Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

Public


Gerry Bibby
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

No dia seguinte está o agora


Colectiva
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória


COLECTIVA
Museu de Arte Popular, Lisboa

HSD (HIC SVNT DRACONES)


Ana Morgadinho
A Montanha, Lisboa

Desenho Interrompido


Ricardo Jacinto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

The Man with the Golden Arm


João Fonte Santa
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

JAIME ou o desenho que nos dá o mundo


Colectiva
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Raiz


Helena Gonçalves
Atelier de Lisboa - Escola de Fotografia e Centro de Artes Visuais, Lisboa

LITANIA


ANTÓNIO SENA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DIDIER FIÚZA FAUSTINO

UNBUILT MEMORIES




GALERIA FILOMENA SOARES
Rua da Manutenção, 80
1900-321 LISBOA

11 JAN - 10 MAR 2018


Inauguração dia 11 de Janeiro, às 21h30, na Galeria Filomena Soares

O trabalho de Didier Fiúza Faustino explora a relação entre arte e arquitetura, corpo e espaço, reformulando teorias previamente estabelecidas que abordam a arte e o design. O artista desafia ideias e comportamentos convencionais através do design de objetos fora do comum totalmente frutos da sua imaginação, que nos confrontam com os nossos limites físicos e mentais numa realidade nova e em constante mudança.

As fotografias, o design, os vídeos e as esculturas que Didier apresenta demonstram o seu interesse no corpo humano e nas suas fragilidades numa vertente física, espiritual e também política. O artista investiga o corpo como um grupo, e simultaneamente, como um sistema para desconstruir as barreiras físicas e mentais tanto desse corpo como do espectador.

Ao longo da exposição, “os diferentes espaços explorados nas obras recentram o corpo nas necessidades básicas das implicações politicas e sociais que estabelecem o espaço, desta forma alertando o seu público para o perigo que é a subjetividade e o conceito de verdade previamente estabelecido.”(1) Consequentemente, “Unbuilt Memories apresenta-se como um manifesto acerca das possibilidades de pensar no futuro que não vão de acordo com a civilização, por excluir a noção de certeza como um dogma político e civil, ou mesmo como uma reminiscência de um passado real.”(2).