Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Andrés Galeano


unknown photographers
Galeria Bessa Pereira, Lisboa

Calcanhar de Aquiles


Nikolai Nekh
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

A Tale of Ingestion


Colectiva
Monitor, Lisboa

Bárbara Balaclava


Thiago Martins de Melo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Escutar as águas. Obras da coleção Schneider em diálogo com artistas portugueses


Colectiva
Museu do Dinheiro, Lisboa

CORRECTED IMAGINARY


Christopher Dickson
O Palácio, Lisboa

IV Encontros Internacionais de Arte: rememorar o Verão de 1977 nas Caldas da Rainha


Colectiva
Escola Superior de Artes e Design Caldas da Rainha, Caldas da Rainha

Ama as tuas rosas / E...


Pedro Quintas / Alexandre Conefrey
Belo-Galsterer,

CLAREIRA


Manuel Rosa
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Pensar no vazio


CARLOS MENSIL
Galeria Presença (Porto), Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


BÁRBARA BULHÃO, FÁBIO COLAÇO, HUGO LAMI E FRANCISCO PINTO

WIP




MUTE
Rua Cecílio de Sousa 20 C


11 JAN - 23 FEV 2018


A MUTE tem o prazer de a/o convidar para a inauguração da exposição de Bárbara Bulhão, Fábio Colaço, Hugo Lami e Francisco Pinto, com curadoria de Andreia César, no nosso espaço expositivo, que acontecerá dia 11 de Janeiro às 18:30 (terminando pelas 21:30). A mostra estará patente e aberta ao público de 4ª a Sábado das 15:30h às 19:30h até dia 23 Fevereiro de 2018.

Bárbara Bulhão,
Fábio Colaço,
Hugo Lami e
Francisco Pinto,

com curadoria de Andreia César | WIP


Sinopse:

WIP é acrónimo de work in process, um conceito com origem na indústria, especificamente utilizado pela gestão de cadeias de fornecimento de mercadorias, e que agora constitui o título desta exposição coletiva. Na mostra WIP propõem-se estabelecer um paralelismo entre o objeto artístico e a mercadoria comum, indagando a explícita conjugação entre a dimensão económica e a dimensão cultural, onde a arte não só segue as regras do mundo mercantil e mediático como também reproduz, em certa medida, o seu modus operandi.