Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

Public


Gerry Bibby
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

No dia seguinte está o agora


Colectiva
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória


COLECTIVA
Museu de Arte Popular, Lisboa

HSD (HIC SVNT DRACONES)


Ana Morgadinho
A Montanha, Lisboa

Desenho Interrompido


Ricardo Jacinto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

The Man with the Golden Arm


João Fonte Santa
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

JAIME ou o desenho que nos dá o mundo


Colectiva
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Raiz


Helena Gonçalves
Atelier de Lisboa - Escola de Fotografia e Centro de Artes Visuais, Lisboa

LITANIA


ANTÓNIO SENA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


NOÉ SENDAS RUI CALÇADA BASTOS

Fifty-Fifty (50|50)




GALERIA MIGUEL NABINHO
Rua Tenente Ferreira Durão 18-B Campo de Ourique
1350-315 LISBOA

23 NOV - 20 NOV 2017


Inauguração dia 23 de novembro, às 22h, na Galeria Miguel Nabinho

Curadoria de Sérgio Fazenda Rodrigues

A 23 Novembro de 2017 Galeria Miguel Nabinho apresenta a exposição Fifty-Fifty (50|50), com obras inéditas de Noé Sendas e Rui Calçada Bastos. Construídas em simultâneo, em diferentes ateliers, as obras destes artistas são afinadas por cada um e pela ressonância que estabelecem com o trabalho do outro.
O trabalho de Noé Sendas e de Rui Calçada Bastos surge, em paralelo, de um reconhecimento e de uma efabulação do real. Isto é, em ambos existe um olhar que se foca sobre o que os rodeia, onde, numa construção poética, objectos, situações e imagens se modificam e transcendem a sua condição de base.
Com o pretexto de ir à cave, entendida aqui como referência a um lugar interior e subconsciente mas, também, como o simples subsolo da galeria, as obras dos dois artistas surgem de um encontro entre a persistência da memória e a vontade de uma nova existência.
Algo que se centra numa permanência doméstica mas, também, numa referencia à deslocação e à partida, onde o que perpassa é a melancolia de uma ausência e a supressão de um acomodamento. Algo que configura um estado de mudança, assente no que já passou mas, também, na inquietude do que está por surgir.
Estabelecendo um exercício em torno do que aproxima a prática destes dois artistas, a exposição não problematiza a procura de uma autoria conjunta. Trata-se, antes, de olhar para uma relação que é assente na mútua partilha de experiências e na gestão das inquietações que lhes são comuns.