Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

wanderings


Coletiva
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Saga


Pedro Barateiro
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Fifty-Fifty (50|50)


Noé Sendas Rui Calçada Bastos
Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

O Gosto solitário de Gravar


Ana Galvão
Galeria Quadrum, Lisboa

História da Vida Privada


Pedro Valdez Cardoso
Galeria 111, Lisboa

A New perspective on Alexander M collection


Rui Macedo
Galeria Municipal Vieira da Silva, Loures

Sem destino a


Coletiva
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Uma Fresta de Possibilidade. Duas Coleções em Diálogo


COLECTIVA
Fórum Eugénio de Almeida, Évora

Por que os peixes saltam por cima da superfície da água?


Oscar Holloway
Museu Geológico - LNEG , Lisboa

Secrets to Tell


Grada Kilomba
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ANTÓNIO OLAIO

Cleaning up the vacuum




GALERIA FERNANDO SANTOS (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 526/536
4050-379 PORTO

17 JUN - 16 SET 2017


Inauguração: 17 de junho, às 16h, na Galeria Fernando Santos


Esta exposição constrói-se longe das questões do mais ser menos ou do menos ser mais (ou mesmo, do menos ser menos, ou do mais ser mais), mas na consciência de que essas ideias ocorrerem quase como um vício, no olhar sobre a arte. Mesmo o “Less is a bore” do Venturi perderá aqui o sentido, porque vive (na irreverência?) do próprio ascetismo a que reage.

Explora-se aqui sobretudo o campo conceptual que se abre quando se coloca a possibilidade de limpar o vácuo. Como se limpa o vácuo? Enchendo-o? Mas enchendo-se, anula-se a ideia de limpar. De facto, o título desta exposição parece devorar-se a si próprio na coexistência de sentidos que se anulariam, não fosse esta possibilidade de os enunciar assim.

No facto de se fazer de pinturas, mas também de vídeo, de música, de desenhos (muitos desenhos, muitos....) esta exposição parece reforçar um sentido literal de excesso, pela diversidade de meios. E o desenho é aqui a personagem principal, obviamente nos desenhos, mas também na pintura, no vídeo - o fazer como se este fosse compulsivo, como de facto é o acto de pensar (ou será o desenho o actor que representa outra personagem que não o desenho?).