Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

Public


Gerry Bibby
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

No dia seguinte está o agora


Colectiva
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória


COLECTIVA
Museu de Arte Popular, Lisboa

HSD (HIC SVNT DRACONES)


Ana Morgadinho
A Montanha, Lisboa

Desenho Interrompido


Ricardo Jacinto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

The Man with the Golden Arm


João Fonte Santa
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

JAIME ou o desenho que nos dá o mundo


Colectiva
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Raiz


Helena Gonçalves
Atelier de Lisboa - Escola de Fotografia e Centro de Artes Visuais, Lisboa

LITANIA


ANTÓNIO SENA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


BÁRBARA BULHÃO, FÁBIO COLAÇO, HUGO LAMI E FRANCISCO PINTO

WIP




MUTE
Rua Cecílio de Sousa 20 C


11 JAN - 23 FEV 2018


A MUTE tem o prazer de a/o convidar para a inauguração da exposição de Bárbara Bulhão, Fábio Colaço, Hugo Lami e Francisco Pinto, com curadoria de Andreia César, no nosso espaço expositivo, que acontecerá dia 11 de Janeiro às 18:30 (terminando pelas 21:30). A mostra estará patente e aberta ao público de 4ª a Sábado das 15:30h às 19:30h até dia 23 Fevereiro de 2018.

Bárbara Bulhão,
Fábio Colaço,
Hugo Lami e
Francisco Pinto,

com curadoria de Andreia César | WIP


Sinopse:

WIP é acrónimo de work in process, um conceito com origem na indústria, especificamente utilizado pela gestão de cadeias de fornecimento de mercadorias, e que agora constitui o título desta exposição coletiva. Na mostra WIP propõem-se estabelecer um paralelismo entre o objeto artístico e a mercadoria comum, indagando a explícita conjugação entre a dimensão económica e a dimensão cultural, onde a arte não só segue as regras do mundo mercantil e mediático como também reproduz, em certa medida, o seu modus operandi.