Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

O Lago


Maria Condado
Espaço Amoreiras, Lisboa

Contrato (a tempo indeterminado)


Ângela Ferreira e Fernando José Pereira
Museu Internacional de Escultura Contemporânea, Santo Tirso

Pure Emulsion


José Luís Neto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Pós-Pop. Fora do lugar-comum


Colectiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Chama-ficção


Ana Mata e Catarina Domingues
Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa

A Gregos e a Troianos


Isaque Pinheiro
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

SUSPENSÃO E DEPENDÊNCIA


RUI MATOS
Salão Belas Artes, Lisboa

Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um livro


Victor Palla e Costa Martins
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

A Hora do Diabo


Joanna Latka
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

The city in my mind or the fear of my sky


Flávio Andrade
A Pequena Galeria, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ANTÓNIO OLAIO

Cleaning up the vacuum




GALERIA FERNANDO SANTOS (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 526/536
4050-379 PORTO

17 JUN - 16 SET 2017


Inauguração: 17 de junho, às 16h, na Galeria Fernando Santos


Esta exposição constrói-se longe das questões do mais ser menos ou do menos ser mais (ou mesmo, do menos ser menos, ou do mais ser mais), mas na consciência de que essas ideias ocorrerem quase como um vício, no olhar sobre a arte. Mesmo o “Less is a bore” do Venturi perderá aqui o sentido, porque vive (na irreverência?) do próprio ascetismo a que reage.

Explora-se aqui sobretudo o campo conceptual que se abre quando se coloca a possibilidade de limpar o vácuo. Como se limpa o vácuo? Enchendo-o? Mas enchendo-se, anula-se a ideia de limpar. De facto, o título desta exposição parece devorar-se a si próprio na coexistência de sentidos que se anulariam, não fosse esta possibilidade de os enunciar assim.

No facto de se fazer de pinturas, mas também de vídeo, de música, de desenhos (muitos desenhos, muitos....) esta exposição parece reforçar um sentido literal de excesso, pela diversidade de meios. E o desenho é aqui a personagem principal, obviamente nos desenhos, mas também na pintura, no vídeo - o fazer como se este fosse compulsivo, como de facto é o acto de pensar (ou será o desenho o actor que representa outra personagem que não o desenho?).