Links

PERSPETIVA ATUAL


Ahmet Ögüt, “Ground Control”, 2007/2008. Vista da instalação na 5ª Bienal de Berlim / KW Institute for Contemporary Art. Cortesia: Ahmet Ögüt; RODEO, Istanbul. ©Bienal de Berlim, Uwe Walter, 2008


Pedro Barateiro, “The Naked City”, 2008. Vista da instalação na 5ª Bienal de Berlim / Neue Nationalgalerie. Cortesia: Pedro Barateiro/Galeria Pedro Cera, Lisboa. ©Bienal de Berlim, Uwe Walter, 08


Piotr Uklansky,“Untitled (Fist)”, 2007. Vista da instalação na 5ª Bienal de Berlim / Neue Nationalgalerie. Cortesia: Piotr Uklanski, Galleria Massimo de Carlo, Milan. ©Bienal de Berlim, Uwe Walter


Cyprien Gaillard, “Le canard de Beaugrenelle”, 2008. Vista da instalação/Neue Nationalgalerie. Cortesia: Artista/Cosmic Galerie, Paris; Laura Bartlett Gallery, London. ©Bienal de Berlim, Uwe Walter


Gabriel Kuri, “items in care of items”, 2008. Vista da instalação/Neue Nationalgalerie. Cortesia: Gabriel Kuri / kurimanzutto, Mexico City / Esther Schipper, Berlin. ©Bienal de Berlim, Uwe Walter, 08


Cezary Bodzianowski, “Urbanus” 2008. Performance /film still. Foto: Monika Chojnicka. ©Monika Chojnicka, Cezary Bodzianowski


Giulia Piscitelli, “Io Pallone”, 1996. Cortesia: Galleria Fonti, Napoli. ©Giulia Piscitelli

Outros artigos:

2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

5ª BIENAL DE BERLIM



FILIPA RAMOS

2008-05-14




5ª BIENAL DE BERLIM
When Things Cast No Shadow

05.04.08 – 15.06.2008


Parece ser um título irónico, o desta 5ª edição da Bienal de Berlim. Como pode uma cidade profundamente marcada pelo passado – com os seus edifícios, estradas, praças e monumentos inevitavelmente associados à conturbada história da Alemanha moderna – ser anfitriã de um projecto curatorial intitulado “When Things Cast No Shadow?”.

Embora a proposta de leveza e de imaterialidade sugerida pelo seu nome possa conter em si um desejo de superar o peso esmagador da história, a memória – uma constante, viva e presente em cada esquina da cidade de Berlim – não nos permite o convite ao oblívio materialista do seu título. O mesmo sucede com a selecção das obras apresentadas, profundamente enraizadas na re-elaboração de elementos culturais provenientes do passado, que é, aliás uma das principais tendências dos dias de hoje, já que grande parte das práticas artísticas actuais encontram a sua grande fonte de inspiração na investigação e documentação da história recente.

Os responsáveis pela realização da Bienal, Adam Szymczyk, o antigo comissário da Foksal Gallery de Varsóvia e a crítica de arte Elena Filipovic resumiram as suas inteções curatoriais em poucas linhas: “When things cast no shadow, the 5th Berlin Biennial for contemporary art, brings together artists from different generations and nationalities in an exhibition by day and night that aims to trace the diversity of art practices today (…) it is an open structure in five movements without a plot.”

