Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Meus Pequenos Amores / My Little Loves


Sharon Lockhart
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Paisagens Ocultas - Apologia da Pintura Pura Óleos, 2014-2017


NIKIAS SKAPINAKIS
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

GÉNERO NA ARTE. CORPO, SEXUALIDADE, IDENTIDADE, RESISTÊNCIA


COLETIVA
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Num Jardim Feito de Tinta


Ana Hatherly e o Barroco
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Splitting, cutting, writing, drawing, eating…


Gordon Matta-Clark
Culturgest, Lisboa

Debaixo do Seu Nariz


JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA, ROSÂNGELA RENNÓ, JULIÃO SARMENTO
Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos, Lisboa

Chama Xamânica | João Simões


Otelo M.F. e João Simões
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

False Ground


Marianne Mueller
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

In and out of Africa


coleção Treger Saint Silvestre
Oliva Núcleo de Arte, S. João da Madeira

PROJETOS CONTEMPORÂNEOS


DANIEL STEEGMANN MANGRANÉ
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

HENRIQUE NEVES

Casa Aberta




ARQUIVO MUNICIPAL DE LISBOA/NÚCLEO FOTOGRÁFICO
Rua da Palma, 246
LISBOA

27 JUL - 14 OUT 2017


CASA ABERTA gera diálogos entre fotografia, arquitetura, decoração e arte contemporânea e questiona como as diversas práticas e técnicas são vistas e valorizadas, criando cruzamentos entre as mesmas. Os trabalhos ‘brincam’ com diversas técnicas, materiais e referências, interrogando o que fica no arquivo e é celebrado e, por oposição, o que é excluído e esquecido.

As peças têm como ponto de partida imagens e publicações de arquitetura que visam transmitir a "seriedade” e clareza de práticas arquitetónicas. Os materiais e as técnicas usadas são variados e criam peças ambíguas e contaminadas que misturam costura, fotografia, design de interiores, têxteis, plantas e referências pessoais, entre outros. As peças adaptam-se ao espaço a nível físico, que define o modo de exibição, e o facto serem apresentadas num arquivo de fotografia influencia muito a sua realização.

Tradicionalmente, a decoração e consequentemente o design e a costura não são vistos como arte mas como "práticas menores” quando inseridas num contexto doméstico. Existindo enquanto práticas que desafiam discursos e que na sua existência e resiliência questionam porque são excluídas e vistas como inferiores.

As práticas de arquitetura e decoração estão há muito presentes na minha história pessoal: o meu avô era construtor civil, a minha irmã arquitecta e a minha mãe trabalhou com costura e decoração. Como artista, tento fazer uma ponte entre estas áreas, para a sua visibilidade e celebração. Neste projecto são utilizados materiais e objectos, procurando criar uma dinâmica de valores e de atributos, para questionar de certa forma as ideias de categoria e de classificação.

CASA ABERTA trata-se de uma exposição que pretende refletir o lugar e a dimensão da fotografia de arquitetura, entre os anos 40 e 70, no contexto da produção e edição de publicações sobre arquitetura, muitas delas icónicas da especialidade como Arts & Architecture ou L´Architecture d´Aujourd´hui.

Henrique Neves