Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Evocatório


Juliana Matsumura e Maria Albergaria
MUTE, Lisboa

Still Cabanon


Aires Mateus, Alexandra João Martins, Ângela Ferreira, Armando Rabaça, Atelier Do Corvo, Carvalho Araújo, Gabriela Vaz-Pinheiro, Didier Fiúza Faustino, Eduardo Souto Moura, Inês Moreira, Fernanda Fragateiro, Fernando Brízio, José Bártolo, Filipe Alar
Gabinete, Lisboa

Geometria Sónica


Miguel Leal/ Pedro Tudela e Mike Cooter/ Tomás Cunha Ferreira
Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande - Açores

AS RAÍZES TAMBÉM SE CRIAM NO BETÃO


Kader Attia
Culturgest, Lisboa

Constelação | Da dobra e do corte


Cutileiro | José Guimarães
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

QUERELA


Liz Craft
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Oh Fuck Yeah


Colin Ginks
A Montanha, Lisboa

Vaivém


Bruno Pacheco
Galeria Quadrum, Lisboa

Pairar adentro


Inês Teles
Acervo - Arte Contemporânea, Lisboa

Marcas - Obras do Acervo Histórico Videobrasil


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Escutar as águas. Obras da coleção Schneider em diálogo com artistas portugueses




MUSEU DO DINHEIRO
Antiga Igreja de S. Julião, Largo de S. Julião
1100-150 LISBOA

16 JUN - 08 SET 2018


Inauguração: dia 16 de Junho, no Museu do Dinheiro e Torreão Nascente da Cordoaria Nacional

Coincidência de opostos: recurso vital e motivo de conflitos mortais; lugar de viagem esperançosa e cemitério vergonhoso de abandonados; ameaça natural ao homem e irremediavelmente ameaçada por ele; símbolo de vida e de morte; imagem do tempo que passa, escapando-nos, e da eterna fonte original, útero maternal… É sobre este estatuto paradoxal das águas que a exposição se debruça. Cruzam-se obras da Coleção da Fundação François Schneider, que definiu a água como tema, com obras de artistas portugueses, mas também com filmes, documentos, livros e objetos que nos permitem aproximar da complexidade do elemento e da atualidade do seu impacto político.

A exposição propõe que não permaneçamos na margem, num alheamento falsamente seguro, mas que nos lancemos na corrente, conscientes de que estamos já embarcados.

Há uma sabedoria e força plástica nas águas que é preciso escutar.