Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

O Ponto Perfeito


Maria Pia Oliveira
Fundação Portuguesa das Comunicações,

Desenho e Pintura sobre papel


JORGE FEIJÃO
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

PAULIANA VALENTE PIMENTEL: Empty Quarter #2 (Rub Al’Khali)


PAULIANA VALENTE PIMENTEL
Galeria sala117, Porto

What Photography has in Common with an Empty Vase


Edgar Martins
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Quase um nada


Maria Laet
3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa

Si Sol Flat


Coletiva
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

(Des)Construção da memória


YiiMa
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Antes do Início e Depois do Fim


Júlio Pomar e Hugo Canoilas
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Alto Nível Baixo


Coletiva
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Teratologias


Daniel Canogar
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PEDRO MEDEIROS

Hikari (luz, light) ペドロ・メデイロス




ARQUIVO MUNICIPAL DE LISBOA/NÚCLEO FOTOGRÁFICO
Rua da Palma, 246
LISBOA

25 JUL - 28 SET 2019


Inauguração: 25 de julho, 19 horas, no Arquivo Municipal de Lisboa / Fotográfico

Entre 2015 e 2017, Pedro Medeiros viveu em Kyoto. Desde o início, mais do que fotografar no Japão, ou constituir um arquivo de imagens dessa experiência, o objetivo assumido por Pedro Medeiros foi o de produzir uma obra fotográfica, estabelecendo o preto e branco como linguagem estética.

A partir da reflexão sobre o quotidiano, não se ficou pelo olhar consentido na esfera pública e por sua coreografia de gestos e seu quadro normativo, procurou sempre penetrar num espaço mais intimo, insólito e mesmo proibido, onde a imagem que se intui e que se esconde é, por vezes, tão significativa como a imagem que se mostra e que é à superfície tal como se vê.

Num segundo momento, mais do que a tradicional ambiguidade entre o elemento documental e o elemento ficcional da fotografia, essa comunicação entre a fotografia exposta e o olhar de quem a observa está também presente, de uma forma muito subtil e irónica, nos trabalhos que Pedro Medeiros selecionou.

Sem comprometer a importância da sequenciação das imagens e a vertigem da velocidade convocada pelo Japão contemporâneo, que é apresentado sem tabus e sem impedimentos nem obstáculos, encontramos também um olhar profundo, demorado, que se detém com precisão sobre temas tão complexos como a memória e o lugar dos contextos patrimoniais, a solidão humana e as transformações provocadas pela tecnologia, num estilo de registo que adquire uma outra dimensão, centrando-se sobre o Japão milenar e os seus rituais quotidianos mais simbólicos.

Nestas fotografias vamos ao encontro de um diálogo entre espaço e tempo por vezes sobrepostos na mesma imagem, uma percepção que nos alerta que o passado e o presente continuam por ali aparentemente contra a corrente do tempo, mas não será também essa uma das seduções mais tentadoras do Japão?


Curadoria: Filipe Ribeiro

Visia guiada com Pedro Medeiros - 28 de setembro, 15h00