Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Casa Aberta


Henrique Neves
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

COLECTIVA


Finalistas de Pintura da Belas Artes 15´16
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

CASTAS


Colectiva
,

ENSAIOS (SOBRE A MESA) - A partir da coleção do Museu de Lisboa


COLECTIVA - alunos da pós-graduação em Curadoria de Arte,
Galeria Quadrum, Lisboa

Sever


Ana Lupaș, Beatrice Marchi, Christodoulos Panayiotou, Eloise Hawser, Gonçalo Preto, Jason Dodge, Joanna Piotrowska, Namsal Siedlecki, Nick Bastis
Galeria Boavista, Lisboa

Um campo depois da colheita para deleite estético do nosso corpo


Alberto Carneiro
Culturgest (Porto), Porto

Now and Ever | Oliveiras


Renée Gagnon
Museu das Comunicações, Lisboa

Raio X de uma prática fotográfia


FERNANDO GUERRA
,

Where and When


Ana Jotta, Daniel Gustav Cramer, Gil Heitor Cortesão, Luís Paulo Costa and Paulo Brighenti
Galeria Pedro Cera, Lisboa

Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980


Colectiva
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

COLECTIVA

Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980




ZDB - GALERIA ZÉ DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

14 JUL - 23 SET 2017


INAUGURAÇÃO: Sexta-feira, 14 de Julho, às 22h

A Galeria Zé dos Bois apresenta a exposição Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980 entre 14 de Julho e 23 de Setembro de 2017 nos seus espaços da Rua da Barroca, 59, ao Bairro Alto, Lisboa. Oportunidade de conhecer a fundo a utilização do cartaz político no quadro de uma das mais relevantes iniciativas solidárias da segunda metade do século XX.


Galeria Zé dos Bois
Rua da Barroca, 59, 1200-047 Lisboa
De quarta a sábado, entre as 18h e as 22h
Entrada: €2

A exposição que a zdb agora apresenta situa-nos perante uma das mais extraordinárias experiências gráficas do último século. Composta por cerca de uma centena de cartazes, revistas e dioramas concebidos entre 1966 e 1980, esta exposição traça um retrato do esforço colectivo que diversas forças políticas em África, na Ásia e na América Latina desenvolveram no sentido de estabelecer uma propaganda solidária comum. Tendo o seu centro artístico e produtivo em Cuba, mas adoptando uma postura internacionalista desde a sua fundação, a OSPAAAL (Organização de Solidariedade para com os Povos de África, Ásia e América Latina) concebeu um amplo conjunto de materiais gráficos que se destinavam a dar voz e a galvanizar as facções políticas que, naqueles continentes, lutavam pela autodeterminação dos povos contra o colonialismo e outras formas de exploração e segregação.

Organizada tematicamente, esta exposição articula imagens de actores políticos como Che Guevara, Amílcar Cabral, Patrice Lumumba, Mehdi Ben Barka ou Richard Nixon com ilustrações de apoio à luta armada, apelos ao orgulho nacional, incentivos à revolta das classes operárias ou resistência ao domínio imperialista dos Estados Unidos. Beneficiando da posição de abertura dos seus dirigentes face às vanguardas artísticas do pós-guerra, os autores cubanos puderam fazer da produção gráfica da OSPAAAL uma verdadeira plataforma para o encontro entre um discurso altamente politizado e as mais radicais propostas artísticas da época. Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980 convoca o público a descobrir uma colecção de materiais que vogam entre a denúncia da opressão e a exaltação dos feitos revolucionários e que, no seu conjunto, são um documento inestimável da época de ouro do design cubano e um exemplo claro do uso da comunicação visual em prol da igualdade e das transformações sociais.

A par da acção internacionalista da OSPAAAL, Cuba implementou um conjunto vasto de organismos políticos de vocação interna e local. Num destes organismos, COR – Comité de Orientação Revolucionário, sedeado em Cienfuegos, trabalhou Pepe de la Paz, artista gráfico cuja produção é alvo de uma retrospectiva incluída nesta exposição.