Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

O céu recuou dez metros


João Jacinto
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Meeting With a Double Agent


Beatriz Olabarrieta
Syntax, Lisboa

(podemos sempre fugir de carro)


Luísa Jacinto
Fundação Portuguesa das Comunicações,

What We Feel Like


Rita Matos
FOCO, Lisboa

wanderings


Coletiva
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Saga


Pedro Barateiro
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Fifty-Fifty (50|50)


Noé Sendas Rui Calçada Bastos
Galeria Miguel Nabinho, Lisboa

O Gosto solitário de Gravar


Ana Galvão
Galeria Quadrum, Lisboa

História da Vida Privada


Pedro Valdez Cardoso
Galeria 111, Lisboa

A New perspective on Alexander M collection


Rui Macedo
Galeria Municipal Vieira da Silva, Loures

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

HENRIQUE NEVES

Casa Aberta




ARQUIVO MUNICIPAL DE LISBOA/NÚCLEO FOTOGRÁFICO
Rua da Palma, 246
LISBOA

27 JUL - 14 OUT 2017


CASA ABERTA gera diálogos entre fotografia, arquitetura, decoração e arte contemporânea e questiona como as diversas práticas e técnicas são vistas e valorizadas, criando cruzamentos entre as mesmas. Os trabalhos ‘brincam’ com diversas técnicas, materiais e referências, interrogando o que fica no arquivo e é celebrado e, por oposição, o que é excluído e esquecido.

As peças têm como ponto de partida imagens e publicações de arquitetura que visam transmitir a "seriedade” e clareza de práticas arquitetónicas. Os materiais e as técnicas usadas são variados e criam peças ambíguas e contaminadas que misturam costura, fotografia, design de interiores, têxteis, plantas e referências pessoais, entre outros. As peças adaptam-se ao espaço a nível físico, que define o modo de exibição, e o facto serem apresentadas num arquivo de fotografia influencia muito a sua realização.

Tradicionalmente, a decoração e consequentemente o design e a costura não são vistos como arte mas como "práticas menores” quando inseridas num contexto doméstico. Existindo enquanto práticas que desafiam discursos e que na sua existência e resiliência questionam porque são excluídas e vistas como inferiores.

As práticas de arquitetura e decoração estão há muito presentes na minha história pessoal: o meu avô era construtor civil, a minha irmã arquitecta e a minha mãe trabalhou com costura e decoração. Como artista, tento fazer uma ponte entre estas áreas, para a sua visibilidade e celebração. Neste projecto são utilizados materiais e objectos, procurando criar uma dinâmica de valores e de atributos, para questionar de certa forma as ideias de categoria e de classificação.

CASA ABERTA trata-se de uma exposição que pretende refletir o lugar e a dimensão da fotografia de arquitetura, entre os anos 40 e 70, no contexto da produção e edição de publicações sobre arquitetura, muitas delas icónicas da especialidade como Arts & Architecture ou L´Architecture d´Aujourd´hui.

Henrique Neves