Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Sexo, Escondidas e uma Parede


Rodrigo Oliveira
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Stray Gods


Colectiva
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

The Architecture of Life. Environments, Sculptures, Paintings and Films


CARLOS BUNGA
MAAT, Lisboa

Da História das Imagens


Manuel Casimiro
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Nem tudo no navio se deteriora no porão


DALILA GONÇALVES
Galeria Lehmann + Silva, Porto

Humor


ISABEL SIMÕES
Bruno Múrias,

WHILE THEY SLEEP THEY DREAM


LEONOR HIPÓLITO
Espaço AZ, Lisboa

O Quase Nada


CHRISTINE HENRY
Museu Municipal de Faro, Faro

Corpo + Acção = Performance


Beatriz Albuquerque
Quase Galeria, Porto

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Escutar as águas. Obras da coleção Schneider em diálogo com artistas portugueses




MUSEU DO DINHEIRO
Antiga Igreja de S. Julião, Largo de S. Julião
1100-150 LISBOA

16 JUN - 08 SET 2018


Inauguração: dia 16 de Junho, no Museu do Dinheiro e Torreão Nascente da Cordoaria Nacional

Coincidência de opostos: recurso vital e motivo de conflitos mortais; lugar de viagem esperançosa e cemitério vergonhoso de abandonados; ameaça natural ao homem e irremediavelmente ameaçada por ele; símbolo de vida e de morte; imagem do tempo que passa, escapando-nos, e da eterna fonte original, útero maternal… É sobre este estatuto paradoxal das águas que a exposição se debruça. Cruzam-se obras da Coleção da Fundação François Schneider, que definiu a água como tema, com obras de artistas portugueses, mas também com filmes, documentos, livros e objetos que nos permitem aproximar da complexidade do elemento e da atualidade do seu impacto político.

A exposição propõe que não permaneçamos na margem, num alheamento falsamente seguro, mas que nos lancemos na corrente, conscientes de que estamos já embarcados.

Há uma sabedoria e força plástica nas águas que é preciso escutar.