Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

wanderings


Coletiva
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Saga


Pedro Barateiro
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Fifty-Fifty (50|50)


Noé Sendas Rui Calçada Bastos
Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

O Gosto solitário de Gravar


Ana Galvão
Galeria Quadrum, Lisboa

História da Vida Privada


Pedro Valdez Cardoso
Galeria 111, Lisboa

A New perspective on Alexander M collection


Rui Macedo
Galeria Municipal Vieira da Silva, Loures

Sem destino a


Coletiva
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Uma Fresta de Possibilidade. Duas Coleções em Diálogo


COLECTIVA
Fórum Eugénio de Almeida, Évora

Por que os peixes saltam por cima da superfície da água?


Oscar Holloway
Museu Geológico - LNEG , Lisboa

Secrets to Tell


Grada Kilomba
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

JOÃO MARIA GUSMÃO E PEDRO PAIVA

OS ANIMAIS QUE AO LONGE PARECEM MOSCAS




OLIVA NÚCLEO DE ARTE
Oliva Creative Factory Rua da Fundição, 240
3700-119 S. JOÃO DA MADEIRA

25 MAR - 21 ABR 2017


Inauguração 25 de Março de 2017, pelas 18h30, na Fábrica Oliva – São João da Madeira / Coleção Norlinda e José Lima

O Núcleo de Arte da Fábrica Oliva, em São João da Madeira, recebe aquela que será a maior exposição de João Maria Gusmão e Pedro Paiva em Portugal desde Abissologia, que teve lugar em 2008 na Cordoaria Nacional. Contando com mais de quatro dezenas de peças, muitas das quais inédias, esta exposição é composta por filmes e esculturas cinéticas, mas principalmente por objectos e artefactos que ora foram protagonistas, ora serviram como figurantes nos filmes que estes artistas realizaram ao longo da última década e meia, filmes estes que sedimentaram a presença desta dupla nos mais relevantes circuitos expositivos internacionais.


A exposição que João Maria Gusmão e Pedro Paiva agora trazem à Fábrica Oliva, contando com mais de quatro dezenas de peças, muitas das quais inéditas, teve a sua génese numa experiência expositiva levada a cabo nas minas de sal-gema, em Loulé, em 2008. Naquela ocasião, os artistas optaram por instalar nas profundezas das referidas minas um conjunto de objectos que haviam figurado, quer como personagens principais, quer como adereços, nos filmes por eles produzidos desde 2001. Neste lote de peças encontravam-se elementos tão distintos quanto uma Hélice, uma Cabeça de Heráclito ou uma Mola – exemplares provenientes do universo especulativo, improvável e irracional que os autores têm vindo a explorar, e no âmbito do qual exercem, seguindo uma exortação de Ricardo Reis, uma “metafísica recreativa”.

Nove anos volvidos, a dupla recupera a estratégia adoptada em 2008, desta feita ampliando significativamente a selecção de artefactos, autonomizando-os e juntando-lhes quatro projecções, uma câmara obscura e um grupo de esculturas cinéticas. No espaço da antiga fábrica Oliva, o espectador é conduzido a um conjunto de quatro palcos a partir dos quais pode observar o grupo de peças no centro do espaço reunido, bem como testemunhar, agora sem mediações ou outros constrangimentos, alguns dos desconcertantes fenómenos que têm lugar no território revelado por João Maria Gusmão e Pedro Paiva. Os animais que ao longe parecem moscas constitui-se, portanto, como uma dupla oportunidade: a de embarcar numa rara incursão pelos bastidores da produção destes artistas, e a de a de testar, no recato do dispositivo escópico por eles preparado, a espessura da sua singularidade.


SOBRE OS ARTISTAS
João Maria Gusmão (Lisboa, 1979) e Pedro Paiva (Lisboa, 1978) iniciaram a sua colaboração artística em 2001 no âmbito da exposição “InMemory”, que teve lugar na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa. Na última década e meia, esta dupla de artistas conquistou um lugar de destaque nos circuitos artísticos internacionais, tendo apresentado exposições individuais em instituições tão diversas quanto a Haus der Kunst, em Munique, o REDCAT, em Los Angeles, o Camden Arts Centre, em Londres, o HangarBicocca, em Milão, a Objectif Exhibitions, em Antuérpia ou o Frac Île-de-France, Le Plateau, em Paris. Esta circulação foi reforçada pelas inúmeras exposições colectivas em que participaram, e de entre as quais se destacam as participações na Manifesta 7 (2008) e nas bienais de S. Paulo (2006), do Mercosul (2007), de Gwangju (2010), e de Veneza, evento onde representaram Portugal (2009) e onde integraram a exposição internacional na 55ª edição (2013).

Explorando meios tão diversos como a escultura, a fotografia, o filme, bem como objectos e dispositivos ópticos como a câmara escura, o trabalho destes artistas assemelha-se a uma investida para-científica pelos meandros de um universo governado por uma outra ordem das coisas: uma infra-realidade que tende a escapar às malhas das convencionais ferramentas taxonómicas, mas cuja existência foi sendo desvelada, a espaços, nos relatos de autores como Fernando Pessoa, Victor Hugo, Alfred Jarry ou René Daumal. O carácter desconcertante dos objectos e dos fenómenos captados por Gusmão e Paiva deriva menos do estranhamento que as suas superfícies possam eventualmente provocar, do que do insólito espírito que delas desponta quando se lhes abranda o passo ou se lhes impõe a luz de um imparcial escrutínio e de uma intensificada atenção.

Para além da exposição que inaugurará na Fábrica Oliva no próximo dia 25 de Março, João Maria Gusmão e Pedro Paiva têm programadas, ainda para este ano, e entre outras, apresentações individuais no Teatro Nacional D. Maria II (Março) e na Galeria Zero, em Milão (Maio), bem como participações em exposições colectivas em Lisboa (Lua Cão, com Alexandre Estrela, Maio), no Centre Pompidou Metz (Jardin Infinit, Março) e no KulturZentrum de Pfäffikon (Maio).