Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

Leap of Faith


COLECTIVA
No.No, Lisboa

Homework


COLECTIVA
Madragoa, Lisboa

Como silenciar uma poeta


Susana Mendes Silva
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Lourdes Castro: A vida como ela é


Lourdes Castro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MARIA CONDADO

O Lago




ESPAÇO AMOREIRAS
Rua D. João V nº 24
1250-091

26 ABR - 31 MAI 2018


INAUGURAÇÃO: 26 de Abril, 18h30



O Lago é a próxima exposição de Maria Condado, composta por apenas uma pintura. Inserida no átrio do Espaço Amoreiras, O Lago é uma pintura que pode ser vista de longe, de perto e junto das suas margens. A proposta de Maria Condado é um convite ao espectador a mergulhar no espaço ilusório e percorrer o gesto que a pintura cristaliza.

O trabalho de Maria Condado centrado no campo da paisagem, mostra a dicotomia entre a natureza e elementos industriais ou arquitetónicos, por vezes pontuada por presenças humanas. Nos últimos anos, a ideia de jardim como construção humana tem sido reincidente na obra desta artista. O lado artificial dos jardins nos espaços da cidade contempla gosto pelo exótico, a ideia de paraíso ou suspensão da rotina e necessidade de ordenação, através da delimitação espacial das espécies, margens e caminhos.

A pintura O Lago revela um espaço de escolhas da artista, que aumenta elementos da composição, selecionando diferentes distâncias de leitura das espécies de plantas, flores e árvores, propondo um percurso dinâmico à volta deste lago imaginado.

A exposição inclui um texto crítico do curador Lourenço Egreja.


:::


Maria Condado nasceu em 1981, e atualmente vive e trabalha em Lisboa. É licenciada em Pintura pela FBAUL, no ano de 2004, e completou em 2015 a Pós-Graduação em Jardins e Paisagem pela FCSH em Lisboa. Das suas exposições individuais destacam-se Do azul faz-se o verde(2017), na Galeria Carolinès, de Lisboa; Trabalho de Campo(2013), no Next Room; Jardim Botânico (2009) e Promised Land (2007), na Galeria Carolina Pagès, em Lisboa. Das exposições colectivas salientam-se Onde é a China? (2014), Museu do Oriente, Lisboa; 16º Programa de Exposições (2014), Carpe Diem Arte e Pesquisa, Lisboa; Pavilhão de Portugal (2009), Hangar-7, Salzburgo, Áustria, e Vestígio (2008), Hospital Júlio de Matos. Em 2017 o seu livro de artista Hortus foi editado pelo Stolen Books.