Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JÚLIA VENTURA

Vigilância




COLÉGIO DAS ARTES DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
Colégio das Artes, Apartado 3066
3001-401 COIMBRA

16 FEV - 05 ABR 2018


INAUGURAÇÃO: 16 de fevereiro, 18h


Júlia Ventura inaugura a exposição "Vigilância" no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.


Júlia Ventura
Formou-se em Pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa e tem o curso de Vídeo Arte da Universidade de Concórdia, Montreal, Canadá. Começou a expor individualmente os seus trabalhos fotográficos no início dos anos 80, entre Lisboa e Amesterdão, sendo fulcral para a singularidade da sua obra o contato com a cena artística internacional neste período. A sua obra elabora alguns dos mais importantes questionamentos históricos e ontológicos pós-modernistas sobre a representacção fotográfica e, particularmente, a autorrepresentacção. Utilizando principalmente a fotografia nas suas potencialidades de representacção e reprodutibilidade, e mais recentemente o vídeo e a pintura, explora o léxico dos estereótipos sexuais e imagéticos que rodeiam a representacção feminina, influentes no decorrer do próprio discurso artístico e fotográfico. A artista trabalha sobre o conceito de matriz imagética, a sua massificacção e alteridade, desconstruindo os seus componentes, criando paradoxos e dialéticas que denunciam a herança patriarcal na constituição da imagem do feminino e desarticula o legado verista da génese fotográfica. A sua obra tem sido exibida em Portugal e nos estrangeiro, sobretudo na Holanda. Destacam-se as exposições coletivas no Stedelijk Museum, Amsterdão (1991), Museo National Reina Sofia, Madrid (1997), MEIAC, Badajoz (2001), e as individuais na Villa Arson, Nice (1989), Centro Cultural de Belém (1997), Musée d’art moderne et contemporain, Genève (2002). Em 2004 foi realizada uma antologia da sua obra na Fundacção de Serralves e no Muller Museum, em Otterlo na Holanda.

Emília Tavares
(Fonte: MNAC)