Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

LUUANDA


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Loaded Shine


Paulo Nozolino
Galeria Quadrado Azul (Porto), Porto

Desenhos


Jorge Pinheiro
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008


COLECTIVA
MAAT, Lisboa

Às Vezes Sombra, Às Vezes Luz


Marie José Burki
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Jorge Pinheiro: D’après Fibonacci e as coisas lá fora


Jorge Pinheiro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Quatro Elementos


Colectiva
Galeria Municipal do Porto, Porto

I speak to people on the telephone


RYAN GANDER / JONATHAN MONK
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

DECADANÇA


JOÃO LEONARDO
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Monoliths


Christine Henry
Atelier Christine Henry, Loulé

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

COLEÇÃO DE SERRALVES

AS PALAVRAS EM LIBERDADE: Coleção E.M. de Melo e Castro




BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS
Largo Dr. José Novais 47
4750-310 BARCELOS

07 JUL - 23 SET 2017


INAUGURAÇÃO: 7 de Julho, 18h


A Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea guarda uma das coleções mais completas de poesia visual, poesia concreta e poesia experimental. Um contributo fundamental para esta abrangência foi a aquisição, em 2003, da Coleção de E.M. de Melo e Castro, suficientemente extensa e exaustiva para a partir dela se conseguirem analisar as várias experiências anti-literárias que vieram, a partir da década de 1950, alterar radicalmente a nossa relação com a palavra, dita e escrita.

A presente exposição apresenta livros, revistas, folhetos, cartazes e poemas-objeto da Coleção de Serralves que testemunham a preocupação com a dimensão visual da escrita, mas que também apontam para caminhos seguidos pela poesia experimental que ultrapassam a palavra escrita. Não só as letras mas também os sons, os ritmos e as matérias foram fundamentais para estes poetas. Defendiam eles, perante a infinidade de possibilidades que se abriam com a poesia experimental, um absoluto "rigor aleatório” em que, como num jogo, carácter lúdico e regras se combinassem. No fundo, procuravam leitores não contemplativos, aliar a ação à escrita e à leitura.