Sem qualquer elemento de união evidente entre as diversas obras, para além de serem, na sua opinião, criações representativas da diversidade das práticas actuais, e sem qualquer declaração de intenções, temas ou pontos de pesquisa para além deste statement, cabe ao visitante encontrar o fio orientador que poderá, eventualmente, criar um diálogo entre as obras apresentadas, os espaços escolhidos e as dinâmicas que entre eles se articulam entre todos estes elementos que, recordemo-nos, se estruturam em torno ao seu denominador comum de não deixar sombra. Esta é uma tarefa árdua, dada à extensa variedade de modalidades e práticas apresentadas, que percorrem temáticas tão díspares quanto a intimidade partilhada de Michel Auder (Soissons, França, 1945), que nos seus vídeos “my last bag of heroin” e “polaroid cocaine” nos confronta com a degradante realidade do consumo de drogas; a intimidade colectiva, aqui mais invadida do que partilhada, através do olhar voyeurístico do artista japonês Kohei Yoshiyuki (Hiroshima, 1946) que apresenta a série de fotografias “Park” em que documenta actos sexuais em parques públicos no Japão. Esta forma de exposição do universo privado, quase doentio e obsessivo é igualmente visível na curta metragem “Berlinmuren” do artista norueguês Lars Laumann (Brønnøysund, 1977). Este documentário resulta da descoberta do artista de um website em que uma cidadã sueca, Eija-Riitta Berliner-Mauer, afirma ser casada com o Muro de Berlim. Após entrar em contacto com esta figura, Laumann traça, sem delinear qualquer juízo moral, o retrato desta intrigante e inquietante personagem.

De facto, um elemento comum às pesquisas fortemente documentais destes artistas é a apropriação de um modo pessoal e privado de elementos culturais definidores da cultura actual, assumindo a impossibilidade de conhecer e de expressar a realidade senão através da experiência privada e de certo modo incomunicável de cada indivíduo. Apropriando-nos das coisas, elas tornam-se nossas e existem somente na nossa mente, já que os limites da linguagem nunca nos permitirão expressar o nosso pensamento total sobre ela. Assim, as coisas, na sua existência fragmentária e incompleta, feita de versões de mundos, não têm sombras e existem plenamente só no mundo das ideias. Irrealismo filosófico aplicado às artes? Parece ser uma aventura interessante quanto complexa, mas de novo, esta é apenas uma conjectura, já que desconhecemos a intenção de base desta Bienal.

Do ponto de vista formal, uma das obras de maior impacto (e que contrasta com a atitude discreta, marcada por intervenções mínimas de grande parte da exposição), é a “Ground Control” do jovem artista turco Ahmet Ögüt (Diyarbakir, 1981), que cobriu o piso térreo do KW de alcatrão, deixando o restante espaço expositivo totalmente vazio, numa referência às políticas governamentais turcas, que utilizaram a renovação das estradas como símbolo de modernização e de progresso deste país.

Tomando como ponto de partida outro elemento do espaço público urbano, a obra “The Naked City” (que consiste em duas instalações, divididas entre o espaço da Neue Nationalgalerie e o Skulpturenpark e numa pequena publicação), do artista português Pedro Barateiro (Almada, 1979), estabelece um interessante diálogo arquitectónico e topográfico através da reprodução à escala real de duas paragens de autocarro soviéticas. Destituídas da sua função e alienadas do seu contexto original, ao serem reinterpretadas na cidade de Berlin, as duas estruturas ganham uma nova vida e um significado que ultrapassa largamente o seu estatuto utilitário.

“Untitled (Fist)” do artista polaco Piotr Uklanski (Varsóvia, 1968), é outra instalação que cria um diálogo com a história e a política do século XX. Inserida à entrada da Neue Nationalgalerie, este enorme punho de metal evoca de modo descontextualizado um dos principais símbolos do imaginário soviético.

O Skulpturenpark localiza-se num descampado entre edifícios residenciais que divide as zonas de Kreuzberg e Mitte. Aquando da construção do muro em 1961, esta zona era conhecida como a “Faixa da Morte”. Uma sensação de total desolação e abandono pairam neste estranho espaço desabitado. A peça de maior destaque (para além da obra já referida de Barateiro), será provavelmente a instalação sonora “What every gardener knows” de Susan Hiller (Tallahassee, 1940), uma transposição para sons de códigos genéticos das plantas que ecoa periodicamente a um carrilhão minimal que confere um ambiente extremamente poético ao local, acentuando a sua solidão ao mesmo tempo que manifestando uma presença invisível.

Esta 5ª edição da Bienal de Berlim mimetiza-se com o tom discreto e solitário da cidade e as coisas, de facto, não precisam de traçar sombras. Estas existem já, por si, independentemente da sua configuração material, e o mesmo espírito parece atravessar as obras apresentadas, que evocam e criam ligações que ultrapassam as suas delicadas representações formais.


Filipa Ramos