Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Evocatório


Juliana Matsumura e Maria Albergaria
MUTE, Lisboa

Still Cabanon


Aires Mateus, Alexandra João Martins, Ângela Ferreira, Armando Rabaça, Atelier Do Corvo, Carvalho Araújo, Gabriela Vaz-Pinheiro, Didier Fiúza Faustino, Eduardo Souto Moura, Inês Moreira, Fernanda Fragateiro, Fernando Brízio, José Bártolo, Filipe Alar
Gabinete, Lisboa

Geometria Sónica


Miguel Leal/ Pedro Tudela e Mike Cooter/ Tomás Cunha Ferreira
Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande - Açores

AS RAÍZES TAMBÉM SE CRIAM NO BETÃO


Kader Attia
Culturgest, Lisboa

Constelação | Da dobra e do corte


Cutileiro | José Guimarães
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

QUERELA


Liz Craft
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Oh Fuck Yeah


Colin Ginks
A Montanha, Lisboa

Vaivém


Bruno Pacheco
Galeria Quadrum, Lisboa

Pairar adentro


Inês Teles
Acervo - Arte Contemporânea, Lisboa

Marcas - Obras do Acervo Histórico Videobrasil


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


THIAGO MARTINS DE MELO

Bárbara Balaclava




MAUS HÁBITOS - ESPAÇO DE INTERVENÇÃO CULTURAL
Rua Passos Manuel, 178, 4º
4200-382 PORTO

14 JUN - 29 JUL 2018


Inauguração: 14 de Junho, às 21h30, nos Maus Hábitos


Ao longo de pouco mais de uma década, o artista brasileiro Thiago Martins de Melo desenvolveu uma obra em pintura que se afirma como uma das mais singulares de sua geração. Em seus trabalhos, quase sempre feitos em óleo sobre telas de grandes dimensões, expõe as violências que os detentores do poder real do Brasil historicamente impõem a quem escapa às normas que estabelecem ou desafie os privilégios de classe, cor e gênero de que desfrutam. Em particular, seus trabalhos se debruçam sobre os abusos por séculos cometidos contra as populações de origem indígena e negra no país. Em seu primeiro filme – bárbara balaclava, 2016 –, o artista edita e anima, valendo-se de técnica de stop-motion, imagens retiradas de quase quatro mil pinturas feitas em diferentes tamanhos e suportes especialmente para serem usadas nesse projeto. O filme alarga a ambição narrativa que Thiago Martins de Melo demonstra em sua trajetória sem alterar a vontade de desafiar narrativas que justifiquem práticas de dominação no país. Nesse sentido, bárbara balaclava pode ser entendido como o esboço de uma contra-história do Brasil, feita mais de sugestões ou pedaços do que de um discurso escorreito e unificado.

Texto de Moacir dos Anjos