Links

PERSPETIVA ATUAL


Aernout Mik


Isa Genzken


Francesco Vezzoli


Malick Sidibé


Kara Walker


Tatiana Trouvé


Raymond Pettibon


Philippe Parreno


Mourrinho group


Christine Hill


Yang Fudong


Valie Export


Francis Alÿs


Monika Sosnowska


Herbert Brandl


Sophie Calle


David Altmedj


Isa Genzken


Felix Gonzalex-Torres

Outros artigos:

2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

52ª BIENAL DE VENEZA



ANA CARDOSO

2007-06-21




Inauguração da 52ª Bienal de Veneza
7, 8 e 9 de Junho de 2007 (Preview)



A inauguração da Bienal de Veneza é, tal como uma inauguração de arte contemporânea, o substituto glamoroso da discoteca ou outros eventos sociais em declínio. O acesso a este entretenimento cultural VIP é restrito e promete actualização ou ligação rápida a um mundo intelectual ao mesmo tempo relativamente crítico e radiante consigo próprio – exponenciado por festas, press-releases, sacolas e malas de pavilhões, catálogos, inúmeras exposições paralelas de orçamento ilimitado, canapés italianos e cocktails e o mundo da arte em peso, que este ano se preparava para continuar, depois da inauguração de Veneza, no Grand Tour (Art/38/Basel, Skulptur Projekte Münster, Documenta XII em Kassel) – uma constelação que só se forma de dez em dez anos.


A Bienal obteve este ano o maior número de participações alguma vez alcançado: setenta e seis.

Comecemos pelo pavilhão da Holanda, dentro dos Giardini, que utiliza a própria concepção espacial e política da Bienal, a divisão por estados-nações, e que a análise de Aernout Mik – “Citizans and Subjects: The Netherlands, for example” – reverte para cenário em guerra de identidade, espaço indeciso mas definido pela coreografia dos visitantes e dos actores dos dois vídeos projectados, que retratam grupos de imigrantes e polícias numa performance algo nonsense, ao executar trabalhos de uma segurança imaginária. Retrata-se a ansiedade decorrente das políticas sociais no chamado mundo ocidental, que revelam mecanismos delirantes e vazios de sentido, face à livre circulação utópica.


Passando para o pavilhão da Alemanha, Isa Genzken (em “Oil” – palavra mantra da globalização e do terrorismo) apresenta a sua reflexão, através de esculturas ou assemblages ofuscantes sobre a figura do turista-viajante-astronauta, presente no uso de um conjunto de malas de viagem e trolleys a abarrotar de coisas inauditas – diversos materiais, plásticos e fotografias – rodeadas de símbolos venezianos, como a máscara carnavalesca assente numa caveira. A sua (Genzken) visão do mundo como amálgama patológica e high-tech devolve-nos uma imagem pop e tenebrosa ou um ‘delírio mórbido’, consoante a nossa relativa cultura nos ajude a processar.


Quando passamos pelo pavilhão do Canadá, deparamos com a mega-instalação “The Índex”, de David Altmejd, que usa múltiplos reflexos de espelhos e vidros para criar um mundo imaginário de passáros e gigantes em metamorfose. Seguimos para o pavilhão de Inglaterra, onde Tracy Emin instala desenhos da série “Borrowed Light”, que reflectem a fragilidade e a vulnerabilidade do corpo feminino – leves, despretensiosos e esparsos, quase invisíveis – e que satisfazem a necessidade de expor os vazios sentimentais da própria intimidade de Emin, numa relação com a intimidade do público da arte. Chegamos ao pavilhão de França com a disposição adequada para ver o trabalho de Sophie Calle (“Prenez Soin de Vous”) – 106 fotografias, textos e filmes, extraordinariamente bem montados e expostos – de parceria com o comissariado do artista Daniel Buren (seleccionado por ter respondido a um anúncio de Calle publicado numa revista de arte), que nos revela, através de várias visões femininas, o e-mail de um homem a acabar o relacionamento amoroso de ambos – Calle é a artista romanesca, paranóica e sentimental por excelência, que oscila entre o existencialismo juvenil e o fatalismo adulto, e onde por comparação Emin se torna quase punk e mística.


No pavilhão da Aústria está montada uma série de treze pinturas de 2007, de Herbert Brandl, um pouco heterogéneas e abstractas, de grande formato, que remetem para uma abstracção da natureza e sensações que evocam paisagens ou momentos de contemplação singulares. Na verdade, as pinturas de Brandl são quase naturalistas ao evocar sensações de ar, luz, humidade, lusco-fusco, folhagem – num tom heróico e romântico, mas sempre usando só a tinta para o efeito – não há uma alusão figurativa ao que quer que seja. É a terebentina que escorre e dissolve a tinta que provoca a sensação de chuva e humidade. Está também instalada uma pintura fora do pavilhão, ao ar livre.


