Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Para Além do Zero e do Um




MUTE
Rua Cecílio de Sousa 20 C


17 MAI - 15 JUN 2018


Inauguração: dia 17 de Maio, às 18:30, na MUTE.
Performance: de Tânia da Fonte, às 19:00.

Para Além do Zero e do Um, para além dos dois dígitos que regulam a encriptação binária da informação, o que há? O dois e a diferença que ele representa, uma multiplicidade (de modos de dar a ver, de dar a sentir, de dar a pensar) que resiste à codificação e, portanto, à domesticação. É essa diferença que, entre o desenho, a fotografia, a instalação, a performance e a projecção, é procurada por cinco autores que – na ausência de um programa de trabalho comum – a encontram na figuração conjunta daquilo a que podemos chamar «o mundo do depois»: do depois do humano, do depois do trabalho, do depois de uma linguagem que se quer imune a ambiguidades e a diferentes possibilidades de leitura. Chamam-se Catarina Patrício, Filipe Pinto, Paulo Lisboa, Ricardo Geraldes e Tânia da Fonte. A Galeria Mute acolhe-os (e acolhe-nos) a partir do próximo dia 17 de Maio.

Vasco Baptista Marques


Biografias:

Catarina Patrício vive em Lisboa. Trabalha em desenho o espaço de tensão que se abre pelo corte e montagem de imagens. catarinapatricio.weebly.com/

Filipe Pinto trabalha sobre linguagem e quotidiano; vive em Lisboa. www.filipepinto.weebly.com

Paulo Lisboa nasceu, vive e trabalha em Lisboa. Embora recorra a vários media, o seu trabalho apresenta-se frequentemente na forma de desenho ou projecções, onde aborda problemáticas relacionadas com a natureza da luz e a percepção da matéria. http://cargocollective.com/paulolisboa

Ricardo M. Geraldes recorre à fotografia para enquadrar um mundo pré-humano (que ainda existe) e um mundo pós-humano (a fazer-se). Nasceu em Lisboa, e por aí reside. ricardomgeraldes.weebly.com/

Tânia da Fonte vive em Lisboa. Trabalha sobre o terreno e a norma. Cada projecto resulta da sucessão de episódios e da adição de diferentes formas (performance, desenho, texto, vídeo, escultura).