Links

PERSPETIVA ATUAL


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Splitting, 1974. 322 Humphrey Street, Englewood, New Jersey © Gordon Matta-Clark e David Zwirner


Conical Intersect, 1975 © 2017 Estate of Gordon Matta-Clark / Artists Rights Society (ARS), New York


Conical Intersect, 1975. © Gordon Matta-Clark e David Zwirner, New York


Estudo para Office Baroque, 1977. Caneta de feltro preta e lápiz branco sobre prova de contacto fotográfica. Solomon R. Guggenheim Museum, New York Gift, Estate of Gordon Matta-Clark, 1999


Estudo para Office Baroque, 1977. © Gordon Matta-Clark


Gordon Matta-Clark, Office Baroque, 1977. Anvers, Bélgica. Coleccão MACBA.


Gordon Matta-Clark, Office Baroque, 1977. Anvers, Bélgica. Coleccão MACBA.


W-hole house: rooftop atrium - in 15 parts (+ a w-hole house: datum cut - in 4 parts; 2 works) © Gordon Matta-Clark

Outros artigos:

2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



A CORAÇÃO VALENTE NADA É IMPOSSÍVEL



VICTOR PINTO DA FONSECA

2018-03-08




 
A porta de acesso à essência íntima da arte e da vida é intuitiva, não conceptual
, Schopenhauer

Durante anos não encontrei intuição na poderosa obsessão de Gordon Matta-Clark em cortar casas ao meio e cerrar edifícios, aliada ao rigor geométrico! Realmente, não percebia a obra performativa do Gordon Matta-Clark: primeiro, porque todos os edifícios cortados desapareceram; segundo, porque a "lived performance" de Gordon requeria ser experienciada, requer vivência para ser percepcionada previamente... A experiência da arte é o poder de observar e pensar ao mesmo tempo: "ver" a coisa em si, é onde se dá o milagre! Se não há experiência directa, não há nada, não há percepção pessoal da obra; a percepção pessoal é a origem: toda a substância e o conteúdo são dados na origem: decisiva pois, é a intuição singular, concreta, imediata!

De forma que a minha percepção objectiva da obra do Gordon Matta-Clark era demasiado ténue para aceder à essência íntima da obra e poder ser apelidada de conhecimento (intuitivo)! 

Da obra de Gordon Matta-Clark restam os registos fotográficos e os filmes, que são objectos interessantes, em parte porque Gordon foi pioneiro a cortar e montar os negativos - o que torna as fotografias mais dinâmicas, menos aborrecidas, como se fossem evocar a experiência directa das obras -, mas não representam (em comparação com os cortes nos edifícios) a relevância dos edifícios cerrados - não elevam a obra a um estado de percepção objectiva. Servem de documentação, mas não têm o poder das intersecções no espaço. Essa foi a sua obra autêntica e desapareceu décadas atrás!

Como escreve Walter Benjamim no seu ensaio sobre o surrealismo, "Com efeito não nos adianta nada sublinhar o lado enigmático dos enigmas; pelo contrário, só penetramos no mistério se o encontrarmos no quotidiano".

O enigma da obra performativa de Gordon Matta-Clark parecia não ter solução para mim: não havia maneira de penetrar no mistério da lived-performance! No entanto, não me sentia um "perfeito" estranho: reconhecia o escultor criador de lugares potentes, que não foi à escola de Belas Artes, antes estudou arquitectura, o livre pensador - difícil de compreender desde uma única perspectiva -, capaz de influenciar com uma energia incrível um grupo de amigos (que colaboraram ao seu lado nos projectos) protagonistas da "Anarquitectura" realizada por Gordon. O mesmo Gordon que foi capaz de negar os limites do mundo da arte, que tinha um interesse sociológico e afectavam-no as circunstâncias sociais das cidades contemporâneas (realizou múltiplas acções nesse sentido, como abrir um restaurante com comida barata). Tudo estava correcto, tudo excepto o facto de ser conceito e mais conceito: um saber discursivo como uma burocracia racional, não mais do que a abstração, no plano da razão (o saber discursivo dominante na tradição académica com a sua visão racional tem a ver com o conceito, é incapaz de intuir). A intuição, assenta em emoções, não em construção racional!

