Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

ANGELA BULLOCH


Heavy Metal Stack of Six - da coleção de Serralves
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Afri-Cola


TATIANA MACEDO | AFRI-COLA
Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

Claim the diamonds in your eyes


Edgar Pires
Monitor, Lisboa

From the World, Made in Lisboa


Coletiva
Galeria Underdogs, Lisboa

Studiolo XXI, Desenho e Afinidades


Coletiva
Fundação Eugénio de Almeida, Évora

Trabalho Capital # Ensaio sobre gestos e fragmentos


Coletiva
Centro de Artes de S. João da Madeira, S. João da Madeira

Narciso


TANIA BRUGUERA
Galeria Quadrum, Lisboa

Da cabeça à mão. Obras do acervo do AMJP


Júlio Pomar
Oficina Cultural – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Viana do Castelo

Caderno > S. Tomé é Pedra que tem Peso em Cima do Mar


Pedro Saraiva
Passevite, Lisboa

DRAWING BODY


DIOGO PIMENTÃO
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


HENRIQUE NEVES

Traças e Traços




FOCO
Rua da Alegria, 34 R/C
1250-007

09 NOV - 09 NOV 2018


Inauguração: 9 de Novembro de 2018, às 19:00, na Galeria FOCO

Traças e Traços foi concebida a partir de diversos artefactos e investiga memórias, arquivos, relações de poder, espaço, modelos de costura e narrativas pessoais. Há dois anos recebi as cópias em ozalide das plantas arquitetónicas da minha escola primária, que pertenceram ao meu avô, um dos responsáveis pela sua construção. Mais recentemente, encontrei os modelos em papel de punhos e golas de camisas, usados pela sua mãe que trabalhava como costureira.

As plantas e os modelos em papel tornaram-se motivos para explorar ideologias e relações de poder e género, presentes em arquitetura e costura. Tais dinâmicas estão presentes na minha família: tradicionalmente, os homens trabalham em construção e arquitetura, enquanto as mulheres são costureiras ou decoradoras. Recentemente tal foi subvertido pelo trabalho em arquitetura da minha irmã e pelo uso de têxteis no meu trabalho.

Os rastros e traços presentes nos artefactos transformam-nos em objetos brincalhões que atuam como explorações materiais de estórias familiares e pessoais, da minha relação com o passado, dos objetos em si e dos seus fantasmas que, como traças, os vão comendo e criando espaço para o aparecimento de algo novo,

As peças apresentadas são objetos metálicos que citam as plantas arquitetónicas e os modelos curvilíneos de colarinhos e roupa, um brise-soleil esqueletal, um brise-soleil textual sobre o meu despertar amoroso durante a primária, e um biombo que cita decoração e arquitetura. Como habitualmente no meu trabalho, os materiais são comuns e acessíveis - madeira, papel, cobre, latão. Nelas ecoam os objetos e as práticas originais, enquanto, simultaneamente, interrogam resiliência e tempo, na sua fragilidade, incerteza e imperfeição.