Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PEDRO VALDEZ CARDOSO

História da Vida Privada




GALERIA 111
R. Dr. João Soares, 5B
1600-060 LISBOA

11 NOV - 30 DEZ 2017


Inauguração dia 11 de novembro de 2017, pelas 17 horas, a Galeria 111, em Lisboa

HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA, é um projeto de exposição que Pedro Valdez Cardoso concebeu, ao longo de um ano, especificamente para a Galeria 111.
Reunindo um conjunto de mais de 100 obras, a instalação apresenta peças inéditas, peças recentes e um conjunto de peças do arquivo do artista, as quais foram sendo realizadas ao longo de mais de 15 anos e nunca expostas, na sua grande maioria, anteriormente. Numa diversidade de suportes que passam pelo desenho, colagem, bordado, objets trouvés, assemblage, escultura, objeto e fotografia. A exposição reúne peças produzidas, entre 1993 e 2017, numa clara alegoria a uma possível exposição antológica, sem o ser.
A maioria destas peças foi sendo realizada nos intervalos de projetos de maior dimensão e dedicação. Oscilando entre pequenos formatos, cuja feitura é muito imediata, próxima do desenho, e peças de mais complexa conceção, ou até fragmentos derivados de instalações anteriormente apresentadas, bem como peças pensadas e em esboço, que viram agora a sua construção.
O projeto visa equacionar de que forma tudo o que um artista produz está relacionado com tudo o que ele vive e de que modo a dicotomia “fazer e viver” em arte são inseparáveis, independentemente da maior ou menor visibilidade dessa mesma pressuposta intimidade.
“Num País distante” é o texto que acompanha esta exposição da autoria do poeta e curador João Miguel Fernandes Jorge.