Apercebia-me que o meu intelecto não encontrava o ponto de contacto, o conhecimento intuitivo imediato (sensível), da obra do Gordon Matta-Clark. Não realizava a emoção, não retirava prazer das esculturas. Não reconhecia sentimento físico - relação íntima entre a concepção e a execução da obra - capaz de influenciar o meu pensamento a intuir, e sem o qual a obra de arte não tem interesse!

Albert Einstein, disse "The intuitive mind is a sacred gift and the rational mind is a faithful servant. We have created a society that honors the servent and has forgotten the gift".

Só penetrei no mistério da natureza da obra do Gordon Matta-Clark no dia em que a Laurie Anderson, como numa revelação, me chamou a atenção para o facto da realização artística do Gordon ser indissociável da vida - ter uma evidente correspondência entre a arte e a vida -, na medida que representa o êxtase (o poder mágico) que une a vida com a arte: "O Gordon era um minimalista e avançaram-se muitas teorias acerca da razão que o levava a cortar casas ao meio, embora nenhuma delas mencionasse o divórcio dos pais - Gordon e o seu irmão gémeo Sebastián nasceram em 1943 e os pais já estavam separados no final de 1942: o pai, o pintor surrealista Roberto Matta abandonou-os antes de nascerem -, nem o que acontecera quando um dia o seu irmão gémeo (a quem permaneceu profundamente ligado toda a vida) se suicidara saltando da janela de Gordon", in Coração de Cão, um filme de Laurie Anderson.

Fez-se-me luz (percepção pessoal)! A emblemática Splitting uma casa abandonada dos subúrbios cerrada pela metade - é uma manifestação autobiográfica de Gordon; toma por referência a ideia clássica da casa enquanto versão biográfica sobre a família. Splitting tem uma função reveladora: mostra-nos o que, de outro modo, seria invisível, o desgosto no seu aspecto objectivo de um ponto de vista novo. Splitting, tem assim um significado autoreferencial profundo - o movimento e o ruído de cortar uma casa e calcular o tempo até que a casa se parta e um dos lados caia, constitui uma ruptura -, evoca a separação, a pena e a tristeza que a mera palavra "separação" implica.

Splitting é a escultura dotada de sentimento de tristeza; uma separação é sempre triste; independentemente das pessoas afectadas, há uma certa tristeza no mero facto de separação, que retira as pessoas da sua segurança! A emoção é ainda o mais importante, ou não? Splitting, representa a analogia entre a arte e a vida - o sentimento físico na obra performativa de Gordon, não apenas um conceito de Anarquitectura ou um princípio construído!

Por outro lado, Gordon havia descoberto o carácter místico do pensamento budista tibetano: "Quando Gordon adoeceu, decidiu fazer da sua morte um acontecimento social e convidou uma data de amigos para irem ao hospital, só lhe restavam 24 horas de vida, o tempo que o seu organismo levaria a deixar de funcionar. Decidiu passar este tempo a ler para os amigos. Quando morreu, estavam dois lamas à sua cabeceira e quando Gordon parou de respirar, eles começaram a gritar-lhe aos ouvidos. Os tibetanos acreditam que a audição é o último sentido a desligar. Depois do coração e do cérebro pararem e dos olhos ficarem escuros, o martelo dos ouvidos continua a funcionar. E então, eles gritaram-lhe instruções do livro tibetano dos mortos, que também se chama "A grande libertação pela escuta", e gritaram, "Gordon estás morto! Agora estás morto" e depois disseram: estás a ver duas luzes, uma está perto, a outra está longe. Não vás para a que está perto, vai para a que está longe. E assim por diante..."., in Coração de Cão, um filme de Laurie Anderson.