O pavilhão da Polónia é dado a Monika Sosnowska, que com “1:1” cria uma estrutura em metal pintado de preto, aparentemente maior do que o pavilhão e que teve de ser toda entortada e deformada para lá caber. A estrutura ocupa o pavilhão inteiro e cria uma total discontinuidade na utilização normal do espaço da exposição. O press-release indica que Sosnowska estuda a arquitectura do ponto de vista das suas falhas, erros funcionais e ideias absurdas. O seu ponto de partida para um formalismo humorístico é o modernismo e sua evolução parasitária, enquanto símbolo em queda livre.


A principal exposição internacional da Bienal é comissariada por Robert Storr para o pavilhão de Itália e para a Cordoaria do Arsenal. Sob o título “Think with the Senses – Feel with the Mind: Art in the Present Tense”, o comissariado de Storr, sobretudo no Arsenal, evidencia o cariz político de grande parte da produção de arte contemporânea. Muitas participações referem o tema da imigração, movimentações sociais e guerras, através da documentação fotográfica. Contudo, as participações mais interessantes são muito variadas e derivam de um mundo global, multifacetado e contraditório, presente em obras que não se isolam em formalismos e sensacionalismos e resultam numa leitura de entendimento conceptual e emotivo. Para Storr, não é possível dissociar a teoria da intuição, o intelecto das sensações – como nos mostra a escolha dos seus artistas, entre os quais estão os Alterazioni Video, Francis Alÿs, El Anatsui, Giovanni Anselmo, Yto Barrada, Louise Bourgeois, Daniel Buren, Waltercio Caldas, Sophie Calle, Paolo Canevari, Manon De Boer, Raoul De Keyser, Iran Do Espirito Santo, Valie Export, Angelo Filomeno, Yang Fudong, Yukio Fujimoto, Mario García Torres, Felix Gonzalez-Torres, Lyle Ashton Harris, Christine Hill, Jenny Holzer, Pierre Huyghe, Emily Jacir, Kim Jones, Ilya & Emilia Kabakov, Izumi Kato, Ellsworth Kelly, Martin Kippenberger, Guillermo Kuitca, Rosemary Laing, Leonilson, Sol LeWitt, Nalini Malani, Steve McQueen, Morrinho group, Joshua Mosley, Oscar Muñoz, Elizabeth Murray, Bruce Nauman, Thomas Nozkowski, Odili Donald Odita, Melik Ohanian, Philippe Parreno, Dan Perjovschi, Raymond Pettibon, Sigmar Polke, Jason Rhoades, Gerhard Richter, Susan Rothenberg, Robert Ryman, Cheri Samba, Fred Sandback, Malick Sidibé, Nedko Solakov, Nancy Spero, Tabaimo, Paula Trope, Tatiana Trouvé, Kara Walker, Lawrence Weiner, Franz West e Tomoko Yoneda.


Storr decidiu atribuir o Leão de Ouro ao artista africano Malick Sidibé (Mali, 1936). E, pela primeira vez, foi criado um pavilhão dedicado à arte produzida no continente africano, sobretudo de artistas de origem africana, instalado também no Arsenal. O pavilhão Africano (“Check List Luanda Pop”) é forte e indispensável – mostra a colecção de arte de Sindika Dokolo, sediada em Luanda, e comissariada por Fernando Alvim e Simon Njami. Alguns dos artistas são Chris Ofili, Dj Spooky, Olu Oguibe, Kendell Geers, Yinka Shonibare, Ndilo Mutima, Basquiat, Ghada Amer, Marlene Dumas, Alfredo Jaar, Warhol ou Ruth Sacks. Foi o pavilhão que mais surpreendeu e possibilitou relações novas entre os artistas da Bienal.


A representação italiana é feita por Francesco Vezzoli, com “Democrazy” – num dos dois vídeos projectados, Sharon Stone é a candidata fictícia à presidência da república dos E.U.A. – crítica directa ao mundo obsoleto das eleições e promessas presidenciais; e o escultor Giuseppe Penone cria a instalação “Sculture di Linfa”, onde todas as partes são talhadas e escavadas em madeira e em mármore e revelam formas na madeira e veias na pedra – numa atitude fenomenológica.


Há inúmeros pavilhões interessantes fora dos espaços principais da Bienal, como o pavilhão do México, representado por Rafael Lozano-Hemmer, no palazzo Soranzo Van Axel, num cenário incrível, ou o pavilhão da Ucrânia, com um grupo de artistas de onde se destacam Juergen Teller, Mark Titchner ou Sam Taylor-Wood; dentro dos jardins foi bom rever Felix Gonzalex-Torres, a representar os Estados Unidos da América, descobrir o pavilhão da Roménia com os seus “Low-Budget Monuments”, o pavilhão da Hungria dividido em caixas ou arquitecturas criadas para os vídeos de Andreas Fogarasi, e perdermo-nos no labirinto belga de Eric Duyckaerts.



Ana Cardoso




52. Esposizione Internazionale d’Arte – La Biennale di Venezia
10/06 a 21/11 de 2007


LINK
www.labiennale.org