfflin, a história nos tem vindo a ensinar que as obras de arte não são detentoras de um conceito original e inalterável, mas são antes objetos sujeitos a transformações, é porque finalmente a reprodução fotográfica nos revelou o impacto que esta pode ter na historiografia da arte. A imagem de uma obra de arte ou de um museu pode não os representar, mas permite-nos ver o que muitas vezes os museus nos subtraem: a historiografia dos objetos, as mudanças epistemológicas e as transformações impostas pelas políticas culturais em diferentes espaços e tempos. É o movimento dessas histórias materiais –subtraído aos objetos pelo museu–, que paradoxalmente se fixa e ganha corpo nas imagens: não são as imagens em movimento, mas o movimento da história.




Paula Pinto

Doutorada em Estudos Visuais e Culturais pela Universidade de Rochester (N.Y., U.S.A.) e curadora independente. É fundadora e editora do projecto www.albumfotografico.net">www.albumfotografico.net.


 


:::


Notas


[1] Douglas Crimp, “The Postmodern Museum”, in On the Museum’s Ruins, Cambridge, Massachusetts/ London, England: MIT, 1997, pp.282-318.

[2] Como defende Stephen Bann, “as práticas paralelas entre impressão, pintura e fotografia e o seu compartilhado envolvimento na reprodução de imagens, oferecem um panorama mais esclarecedor que um ponto de vista focado apenas na prática mais recente.”

[3] Charles Baudelaire, “The Modern Public and Photography”, in Alan Trachtenberg, Classic Essays on Photography, New Haven, Conn.: Leete’s Island Books, 1980 (Third Printing), pp.83-89.

[4] Charles Baudelaire considerava que os homens ignorantes por tratarem a fotografia como um espelho da realidade física, mas admitia-a como auxiliar para a memória de eventos: “A fotografia deve regressar ao seu real dever, o de humildemente server as artes e as ciências”.

[5] Baudelaire comparava a fotografia às técnicas de impressão de um livro, que em nada afectam a qualidade do texto literário.

[6] Aquando da edição do primeiro álbum fotográfico, Album photographique de l’Artiste et de l’Amateur (Blanquart-Evrard, Loos-lès-Lille, setembro de 1851), Francis Wey escreve: “Através da fotografia diversos objectos artísticos se reuniram pela primeira vez.” Para muitos artistas o progresso das artes assentaria na disseminação destas ampliações fotográficas. Gustace Le Gray escreveu : «O grande número de ampliações fotográficas disseminados pela população, promoverá a educação artística e o gosto, tornando possível que a arte tome o seu único rumo: a Natureza.» Ver Francis Wey, «Comment le soleil est devenu peintre», in Musé des familles, June and July 1853, pp.257-267/ 289-300; Gustave Le Gray, “De l’état actuel de la photographie et des perfectionnements restant à y apporter,” in La Lumière, N.8, 30 mars 1851, p.30.

[7] Heinrich Wölfflin, “Comment photographier les sculptures,” trad. de l’allemande par Vincent Barras, Pygmalion photographe, La Sculpture devant la camera, 1844-1936, Genève, Musée dart et d’histoire, 1985, pp.127-136. [“Wie man Skulpturen aufnehmen soll?”, Zëitschrift fUur bildende Kunst, nouvelle série VII, 1896, pp.224-228 et VIII, 1897, pp.294-297.] Heinrich Wölfflin, « How One Should Photograph Sculpture » (translated by Geraldine A. Johnson), in Art History, N.36, February 2013, pp.52-71. Tradução livre para Português.