Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

LUUANDA


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Loaded Shine


Paulo Nozolino
Galeria Quadrado Azul (Porto), Porto

Desenhos


Jorge Pinheiro
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008


COLECTIVA
MAAT, Lisboa

Às Vezes Sombra, Às Vezes Luz


Marie José Burki
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Jorge Pinheiro: D’après Fibonacci e as coisas lá fora


Jorge Pinheiro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Quatro Elementos


Colectiva
Galeria Municipal do Porto, Porto

I speak to people on the telephone


RYAN GANDER / JONATHAN MONK
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

DECADANÇA


JOÃO LEONARDO
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Monoliths


Christine Henry
Atelier Christine Henry, Loulé

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

COLECTIVA

Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980




ZDB - GALERIA ZÉ DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

14 JUL - 23 SET 2017


INAUGURAÇÃO: Sexta-feira, 14 de Julho, às 22h

A Galeria Zé dos Bois apresenta a exposição Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980 entre 14 de Julho e 23 de Setembro de 2017 nos seus espaços da Rua da Barroca, 59, ao Bairro Alto, Lisboa. Oportunidade de conhecer a fundo a utilização do cartaz político no quadro de uma das mais relevantes iniciativas solidárias da segunda metade do século XX.


Galeria Zé dos Bois
Rua da Barroca, 59, 1200-047 Lisboa
De quarta a sábado, entre as 18h e as 22h
Entrada: €2

A exposição que a zdb agora apresenta situa-nos perante uma das mais extraordinárias experiências gráficas do último século. Composta por cerca de uma centena de cartazes, revistas e dioramas concebidos entre 1966 e 1980, esta exposição traça um retrato do esforço colectivo que diversas forças políticas em África, na Ásia e na América Latina desenvolveram no sentido de estabelecer uma propaganda solidária comum. Tendo o seu centro artístico e produtivo em Cuba, mas adoptando uma postura internacionalista desde a sua fundação, a OSPAAAL (Organização de Solidariedade para com os Povos de África, Ásia e América Latina) concebeu um amplo conjunto de materiais gráficos que se destinavam a dar voz e a galvanizar as facções políticas que, naqueles continentes, lutavam pela autodeterminação dos povos contra o colonialismo e outras formas de exploração e segregação.

Organizada tematicamente, esta exposição articula imagens de actores políticos como Che Guevara, Amílcar Cabral, Patrice Lumumba, Mehdi Ben Barka ou Richard Nixon com ilustrações de apoio à luta armada, apelos ao orgulho nacional, incentivos à revolta das classes operárias ou resistência ao domínio imperialista dos Estados Unidos. Beneficiando da posição de abertura dos seus dirigentes face às vanguardas artísticas do pós-guerra, os autores cubanos puderam fazer da produção gráfica da OSPAAAL uma verdadeira plataforma para o encontro entre um discurso altamente politizado e as mais radicais propostas artísticas da época. Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980 convoca o público a descobrir uma colecção de materiais que vogam entre a denúncia da opressão e a exaltação dos feitos revolucionários e que, no seu conjunto, são um documento inestimável da época de ouro do design cubano e um exemplo claro do uso da comunicação visual em prol da igualdade e das transformações sociais.

A par da acção internacionalista da OSPAAAL, Cuba implementou um conjunto vasto de organismos políticos de vocação interna e local. Num destes organismos, COR – Comité de Orientação Revolucionário, sedeado em Cienfuegos, trabalhou Pepe de la Paz, artista gráfico cuja produção é alvo de uma retrospectiva incluída nesta exposição.