Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

wanderings


Coletiva
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Saga


Pedro Barateiro
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Fifty-Fifty (50|50)


Noé Sendas Rui Calçada Bastos
Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

O Gosto solitário de Gravar


Ana Galvão
Galeria Quadrum, Lisboa

História da Vida Privada


Pedro Valdez Cardoso
Galeria 111, Lisboa

A New perspective on Alexander M collection


Rui Macedo
Galeria Municipal Vieira da Silva, Loures

Sem destino a


Coletiva
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Uma Fresta de Possibilidade. Duas Coleções em Diálogo


COLECTIVA
Fórum Eugénio de Almeida, Évora

Por que os peixes saltam por cima da superfície da água?


Oscar Holloway
Museu Geológico - LNEG , Lisboa

Secrets to Tell


Grada Kilomba
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

COLEÇÃO DE SERRALVES

AS PALAVRAS EM LIBERDADE: Coleção E.M. de Melo e Castro




BIBLIOTECA MUNICIPAL DE BARCELOS
Largo Dr. José Novais 47
4750-310 BARCELOS

07 JUL - 23 SET 2017


INAUGURAÇÃO: 7 de Julho, 18h


A Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea guarda uma das coleções mais completas de poesia visual, poesia concreta e poesia experimental. Um contributo fundamental para esta abrangência foi a aquisição, em 2003, da Coleção de E.M. de Melo e Castro, suficientemente extensa e exaustiva para a partir dela se conseguirem analisar as várias experiências anti-literárias que vieram, a partir da década de 1950, alterar radicalmente a nossa relação com a palavra, dita e escrita.

A presente exposição apresenta livros, revistas, folhetos, cartazes e poemas-objeto da Coleção de Serralves que testemunham a preocupação com a dimensão visual da escrita, mas que também apontam para caminhos seguidos pela poesia experimental que ultrapassam a palavra escrita. Não só as letras mas também os sons, os ritmos e as matérias foram fundamentais para estes poetas. Defendiam eles, perante a infinidade de possibilidades que se abriam com a poesia experimental, um absoluto "rigor aleatório” em que, como num jogo, carácter lúdico e regras se combinassem. No fundo, procuravam leitores não contemplativos, aliar a ação à escrita e à leitura.