A descoberta das ciências ocultas e da alquimia - a biblioteca de Gordon estava cheia de livros de alquimia, segundo Jane Crawford, mulher do artista - explica a metafísica e o modelo de transcendência que a obra de Gordon Matta-Clark propõe! A "Anarquitectura" é uma vista sobre outro mundo sem quaisquer especificidades, é um espaço de abstração - que por sua vez significava uma crítica da sociedade de consumo e o questionamento (questionava o individualismo, o egoísmo, a vaidade, a inveja). 

A igreja romana proíbe investigações no oculto (e no seu secreto poder), mas o ocultismo - o saber oculto ancestral do budismo tibetano e a sua conotação acentuadamente mágica -, a sua visão da essência do mundo ou da natureza profunda da realidade, admite-as, pois toda a ciência é consentida. No entanto, a metafísica da obra não excede o âmbito da experiência criativa. A Gordon Matta-Clark interessava investigar zonas ocultas (que nunca vemos), que não entram na nossa vida! A noção de fazer luz sobre a escuridão que reina no interior dos edifícios em ruínas, nas entranhas das cidades, olhar para o interior, ver o que não se vê - entrar na essência das nossas vidas -, com uma obra que deve tanto aos princípios da arte como aos da cientificidade!

A estética e a metafísica estão intimamente ligadas, Schopenhauer

Gordon era um artista diferente dos outros artistas conceptuais da época de 70, que tratavam de explicar e interpretar a sua arte (nova) citando filósofos segundo argumentos conceptuais matizados, como se tivessem investido toda a sua carreira no pressuposto que a arte é uma matéria definitivamente não intuitiva: Gordon era um artista diferente: converte a arquitectura numa experiência artística (estética), um híbrido de arte e arquitectura (as duas coisas não vão separadas), com a qual experimentou o conhecimento intuitivo em detrimento do conceptual (racional). Em resultado, o espectador passava de imediato da dimensão racional -transmissão de ideias - à da percepção sensível relacionada com a vida, em que os aspectos intelectuais associados à natureza conceptual das artes plásticas, já não dominam a obra de arte!

Certo é que obras de Gordon são convincentes porque oferecem múltiplas dimensões: emocional, conceptual, crítica, política, que se interpenetram: revelam um modo de reagir às circunstancias sociais (à situação política), através de uma nova consciência prática do papel da arte na sua relação com o processo social mas também poética e clarificadora à arquitectura. O plano final da sua obra Office Baroque - uma intervenção com significado sociológico das mais importantes realizadas por Gordon no último período de trabalho do artista -, são duas formas semicirculares precisas (inspiradas em bases para copos de cerveja), que se sobrepõem e, que na sua interação, criam a silhueta de um barco. Tanto estas como outras geometrias adicionais, cortaram-se com uma variação rítmica ao longo de seis andares do edifício - como se de uma fuga de Bach composta por temas e variações -, em homenagem ao grande pintor flamengo do Barroco, Pedro Pablo Rubens, cuja casa se encontrava cerca. O título da obra era uma fusão das ideias do barroco sobre o tema central e as variações e o ocorrido com os escritórios das empresas que haviam "ido à falência" em Antuérpia.

Já mostrei que a minha arte não é só sentimento físico (ou percepção); mas tem de ter sentimento físico, senão não tem interesse, Joseph Beuys

A glória de Gordon é o reconhecimento do artista criador, da paixão, da energia e do mistério, que privilegia a arte pela arte - o que importa é ser, ser corajoso, desafiador -, trabalhando intuitivamente e organicamente. A sua escultura não é estática, antes tem uma ideia muito crítica da sociedade de consumo, com um significado político de justiça social (orgânico), desde uma perspectiva inconformista. As suas obras performativas têm uma qualidade poética e evocam experiências e memórias humanas pessoais e universais.

Gordon preconizou a contracultura do final dos anos 60, o exemplo perfeito da "experimentação artística", do sujeito empírico (investigar e experimentar sem limites) em direcção à liberdade! É claro que tudo isto era demasiado subtil para que pudesse ser entendido deste modo pelos contemporâneos.

 

 

Victor Pinto da Fonseca


:::


"A coração valente nada é impossível" é uma citação de Jacques Coeur, comerciante francês do século XV.