Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Pós-Pop. Fora do lugar-comum




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

19 ABR - 19 ABR 2018


Esta exposição apresenta, na sua grande maioria, obras produzidas entre 1965 e 1975, em Portugal e Inglaterra. Em algumas delas, nota-se uma unidade que tem a ver com a divergência bem-humorada em relação ao lugar-comum proposto pela Pop Art. E, no caso dos artistas portugueses, verdadeiros trânsfugas da mediocridade que se vivia em Portugal, encontramos um laço comum que foi o terem procurado inspiração e incentivo no estrangeiro, em Paris, e, sobretudo, em Londres, verdadeira meca dos anos 1960.

A crítica à Pop Art surge na segunda metade da década de 1960. No caso dos artistas portugueses é simultânea à experimentação em torno desta linguagem, cuja assimilação, por sua vez, surge desviada ou desviante, permitindo alargar e transformar a zona de influência da Pop. A obra realizada por Teresa Magalhães em finais dos anos 1960, praticamente inédita até hoje, exemplifica esta assimilação, enquanto a obra de Ruy Leitão, desenvolvida em Londres e estimulada por um contexto académico muito informado – o artista foi aluno de Patrick Caulfield que o considerava um dos seus mais brilhantes estudantes –, se situa numa zona de afastamento crítico que designámos de «pós-pop». Outro laço comum entre todos estes artistas é o pensamento interventivo que desenvolvem sobre o próprio objeto artístico enquanto tal, o que os situa nos primeiros ensaios da arte concetual sem, no entanto, abandonarem a vontade de comunicação que está na origem da Pop.

Trata-se da emergência de novas linguagens artísticas, vivida em primeira mão num contexto anglo-saxónico. A influência inglesa em Portugal acentua-se com a saída de muitos artistas para Londres. Os artistas portugueses reagem à situação anacrónica do país, à guerra colonial que começa em 1961 e se arrasta até ao 25 de Abril de 1974, data que lhe põe fim e instaura a democracia em Portugal.

Apresentam-se algumas obras de artistas ingleses, com um notório desvio da Pop – Bernard Cohen, Tom Phillips, Jeremy Moon, Allen Jones, entre outros –, a par com um maior número de obras de artistas portugueses como Teresa Magalhães, Ruy Leitão, Eduardo Batarda, Menez, Nikias Skapinakis, Fátima Vaz, Clara Menéres, João Cutileiro, José de Guimarães, entre muitos outros.

Curadoria: Ana Vasconcelos e Patrícia Rosas