Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

wanderings


Coletiva
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Saga


Pedro Barateiro
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Fifty-Fifty (50|50)


Noé Sendas Rui Calçada Bastos
Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

O Gosto solitário de Gravar


Ana Galvão
Galeria Quadrum, Lisboa

História da Vida Privada


Pedro Valdez Cardoso
Galeria 111, Lisboa

A New perspective on Alexander M collection


Rui Macedo
Galeria Municipal Vieira da Silva, Loures

Sem destino a


Coletiva
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Uma Fresta de Possibilidade. Duas Coleções em Diálogo


COLECTIVA
Fórum Eugénio de Almeida, Évora

Por que os peixes saltam por cima da superfície da água?


Oscar Holloway
Museu Geológico - LNEG , Lisboa

Secrets to Tell


Grada Kilomba
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

PEDRO CASQUEIRO

Missão Fria




FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA
Rua Soeiro Pereira Gomes, Lote 1- 6º A e D, Edifício de Espanha (Bairro do Rego)
1600-196 LISBOA

23 JUN - 29 JUL 2017


INAUGURAÇÃO: 23 Junho, 18h30


Pedro Casqueiro
Pintor português nascido em 1959, em Lisboa. Frequentou a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. A obra de Casqueiro é difícil de ser classificada como abstrata ou como figurativa. Desde a sua primeira exposição realizada em 1981 que a sua obra denota a capacidade do artista trabalhar cores, matérias, formas e espaço de uma forma abstrata mas atravessada por citações sígnicas criando uma corrente entre a vida e a obra, partindo da subjetividade que garante a universalidade da obra. A sua pintura provoca emoção e sensações imediatamente físicas. Numa primeira fase, a sua pintura possuía uma violência expressiva que foi sendo invadida por uma superfície branca como um véu que cobre de uma forma velada as estruturas subjacentes à composição das suas imagens. Mas ao longo dos anos noventa as suas pinturas vão-se estruturando, atingindo o equilíbrio entre uma pintura "arquitetónica" e elementos mais recuados. A pintura de Pedro Casqueiro parte de uma situação que, segundo a classificação tradicional seguida por Kuspit, é "orgânica" (kandiskiana) evoluindo para uma solução "geométrica" (malevitchiana/mondrianesa). Casqueiro aproxima-se dessa abstração geométrica desde os seus primeiros trabalhos definindo uma malha estruturante que sustenta as suas imagens e fazendo coincidir essa explicitação com exemplos da história da pintura abstrata, como é o caso de Mondrian, em relação ao qual Casqueiro confessa ter uma sensível e intuitiva relação.
A malha estrutura a visão mas é a cor que define as formas. Este desacerto entre o subjacente e o evidente, a diferença de peso específico que as duas componentes (estrutura-forma/cor) apresentam, são os elementos que constroem o seu discurso pictórico.
Em 1997, a pintura de Pedro Casqueiro adquire uma nova dimensão. Surge um luminoso espaço interior onde a dimensão da imagem sugere a ideia de um ecrã que regista um espaço cenográfico, virtual, pleno de possibilidades interativas e cada pintura é, em si mesma, a representação de um espaço para a exposição de obras de arte. Estes trabalhos, sendo pinturas, integram um modelo de visão que parece ser-lhe oposto, o da dinâmica dos jogos de vídeo.
Após 1997, os seus trabalhos prolongam a malha arquitetónica mas reduzindo-a novamente a uma dominante bidimensionalidade. Surge, então, uma abertura de dois novos caminhos: um regresso à palavra escrita na tela e uma vertente figurativa, apesar de mais rara. É a partir deste núcleo de pinturas onde a forma se faz palavra que Casqueiro prossegue a investigação de sinais de representação provenientes do mundo da BD como, por exemplo, fumos, explosões, sinais de movimento, sinais de choque, etc., onde a letra-palavra se faz imagem, articulando os elementos no espaço e a sua descontextualização, num estádio de desvalorização do valor significante da palavra.
[biografia https://www.infopedia.pt/$pedro-casqueiro]